Reconhecimento

O ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS e os desafios globais

O objetivo da FAO em designar 2015 como o Ano Internacional dos Solos é aumentar a conscientização e a compreensão da importância dos solos para a produção de alimentos, fibras e energia, além de debater questões como a adaptação às mudanças climáticas, entre outros esclarecimentos

Maria de Lourdes Mendonça Santos, Ph.D em Ciência do Solo e Geomática, pesquisadora da Embrapa Solos e membro do ITPS -GSP/FAO (Intergovernamental Technical Panel on Soil–Global Soil Partnership/FAO)

No âmbito da Parceria Global de Solo (Global Soil Partnership- GSP), a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) defendeu o reconhecimento da importância dos solos para alcançar a segurança alimentar mundial, bem como seu papel essencial como fornecedor de uma ampla variedade de serviços ecossistêmicos. Após dois anos de trabalho intensivo, 2015 foi finalmente declarado o Ano Internacional do Solo pela 68a Assembleia Geral das Nações Unidas (A/RES/68/232).

Em seguida, a FAO foi nomeada para implementar o Ano Internacional dos Solos 2015 (IYS), no escopo de sua Parceria Global de Solo (www.fao.org/ globalsoilpartnership/en/)- e em colaboração com os governos e o secretariado da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação. O IYS 2015 representa uma oportunidade única para aumentar o conhecimento e a divulgação desse recurso natural tão importante para a nossa sobrevivência no planeta, especialmente no que diz respeito à segurança alimentar, mas que em geral tem sido esquecido pelas políticas públicas e frequentemente ausente das prioridades dos países.

O objetivo dessa efeméride é o de aumentar a conscientização e a compreensão da importância do solo para a produção de alimentos, fibras e energia, e para outras questões globais como adaptação às mudanças climáticas, sustento da biodiversidade, armazenamento de água, regulação de fluxos e de agua e nutrientes, entre outros.

O solo é um recurso natural essencial, finito e não renovável na nossa escala humana. Então, todos que trabalham com o solo ou dele dependem estão conclamados a se mobilizarem a seu favor, a motivarem a comunidade em geral e os jovens em particular, para a necessidade de proteção dos solos, do seu uso sustentável para o agora e para as gerações futuras. Somos nós os responsáveis pelos solos de amanhã e precisamos cuidar bem de nossos solos desde ontem.

Porém, de maneira geral, os solos não têm sido muito bem tratados e um terço deles já se encontra degradado. A FAO estima cerca de 9,6 bilhões de pessoas em 2050 e que para alimentar tal contingente, o mundo deve aumentar sua produção de alimentos em 60% do que produzimos hoje. O solo é o primeiro recurso a ser usado nesse processo. A pressão será grande, os alimentos não brotam das prateleiras dos supermercados!

Muitos eventos no mundo — O IYS também será o cenário para eventos e iniciativas locais/regionais/globais, compartilhadas globalmente. O calendário com as diversas iniciativas mundo afora para o Ano Internacional do Solo encontra-se em www.fao.org/soils- 2015/events/en/. Outra grande oportunidade de divulgar a causa será na Exposição Mundial de 2015, em Milão, Itália, cujo tema é "Alimentar o Planeta: Energia para a Vida". De fato, o estudo exploratório realizado recomenda usar o tema do alimento como um tema dominante para moldar a percepção comum nos nossos recursos de solos, visando a uma utilização mais eficiente . De acordo com a FAO, os objetivos específicos do IYS 2015 são os seguintes:

  • aumentar a conscientização entre a sociedade civil e os tomadores de decisão sobre a fundamental importância do solo para a vida humana;
  • educar o público sobre como o solo desempenha papel crucial na segurança alimentar, na adaptação e na mitigação de mudanças climáticas, nos serviços essenciais dos ecossistemas, na redução da pobreza e no desenvolvimento sustentável;
  • apoiar as políticas e ações efetivas para o manejo sustentável e a proteção do recurso solo;
  • promover investimentos em atividades de manejo sustentável do solo para o desenvolvimento e para a manutenção de solos saudáveis para diferentes usuários e grupos populacionais;
  • fortalecer iniciativas relacionadas com o processo de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDG) e agenda pós-2015;
  • defender e apoiar a melhoria da capacidade de coleta de informações de solos e monitoramento em todos os níveis (global, regional e nacional).

Mas afinal o que é o solo, esse tesouro escondido sob nossos pés? — O solo, essa fina e delicada membrana viva que recobre a crosta terrestre, apresenta- se algumas vezes muito delgada, com apenas alguns centímetros e outras, mais profunda, podendo atingir alguns metros. Sua influência é crítica sobre os fenômenos que acontecem na superfície da terra. O solo é o sistema que suporta a vida. Em interface com a atmosfera, a hidrosfera, a biosfera e a litosfera, o solo (a pedosfera) é responsável pelos principais processos biogeoquímicos que garantem a vida na Terra – estoca água e recicla nutrientes, protege contra enchentes, sequestra carbono e abriga 1/4 da biodiversidade do planeta.

