Colheitadeiras

ajustadas para a colheita perfeita

Colheitadeiras

A ação da colheita é complexa, impõe ser executada de maneira rápida, segura e com o mínimo de perdas possível – tanto quantitativas como qualitativas. Cabe à colhedora extrair da lavoura o grão limpo, sem palhas ou restos de cultura. Para tanto, é preciso entender como funciona a máquina

Giácomo Müller Negri, Leonardo Casali, Marcelo Silveira de Farias e Adão Leonel Mello Corcini da Universidade Federal de Santa Maria/RS

Sabe-se que o Brasil é um dos maiores produtores de alimentos do mundo, devido ao clima favorável, aos solos propícios, às áreas com grande expansão e aos manejos adequados empregados pelos produtores. Por conta disso, investimentos em máquinas agrícolas são necessários, e a indústria brasileira tem investido em novas tecnologias, tornando o Brasil um grande fabricante e exportador de máquinas e implementos agrícolas. Segundo dados da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), no período de janeiro a outubro deste ano, foram comercializadas 4.101 colhedoras de grãos no Brasil.

A cada ano, as empresas investem em tecnologias que visam proporcionar maior rendimento operacional, além de recursos e dispositivos que venham a facilitar a operação da máquina, tais como os seguintes: sensores de perda, produtividade, umidade; piloto automático e regulagem automática dos principais componentes da máquina. Essas tecnologias, chamadas de eletrônica embarcada, têm por objetivo monitorar a operação, fazer o controle automático da máquina, registrar os dados coletados pelos sensores para analisá-los, posteriormente ou em tempo real (telemetria), liberando a atenção do operador para outras funções.

No decorrer da jornada de trabalho, as regulagens da má...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!