Safra de Verão

 

SEMEADORA ajustada para o plantio perfeito

As semeadoras são diretamente responsáveis pela mais importante operação no início do ciclo da cultura, o plantio, e por isso a manutenção e a regulagem desses equipamentos são fundamentais para uma boa – e produtiva – lavoura

Gilvan Moisés Bertollo, José Fernando Schlosser, Marcelo Silveira de Farias, Iury Yago Port Rüdell, do Núcleo de Ensaios de Máquinas Agrícolas (Nema), da Universidade Federal de Santa Maria/RS

Encarregadas de depositar as sementes no solo e oferecer as melhores condições para sua germinação, as semeadoras são responsáveis pela principal operação de início do ciclo da cultura, na qual o produtor vai depositar a expectativa de realizar uma boa colheita. Para que tudo o que se espera dessa operação seja um sucesso, essa máquina deve estar em boas condições e bem regulada para realizar o trabalho de forma adequada. Uma semeadura mal realizada é onerosa e impacta em grandes prejuízos ao produtor rural.

Enquanto as plantas crescem no campo, tanto aquelas utilizadas para a cobertura do solo, como as que se destinam à colheita de seus grãos, o trabalho das semeadoras é avaliado pelo resultado da operação. Durante o ciclo de crescimento e reprodução, as semeadoras, ficam armazenadas aguardando a semeadura da próxima cultura. No entanto, esse período é propício para a realização das manutenções preventiva e corretiva. Tão logo se aproxime a época de semeadura, essas máquinas devem ser reguladas, objetivando maior eficiência operacional e qualidade de semeadura.

Na operação, as semeadoras encarregam- se de várias funções. O primeiro grupo de funções refere-se ao corte da palha, a abertura do sulco com a mínima movimentação de solo e palha. O segundo grupo de funções reúne a dosagem do fertilizante das sementes nas quantidades pré-estabelecidas. O último é aquele que reúne as funções de retornar uma porção de solo à linha de sementes e adubo, cobrindo-os e compactando- os adequadamente.

Tudo isso deve ser feito de modo que a profundidade e o espaçamento dos insumos sejam adequados. Para alcançar eficientemente esse resultado, as semeadoras apresentam uma razoável quantidade de componentes e mecanismos que realizam um trabalho exposto a situações adversas. Por tudo isso, a manutenção e a regulagem são atividades indispensáveis e importantes quando se deseja realizar boa semeadura.

Como é de se supor, as falhas de componentes, que levam aos reparos, ocorrem quando a semeadora está trabalhando, muitas vezes pressionada por pequenos períodos (janelas) de semeadura. Nesse sentido, uma boa regulagem e a manutenção preventiva, realizada nas semanas anteriores ao início do trabalho, tornam-se ainda mais importantes e necessárias, principalmente, quando se observa na agricultura a ocorrência de períodos menores devido ao menor ciclo das culturas e pela possibilidade de realizar duas ou três safras no ano, possíveis em várias regiões do País. Com isso, é preferível investir algumas horas durante a entressafra para fazer a manutenção e a regulagem da semeadora, ao invés de interromper o trabalho no campo geralmente durante as melhores condições climáticas para realizar correções que, com certeza, irão demandar um maior gasto de tempo e dinheiro.

Manual em mãos — Antes de iniciar a regulagem, deve-se ter em mãos o manual da semeadora e a plena compreensão do mesmo, bem como a localização e a forma de montagem de cada uma das peças. A presença do operador do equipamento e não somente do mecânico, durante a atividade, é importante para que, se for necessário, seja feito um rápido diagnóstico dos componentes que apresentaram problemas durante a realização do trabalho no campo ao longo de sua utilização.

Na operação de manutenção, logo após o encerramento da semeadura, recomenda- se fazer a limpeza, com o objetivo de eliminar impurezas que permaneçam alojadas na máquina, excesso de graxa, sementes e fertilizantes. Atenção redobrada deve ser dada ao depósito de fertilizantes, visto que os efeitos dos sais que estão presentes nos mesmos possuem alto poder corrosivo e, com isso, componentes metálicos da máquina podem oxidar (enferrujar) e ocasionar uma diminuição da sua vida útil e aumento dos custos com futuras substituições.

O primeiro passo no início da manutenção é a inspeção da máquina, avaliando quais peças devem ser substituídas, devido ao desgaste natural ou até mesmo às quebras que ocorreram durante a operação. Quanto antes for feita essa avaliação, maior o tempo disponível para o produtor adquirir as peças novas ou refazê-las. Em algumas situações, é comum que o usuário não encontre esses componentes no mercado, fato que pode interromper essa manutenção.

Peças desgastadas — As peças que sofrem maior desgaste são aquelas que trabalham em contato direto com o solo, com grande destaque para os discos de corte e as hastes sulcadoras (ou disco duplo), pois são as peças que fazem o contato inicial e rompem a camada de solo onde serão depositadas as sementes, trabalhando com uma carga/pressão considerável. Além delas, há ainda rodas limitadoras de profundidade de sementes e de cobertura do sulco.

