Agricultura Familiar

 

AGROBRASÍLIA, uma feira que valoriza o agricultor familiar

A oitava edição da Agrobrasília, a segunda como feira de caráter internacional, reuniu 98 mil visitantes, 420 expositores e movimentou R$ 627 milhões em negócios. “O balanço foi positivo, tivemos novamente um acréscimo no porte da feira, com crescimento na área da pecuária, e também em nível de equipamentos e insumos, assim como na área internacional. Para 2016, planejamos um parque ainda mais estruturado”, avaliou Ronaldo Triacca, coordenador geral do evento, que considerou os resultados dentro do esperado. O evento sediou exposição de máquinas com tecnologia de ponta, palestras, rotas tecnológicas, simpósios, oportunidades diferenciadas de acesso ao crédito, muitas oportunidades de negócios, dias de campo e a já tradicional competição de cultivares.

A feira tem como perfil atender todos os perfis de produtores, inclusive da pecuária, sobretudo porque nesta edição foi promovido o 1º Leilão Braford Tropical Genética Adaptada, com valor médio por animal de R$ 12 mil. A feira é realizada na região chamada de Programa de Assentamento Dirigido do DF (PAD/DF), que abriga mais de 1 milhão de hectares de agricultura de alto nível tecnológico nos territórios do DF, Goiás e Tocantins, como nos municípios goianos de Cristalina e Luziânia, que sediam uma grande concentração de pivôs de produtores de grande porte. Mas o evento concede amplos espaços à agricultura familiar, sobretudo apresentando técnicas e tecnologias para aqueles agricultores que produzem hortifrútis para os moradores urbanos de Brasília.

O maior destaque é o Espaço de Valorização da Agricultura Familiar, organizado conjuntamente entre a Agrobrasília, Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri/DF), Emater/DF e Ceasa. Nesta edição, o espaço foi composto por 35 estandes na área do Sistema Agricultura e das Organizações Sociais. Ao todo, 34 entidades de representação de familiares – entre associações e cooperativas – estiveram presentes.

A participação das entidades beneficiou diretamente mais de uma centena de agricultores familiares dos ramos de artesanato, agroindústria, floricultura e produção agrícola associada ao turismo rural do DF e entorno. “É um espaço importante, pois dá a oportunidade aos agricultores de divulgar, comercializar e interagir com outros produtores e terem conhecimento para inovar na produção e comercialização”, argumentou a gerente da Área de Desenvolvimento Humano e Social da Emater/DF, Selma Tavares.

Para Terezinha de Araújo, produtora de geleia, doces e licores – de pimenta, gengibre, maçã, laranja, entre outros – o Espaço de Valorização da Agricultura Familiar é um momento único para o trabalho dela. “Pudemos divulgar nosso produto. Mesmo quando não compram na hora, levam nossos contatos e compram depois”, revelou. “É importante para mostrarmos nossos produtos. Conversei com pessoas proprietárias de empórios orgânicos e temos a expectativa de expandir 50% nosso negócio, a partir da Agrobrasília”, revelou Maria Suzuki, produtora de café orgânico em Paracatu/MG. “O Espaço de Valorização da Agricultura Familiar nos ajuda, pois às vezes temos dificuldade de mostrar nossos produtos. Aqui fizemos vários contatos e trabalhamos para expandir as vendas”, ressaltou Aparecida Freiman, produtora de flores ornamentais e de biscoitos artesanais na área rural do Paranoá.

Rotas tecnológicas — Outro destaque foram as rotas tecnológicas que mostraram técnicas como o cultivo consorciado de hortaliças e frutíferas, plantio em estufas, orientação sobre fomento e obtenção de crédito, maquinários adaptados à agricultura familiar entre outras. “É ótimo. É um grande aprendizado. Aprendemos a melhorar a nossa plantação. É muito gratificante”, disse Maria Ramos, produtora de maracujá e hortaliças orgânicas, de Planaltina/ DF. Cerca de 4,5 mil agricultores participaram das rotas tecnológicas, segundo a Emater/DF, e mais de 5 mil pessoas visitaram o espaço do Sistema Agricultura e das Organizações Sociais, conforme a Seagri.

No espaço dos agricultores familiares, foi lançado o Plano de Manejo e Conservação de Água e Solo em Áreas de Produção Rural no Distrito Federal, projeto que norteará todas as ações do Sistema Público da Agricultura relativos à água e ao solo, e contempla as sete bacias hidrográficas do DF. Para o servidor da Seagri, Ernani do Espírito Santo, a ação beneficiará tanto o meio urbano quanto o rural. “Apesar de muitos pensarem que a agricultura é a atividade que mais demanda água outorgada no DF, metade do consumo é feito no meio urbano”, lembrou.

Durante o lançamento, foi apresentada a estratégia operacional do plano e as diretrizes que comandarão as ações. As atividades serão focadas nas áreas de produção agropecuária e têm o objetivo de levar segurança hídrica e alimentar ao DF. A previsão é que o plano seja colocado em prática a partir do segundo semestre. “Queremos que seja um projeto que a comunidade se aproprie e tenhamos realmente a prática da conservação do solo e da água”, disse o secretário de Agricultura, Guilherme Leal. As ações do Plano abrangem várias áreas e estão de acordo com o Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC). “Queremos fortalecer ainda mais a sustentabilidade no meio rural”, afirmou Leal.

Presença do ministro — O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, participou na feira do lançamento do 10º Festival Brasil Sabor e da publicação do Anuário da Agricultura Familiar 2015. “Este é um momento de muita alegria, um momento histórico para a agricultura familiar”, destacou o ministro a importância do evento. Nesta edição, os restaurantes que participam do Festival vão usar nos cardápios alimentos regionais e produzidos por agricultores familiares.

Para o assentado da reforma agrária e presidente da Cooperativa Rede Terra, Levi Cerqueira, a oportunidade de unir a gastronomia e a agricultura familiar é um bom momento de divulgar a qualidade dos produtos. “É uma felicidade ver os restaurantes comprando produtos com qualidade, pois nós produzimos esses alimentos que estão na merenda escolar, nas cestas da Conab e agora também nos bares e restaurantes”.