Os solos formam-se pela alteração de seu substrato geológico rochoso, a rocha-mãe, e pela decomposição da matéria orgânica morta acumulada através da folhas que caem das plantas vivas que ali se desenvolvem. A solubilização da rocha-mãe libera progressivamente para o sistema sais minerais solúveis na solução do solo, que podem ser absorvidos pelas raízes e que vão fazer parte da planta. Os sais nitrogenados, no entanto, são provenientes do ar. A fertilidade mineral natural de um solo é assim, função da natureza da rocha- mãe e de seu grau de decomposição.

Como os fatores que influenciam a formação do solo (clima, organismos, relevo, material de origem, tempo...) variam na paisagem, também os solos variam amplamente em função deles, em curtas distâncias, principalmente em seus atributos físicos, químicos e mineralógicos. Os solos não apenas aparecem diferentes, como também se comportam diferentemente em termos de uso e manejo. Essa variabilidade dos solos é o reflexo de sua interação com os outros componentes do planeta Terra (conforme pode ser ilustrado pela figura), que evidencia essas interrelacões do solo com as outras esferas da terra.

O solo encontra-se assim, na atualidade, no centro dos principais desafios do planeta: a produção de alimentos, de fibras e de energia e a produção de serviços ambientais importantes. O solo de onde viemos é a nossa identidade, o nosso berço, a segurança de nosso futuro e do planeta Terra.

A interação dos solos com outras esferas do planeta

Desafio de alimentar o mundo — A Rio+20 – Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio de Janeiro em 2012, trouxe em seu bojo um grande desafio para a humanidade, o de alimentar essa população crescente, que pressionará inexoravelmente os recursos naturais disponíveis, conjugando o desenvolvimento econômico com o social e o ambiental. No equilíbrio desse tripé da sustentabilidade, deve residir nossas preocupações de conhecimento, pesquisa e inovação, para que a produção seja acompanhada da garantia de conservação ambiental, redução do desmatamento, redução da degradação dos solos, manejo sustentável dos recursos naturais (água, solo, vegetação), redução das desigualdades regionais, sociais e econômicas. Trata-se de um desafio complexo, que não possui uma resposta única, mas que torna imprescindível o conhecimento dos solos e as boas práticas para seu uso, manejo e conservação em prol da nossa sociedade atual e das gerações futuras.

A história nos ensina que solos pobres sustentam países pobres. E que os países pobres podem tornar seus solos pobres ainda mais pobres, pela falta de conhecimento e recursos financeiros para manejá-los.

Foi com pesquisa e tecnologia que o Brasil promoveu a revolução verde nos anos 1970, expandiu a fronteira agrícola do País, com a "domesticação" dos solos do Cerrado brasileiro, transformando-o em celeiro do País, hoje, orgulho do agronegócio brasileiro. No entanto, um passivo ambiental foi criado e diante das questões globais anteriormente mencionadas, é preciso rever no Brasil e mundo afora os sistemas de uso, manejo e conservação de solos, introduzindo práticas agrícolas conservacionistas da matéria orgânica, da água e da biodiversidade dos solos.

De uma maneira geral, os solos do mundo não têm sido muito bem tratados, e um terço deles já se encontra degradado, alerta Maria de Lourdes

Degradação e desaparecimento — De acordo com levantamentos da FAO, a quantidade de terra arável por pessoa tem diminuído pela metade, e desta, a maioria está sofrendo degradação. A cada ano, tem-se uma perda de mais de 20 bilhões de toneladas de solos por causa da erosão. Isso significa mais do que três toneladas de solo por pessoa/ano. Além disso, têm-se outros danos, como a contaminação, a impermeabilização, a compactação e a degradação do solo. Nossos solos estão se degradando, desaparecendo.

E cada centímetro de solo pode levar até mil anos para se formar. Precisamos protegê-los, agora! Assim, urge que a sociedade tome conhecimento da importância do solo e o IYS vem a propósito abrir essa oportunidade para melhorarmos no nosso País a governança dos solos, as legislações sobre seu uso e manejo e a manutenção de sua fertilidade e qualidade.

O reconhecimento e a disseminação da importância do solo na segurança alimentar do planeta e de seu papel vital na mitigação das mudanças climáticas e como reservatório de carbono, de água, nutrientes e outros serviços ambientais deve ser compartilhado para toda a sociedade, do ensino fundamental aos que elaboram as políticas públicas dos países. Por isso, apoiamos o Dia Mundial do Solo em 5 de dezembro e o estabelecimento do Ano Internacional do Solo para 2015, a fim de lembrar a sociedade do papel primordial do solo no nosso dia-a-dia e na manutenção da vida na Terra.

A agricultura mundial precisará aumentar a produção de alimentos em 60% do que é produzido hoje até 2050 e o solo é o primeiro recurso a ser usado nesse processo