Primeira Mão

Seguro trienal

O Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural aprovou o Plano Trienal do Seguro Rural, para o período 2019/2021. Na resolução publicada no Diário Oficial da União constam atualizações de percentuais de subvenção ao prêmio, previsão orçamentária e diretrizes técnicas do benefício para o programa de subvenção ao prêmio. Uma das mudanças é a elevação do percentual mínimo de cobertura da produtividade esperada de 60% para 65% a todos os produtos com cobertura caracterizada como multirrisco. “De acordo com as nossas análises, o nível médio de apoio vai ficar ao redor de 35% sobre o valor do prêmio. Com isso, esperamos atender por volta de 100 mil apólices já no próximo ano”, avalia Wilson Vaz de Araújo, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.


Open Innovation para startups

Primeira

A Embrapa Soja lançou o seu primeiro Open Innovation para Startups, edital que busca parcerias público-privadas para o desenvolvimento de tecnologias para a oleaginosa. O objetivo é aproximar a unidade de pesquisa de ideias inovadoras em tecnologias digitais aplicadas ao agro a empreendedores em tecnologia de informação e comunicação. São 12 linhas de pesquisa, de manejo de pragas/doenças, avaliação do estado nutricional da planta à comunicação multimídia. Ficou interessado(a)? Acesse www.embrapa.br/soja/open-innovation.


750 milhões

Primeira

De toneladas. Esta será a demanda anual do planeta de soja em 2050 – ou o dobro do atual consumo. Uma preciosa oportunidade ao Brasil – hoje, o segundo produtor e o maior exportador. É o que aponta o estudo da Embrapa (disponível em PDF em seu site). O trabalho ainda detalha os principais desafios do Brasil para atender à volumosa demanda, desde questões fitossanitárias – a exemplo invasoras resistentes a herbicidas – até logísticas. E ainda destaca a importância de investir em tecnologias como cultivares com tolerância à seca.


Mais mulheres e mais satisfeitas

Primeira

A participação feminina no mercado de trabalho do agronegócio foi ampliada de 24,11% para 27,97% entre 2004 e 2015, segundo o estudo Mercado de Trabalho do Agronegócio, elaborado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP. No período, o número de homens no setor encolheu 11,6%, enquanto o de mulheres aumentou 8,3%. O crescimento feminino se deu na categoria com carteira assinada, e o aumento foi impulsionado por trabalhadoras com maior nível de educação formal. O estudo também apurou que, das mulheres do agro, 67,9% se mostram satisfeitas em relação à jornada de trabalho, ao salário e a igualdades de oportunidade e tratamento, enquanto 20,83% estão insatisfeitas.


Mais que saborosas, empregadoras

Primeira

Cada dez hectares de plantas frutíferas ou de hortaliças gera 25 empregos. Ou seja, os 2,4 milhões de hectares de frutas absorvem 6 milhões de trabalhadores, e os 2,6 milhões de hectares hortícolas demandam 7 milhões de empregos. Uma comparação: dez hectares de soja dão trabalho a apenas uma pessoa (3,8 milhões de empregados para 34 milhões de hectares). Os números estão no Cenário Hortifruti Brasil, elaborado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), pela Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e pelo programa Hortifruti Saber & Saúde.


Demandas à Tereza Cristina

Primeira

Nem assumiu o cargo, e a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina (na foto, ao lado do presidente eleito, Jair Bolsonaro), já recebeu demandas do campo. E sugestões justamente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), organização que ela, por ora, preside. A FPA promoveu uma reunião com 28 parlamentares e representantes de entidades do setor para debater as principais pautas para o desenvolvimento e o fortalecimento da agropecuária nacional.

Conforme material divulgado pela FPA, o estabelecimento de uma política que alinhe áreas afins à agricultura que hoje estão dispersas em outros ministérios e secretarias é uma das principais mudanças defendidas pela futura ministra. A exemplo, fazer a gestão integrada de segmentos como pesca, agricultura familiar, irrigação e florestas plantadas. “Assim como faço na presidência da FPA, minha gestão será pautada pelo diálogo. Vamos estudar a melhor forma de se fazer isso no intuito de aperfeiçoar o trabalho já desenvolvido”, destacou Tereza Cristina.


R$ 1 bilhão

Primeira

Será o investimento da FS Bioenergia na usina de etanol de milho que vai gerar 530 milhões do biocombustível por ano. A unidade, sediada em Sorriso/MT, cuja pedra fundamental foi lançada no mês passado, vai demandar, após duas etapas de implantação, 1,3 milhão de toneladas de grãos por ano. Também vai gerar a produção anual de 340 mil toneladas de farelo e 17 mil de óleo. A FS Bioenergia, empresa formada pela brasileira Tapajós Participações S/A e pela norte-americana Summit Agricultural Group, inaugurou, há um ano, a primeira usina de etanol 100% de milho, em Lucas do Rio Verde/MT. Assim, juntas, as usinas produzirão mais de 1 bilhão de litros de etanol por ano.


9,5 milhões

Primeira

De pessoas usufruem as vantagens de integrar uma cooperativa de crédito. São exatas 929 instituições com este perfil no Brasil. Os números são da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). A adesão de pessoas físicas ao crédito cooperativo cresceu 76% de 2010 a 2017, enquanto entre microempresas a expansão foi de 120%. “As cooperativas de crédito representam a segunda maior rede de atendimento financeiro no Brasil. São mais de 5.800 pontos em todo o País, sendo que, em 620 municípios, a cooperativa é a única instituição com presença física”, acrescenta o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile.


Desde que a transgenia está disponível para o algodão, já houve safra em que ocorreu 32% de redução na dosagem aplicada de defensivos por hectare. Ao passar do sistema convencional para o que utiliza algodão transgênico, o custo com defensivos caiu, em média, 17%, ou seja, R$ 427,00 por hectare.” Adriana Brondani, diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), no artigo “Em 20 anos de transgênicos, o que os números revelam?”, baseado em levantamentos da Agroconsult.

Primeira