Juntamente com esses componentes (com exceção das hastes sulcadoras), atuam rolamentos, que permitem o movimento dos discos e rodas durante o deslocamento da semeadora, que podem afrouxar no decorrer da operação, afetando a qualidade do processo de semeadura. Além disso, é recomendável que se faça a avaliação do estado das molas, considerando que se reguladas de maneira desuniforme, podem proporcionar diferentes pressões em cada linha de semeadura, ocasionando desuniformidade no corte da palha, profundidade da semente e fertilizante e, consequentemente, prejudicar a germinação das sementes, afetando diretamente a produtividade da cultura.

O desgaste dessas peças varia de acordo com o tipo de solo. Se, de um lado, os solos arenosos exigem menores esforços da máquina quando comparados a solos argilosos, de outro, os arenosos desgastam mais os componentes. Os problemas agravam-se quando levamos em consideração obstáculos como pedras, que provocam danos com maior facilidade. Deve-se ter atenção também com a origem das peças de reposição, pois, em geral, aquelas fornecidas pelos representantes oficiais das marcas apresentam maior qualidade e durabilidade.

Em semeadoras com funcionamento mecânico, os pneus possuem a função de mover as engrenagens Marcelo Farias Por possuírem componentes específicos, as semeadoras pneumáticas devem receber cuidados na turbina pneumática, no sistema hidráulico e nas mangueiras de ar 44 | AGOSTO 2015 SAFRA DE VERÃO que, por meio de transmissões de correntes, acionam os mecanismos dosadores e distribuidores de sementes e fertilizantes. Quando esse acionamento ocorre por mais de uma roda, existe a necessidade de verificação frequente da pressão interna dos pneus, para que uma volta completa represente a mesma distância no campo e não ocorra variação no volume de insumos e sementes depositados no solo ao longo das linhas da semeadura. Um cuidado especial também deve ser oferecido às engrenagens e correntes, verificando sua correta instalação e tensão.

As semeadoras com maior nível tecnológico possuem acionamento hidráulico dos mecanismos dosadores, deixando para os rodados a função de estabilidade e suporte da massa do conjunto (sementes, fertilizantes e da própria semeadora). Contudo, nem por isso se deve negligenciar o cuidado da verificação da pressão interna (“calibragem”), pois podem resultar problemas de estabilidade e nivelamento.

Semeadoras pneumáticas — Por possuírem componentes específicos, as semeadoras pneumáticas, além das demais observações, devem receber cuidados na turbina pneumática, no sistema hidráulico e nas mangueiras de ar pelo fato de que qualquer dano nesse sistema pode ocasionar funcionamento inadequado da máquina (perda de vácuo ou pressão) e seu conserto demandar, além de tempo, necessidade de peças disponíveis apenas em grandes concessionários agrícolas e mão de obra especializada para a realização do serviço.

Em semeadoras múltiplas, no momento da troca de sistemas de semeadura, devese dar atenção ao alinhamento da distribuição de sementes e fertilizantes e espaçamento entre linhas. Pequenas distorções na montagem podem comprometer a estrutura e a distribuição das mesmas, ocasionando diferentes espaçamentos entre elas que, muitas vezes, serão visualizados apenas após o estabelecimento das culturas no campo. Além disso, é necessário verificar mangueiras e tubos condutores de sementes e fertilizantes para que estejam em bom estado de conservação e devidamente fixados.

Os sistemas dosadores, que são responsáveis pela liberação precisa das sementes e fertilizantes, devem estar com o seu funcionamento perfeito, pois deles resulta diretamente a população de plantas e a produtividade da lavoura. Roletes, gatilhos, molas, rotores e discos de sementes são os componentes que devem ser devidamente avaliados e substituídos, quando necessário. Pequenos detalhes podem resultar em grandes problemas e, no caso das semeadoras, todo e qualquer componente deve ser verificado com atenção. Parafusos, porcas, pinos, contra-pinos, pinos graxeiros, dentre outros, que compõem as semeadoras possuem suas funções e, dessa forma, necessitam de atenção na revisão e regulagem e, se necessário, sua substituição.

Estoque de peças — Durante a operação de semeadura, máquinas revisadas e até mesmo as novas estão sujeitas às avarias, que geram contratempos. No entanto, a manutenção de um pequeno estoque daquelas peças que rotineiramente causam problemas e necessitam substituição pode facilitar a troca no campo e fazer com que a máquina retome seu trabalho em um menor espaço de tempo. Mesmo as peças usadas que foram substituídas e que ainda apresentam condições de uso podem servir em uma situação de emergência. Vale a pena guardá-las, pois isso pode permitir a continuidade do trabalho até o fim da jornada diária ou término do talhão, para que então seja realizada a substituição definitiva.

A correta manutenção, bem como o armazenamento em local adequado, são fatores que prolongam a vida útil e proporcionam maior valor de revenda das semeadoras. Uma máquina que tem sua vida útil explorada ao máximo garante um adequado ganho sobre o valor investido de aquisição. Dessa forma, todo o cuidado com manutenção, revisão e regulagem deve ser tomado, sendo essas tarefas realizadas nos períodos que terminam e antecedem cada operação agrícola, tornando-as precisas e eficientes, como uma semeadora deve ser.

As peças que sofrem maior desgaste são aquelas que trabalham em contato direto com o solo, com grande destaque para os discos de corte e as hastes sulcadoras (ou disco duplo)