Aqui Está a Solução

 

RESTOS CULTURAIS DO ALGODÃO

Quando é indicada a técnica mecânica para a destruição de soqueiras do algodão? Quais as vantagens? Agradeço a informação.

Renato Simões Brasnorte/MT

R- Caro Renato, os métodos utilizados para destruir os restos da cultura são a destruição química, a mecânica e a combinação entre as duas técnicas. “Com a crescente adoção de cultivares transgênicas resistentes ao glifosato, ficou mais difícil para o produtor realizar o controle químico, pois as plantas remanescentes no campo não são controladas com o glifosato. Por isso, o ideal é combinar as duas técnicas”, diz o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Algodão, pesquisador Valdinei Sofiatti. Segundo ele, experimentos realizados com a combinação dos dois métodos para destruição de algodão transgênico resistente ao glifosato controlaram quase 100% da soqueira, enquanto utilizando-se apenas o método químico, o controle ficou abaixo de 90%, mesmo com duas aplicações de herbicida. O pesquisador lembra que o produtor tende a optar pela destruição química pela praticidade. “Mas é preciso destruir totalmente os restos das plantas e hoje existem equipamentos que realizam essa destruição com uma facilidade enorme”, assinala. Sofiatti também chama a atenção para a questão dos custos de destruição da soqueira. “O produtor pode pensar que a destruição mecânica é mais cara, mas comparando-se os custos dos dois métodos, a mecânica é até mais barata que a química, e a combinação dos dois métodos fica a um custo equivalente”, afirma. Conforme o pesquisador do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), Edson Andrade Junior, nos ensaios, os melhores resultados surgem quando se faz a combinação dos métodos de destruição e são feitas duas aplicações de herbicidas, uma logo após a roçagem e outra após a rebrota, de 20 a 25 dias após a primeira aplicação, quando a planta atinge cerca de 10 cm de comprimento.


ABACAXI COBERTO

Quais são as vantagens e as desvantagens do cultivo coberto do abacaxi? Desde já, obrigado.

Júlio Teixeira Patrocínio/MG

R- Prezado Júlio, esse tipo de cultivo consiste em cobrir com plástico os canteiros onde é cultivada a fruta e é conhecido como mulching. O extensionista da Emater/MG no município de Canápolis, Antônio Carlos Andrielli, explica que a técnica apresenta diversas vantagens em relação ao sistema convencional de plantio. Entre elas estão a redução de mão de obra, maior produtividade, redução do uso de herbicidas, maior retenção de umidade, controle da temperatura e diminuição de pragas e doenças. O processo de aplicação do plástico no solo é todo mecânico. Já os buracos onde são plantadas as mudas são feitos manualmente pelo produtor. O plantio das mudas também é manual. Ainda de acordo com Andrielli, as vantagens percebidas tornam o sistema mais rentável do que o convencional. “A ressalva fica por conta do custo inicial mais elevado, mas que é compensado, no final, pelo aumento da produtividade”, diz. Em média, o custo inicial para implantar o mulching fica 20% mais caro do que o método convencional. Por outro lado, o técnico afirma que, com o sistema, o fruto do abacaxi tem um ganho de peso, em média, de 400 gramas. Também há um aumento da produtividade por hectare de 33% em relação ao sistema convencional.