Agricultura Familiar

AGRIFAM, o encontro dos pequenos com inovações

Paulo Palma Beraldo Texto e fotos

Os mais de 30 mil visitantes que passaram pela 12ª Feira da Agricultura Familiar (Agrifam), em Lençóis Paulista/SP, entre o fim de julho e início de agosto, puderam entrar em contato com um cenário de inovações e tecnologias voltadas para pequenos e médios produtores. A feira, organizada pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Estado de São Paulo (Fetaesp), teve uma movimentação financeira de aproximadamente R$ 16 milhões. “A feira é voltada para agricultores familiares, mas o produtor empresarial também veio em peso para a Agrifam. Vendemos retroescavadeiras, touros de raça, tratores, implementos, além de tecnologias voltadas para a sustentabilidade, como tanques artificiais para a produção de peixes”, afirma Braz Albertini, presidente da Fetaesp e idealizador da Agrifam.

A Apta apresentou a experiência da aquaponia, uma tecnologia que integra a produção de lambaris e hortaliças em um mesmo sistema e pode reduzir em até 95% o consumo de água

A Agrifam fez a ponte entre a pesquisa e o agricultor, com a presença de centros e institutos de pesquisa como a Embrapa, o Instituto Agronômico (IAC), o Instituto Federal de São Paulo (IFSP) e a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta). Houve também palestras sobre cooperativismo, empreendedorismo rural, planejamento da produção, programas de compra de alimentos do Governo, manejo intensivo de pastagem, saneamento básico rural, acesso a financiamentos, entre outros. “A Agrifam tem o ponto positivo de fazer a interação entre o agricultor e a pesquisa, fazer a pessoa conhecer o trabalho da universidade e levar suas demandas até os pesquisadores”, diz.

Além disso, instituições como Esalq/ USP, Unesp, Fatec e escolas técnicas da região levaram seus projetos focados para agricultores familiares. Em diversos pontos da feira, havia orientação sobre uso racional da água, sistemas agroecológicos, produção orgânica de alimentos, sustentabilidade, cultivo protegido, sistemas de irrigação, conservação do solo e plantio direto.

Aquaponia — A Apta aproveitou o evento para apresentar algumas tecnologias voltadas para pequenos e médios proprietários. Um dos destaques foi a aquaponia, tecnologia sustentável que integra a produção de peixes e hortaliças em um mesmo sistema e pode reduzir em até 95% o consumo de água. “A sustentabilidade da aquaponia é indiscutível: em uma mesma fonte de água, há produção de proteína animal e vegetal ao mesmo tempo”, descreve o pesquisador Fábio Sussel, da Apta de Pirassununga/ SP. Sussel relata que a aquaponia é praticada há muitos anos, especialmente na Europa. “Fazemos pesquisas para aperfeiçoar esse sistema de produção à realidade do Brasil”.

Em outros países, a aquaponia usa tilápias, mas no Brasil está em teste a introdução do lambari no sistema, espécie com ciclo de dois a três meses, em comparação com os seis a oito meses da tilápia. “Isso dá uma vantagem competitiva para o sistema, pois permite uma maior entrada de receitas em menor tempo”, justifica Sussel. Além da Apta, o Instituto Agronômico lançou cultivares de milho-pipoca (cultivar Catipoca Amarela) e o sorgo-vassoura (cultivar Al Vitória) durante a Feira.


Os pequenos inventores com grandes ideias

Pequenos inventores de sete estados participaram do Concurso Inventor Rural, que nesta edição contou com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O ministro da pasta, Aldo Rebelo, participou da abertura da Agrifam, ao lado de autoridades como o governador Geraldo Alckmin e prefeitos e deputados da região. “O concurso é um estímulo e um reconhecimento à criatividade do homem do campo”, disse Rebelo. As 42 criações variaram de bicicletas raladoras de mandiocas, minitratores, máquinas que auxiliam a retirar grãos de milho e outros que ajudam no dia a dia do campo.

Enio Schiavon, de Pelotas/ RS, faturou o primeiro lugar no concurso, com sua desengaçadeira manual de uvas, que facilita o trabalho de quem vai separar as uvas do cacho. Schiavon levou para casa um cheque no valor de R$ 3 mil. A segunda colocação foi para o também gaúcho André Dannebrock, de Imigrantes, com um carrinho para abastecimento de ração, que lhe rendeu R$ 2 mil. Em terceiro lugar ficou Noredi Queiros, de Bauru/SP, que criou um filetador de ripas de bambu para tirar pedaços da madeira em tamanho selecionado. Noredi recebeu R$ 1.200.


Hortaliças — O pesquisador Marcelo Mikio, da Embrapa Hortaliças, sediada em Brasília, ressalta que, dentre as feiras que participa, a Agrifam é uma das mais importantes. “É uma das feiras que tem a maior efetividade, pela qualidade dos agricultores e pela interação. São pessoas realmente muito interessadas. Aprendemos muito com eles”, avalia Mikio. A Embrapa Hortaliças apresentou culturas tradicionais, mas pouco conhecidas, pois são muito procuradas pelos agricultores familiares. “É um trabalho de resgate de culturas que já existiam”, conta Mikio. Uma dessas plantas tradicionais é a araruta, com a qual se pode fazer uma farinha para intolerantes a glúten. Outras são o peixinho, cuja folha apresenta gosto de lambari quando é frita, além da azedinha, do jambu e da vinagreira, para se fazer o chá de hibisco.

Na área de pós-colheita, foi apresentado um grupo de quatro caixas específicas para a comercialização de hortaliças e redução das perdas, estimadas em 30%. Outros equipamentos mostrados foram uma unidade de sombreamento para melhorar o conforto dos trabalhadores no campo. Outra novidade foi o lançamento do livro Produção de Hortaliças para Agricultura Familiar, da engenheira agrônoma Flávia Clemente, publicado pela editora da Embrapa, com informações sobre boas práticas agrícolas, desde a produção de sementes até a comercialização.

A Embrapa Pecuária Sudeste, de São Carlos/SP, apresentou informações sobre integração lavoura-pecuária-floresta, softwares de Análise de Risco de Desenvolvimento de Resistência Parasitária a Anti-helmínticos em Ovinos e o programa de transferência de tecnologia Balde Cheio, que capacita produtores e técnicos sobre manejos para ampliar a produtividade leiteira. Outro software foi o Agritempo, um sistema de monitoramento agrometeorológico gratuito disponível para celulares e tablets. Além disso, foi desenvolvido o Invernada, um sistema de apoio ao planejamento da produção de bovinos de corte que auxilia nas estimativas de produtividade de pastagens, qualidade de forragem, pastejo seletivo, otimização de dietas e alternativas para crescimento dos animais.