Fitossanidade

 

Lesmas e caracóis também causam DANOS

Práticas inadequadas na lavoura podem aumentar a população dessas pragas, como o uso indiscriminado de defensivos. As perdas ocorrem, sobretudo, na fase inicial da lavoura

Engenheiro agrônomo Luís Antônio Chiaradia, pesquisador na Epagri/Cepaf, [email protected]

As lesmas incidem também em plantas maiores, onde consomem brotos e folhas, o que compromete o desenvolvimento das plantas e reduz a produtividade

Danos de lesmas e de caracóis em lavouras de feijão, milho e soja têm sido cada vez mais frequentes, causando prejuízos aos produtores rurais. Isso se deve, principalmente, ao aumento da população desses moluscos nas áreas cultivadas decorrente do uso de práticas inadequadas de manejo, incluindo a aplicação indiscriminada de agrotóxicos. Os danos de lesmas e caracóis normalmente são mais expressivos na fase inicial de desenvolvimento das plantas, porque essas pragas reduzem o estande das lavouras, exigindo ressemeadura. No entanto, esses moluscos incidem também em plantas maiores, onde consomem brotos e folhas, o que compromete o desenvolvimento das plantas e reduz a produtividade dos cultivos.

A infestação de lesmas e caracóis geralmente acontece quando esses moluscos chegam acidentalmente nas propriedades agrícolas, espalhandose pelas lavouras. Uma vez dispersos, proliferam-se com facilidade porque possuem hábito alimentar polífago, consumindo qualquer alimento que contenha proteínas e carboidratos na composição, incluindo plantas verdes e secas, sementes e até matéria orgânica em decomposição.

Plantas menos resistentes — A proliferação de lesmas e caracóis também é facilitada porque os híbridos e variedades cultivadas atualmente têm menor resistência ao ataque dessas pragas. Isso pode ser explicado pelo fato de que no melhoramento vegetal busca- se principalmente o aumento da produtividade, o que pode diminuir a resistência das plantas às pragas e doenças.

As lesmas e os caracóis são espécies hermafroditas, ou seja, os indivíduos são dotados dos dois sexos, realizando autofecundação interna. Assim, a infestação dessas pragas pode iniciar a partir de um único indivíduo ou de ovos desses moluscos que chegam à propriedade rural. Por isso, precisa-se ter atenção para prevenir a chegada dessas pragas em máquinas, implementos, insumos e até em mudas frutíferas ou em vasos de flores.

A cobertura vegetal do solo em lavouras conduzidas pelo sistema de plantio direto favorece o aumento populacional de lesmas e caracóis porque disponibiliza abrigo, alimento e condições adequadas de umidade para esses moluscos se proliferarem. Assim, em lavouras infestadas por essas pragas, pelo menos por algumas safras, as áreas devem ser novamente preparadas com aração e gradagens.

A infestação de lesmas e caracóis geralmente acontece quando chegam acidentalmente e se espalham pelas lavouras, e dispersos se proliferam com facilidade porque são polífagos

As lesmas e os caracóis são controlados naturalmente por algumas espécies de mamíferos, lagartos, cobras, aves e, principalmente, por insetos, destacando-se as larvas e/ou os adultos de besouros predadores pertencentes às famílias Carabidae, Cicindelidae e Lampyridae. Esses agentes de controle biológico, que ocorrem naturalmente nas lavouras, alimentam-se de ovos, de moluscos jovens e de moluscos adultos, consumindo vários indivíduos por dia, o que ajuda a manter baixa a população dessas pragas. Assim, as práticas que são aplicadas nas lavouras devem favorecer esses insetos benéficos.

De modo geral, a aplicação de agrotóxicos nas lavouras, sobretudo de inseticidas não seletivos aos inimigos naturais das pragas, incluindo os piretroides, tem reduzido a população de espécies benéficas, tendo em vista que demoram mais tempo do que as pragas para recompor a população. Por isso, depois da aplicação de agrotóxicos, as pragas podem aumentar rapidamente, causando danos expressivos.

No caso das lesmas e caracóis, suas populações também aumentam porque são pouco afetados por alguns ingredientes ativos inseticidas e acaricidas aplicados nas lavouras.

Uso de iscas moluscicidas — O manejo de áreas infestadas por lesmas e/ou caracóis baseia-se, sobretudo, na aplicação de iscas moluscicidas formuladas com metaldeído, tiodicarbe ou fosfato férrico, sendo esta última a mais indicada por ser seletiva aos moluscos e mais resistente à umidade, que geralmente ocorre nos locais e períodos de maior infestação dessas pragas. Mesmo assim, geralmente, torna-se necessário aplicar diversas doses de iscas tóxicas, na mesma área e na mesma safra, para reduzir a população dessas pragas, aumentando o custo de produção das lavouras.