Primeira Mão

 

Feijão anti-sede

Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas/SP, estão desenvolvendo plantas de feijoeiro mais resistentes ao déficit hídrico, inclusive capazes de crescerem com volume de água até 30% inferior. O pesquisador Alisson Fernando Chiorato revela que os quatro últimos lançamentos de cultivares de feijão do Instituto já estão sendo utilizados em regiões de menor disponibilidade hídrica, como a cultivar IAC Imperador, de ciclo precoce (+ ou - 75 dias), que tem apresentado boa tolerância aos recentes déficits hídricos de lavouras paulistas e mineiras.


Drones de olhos bem abertos

Uma parceria firmada entre a Aprosoja-MS e a Universidade Católica Dom Bosco, de Campo Grande, possibilitará a utilização de veículos aéreos não tripulados, os chamados drones (zangão, em inglês), para monitorar lavouras de soja. O resultado da pesquisa e das imagens captadas pelo aparelho tecnológico auxiliará as análises do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga), desenvolvido pela Aprosoja/MS, disponibilizado no site da instituição, com informações da cultura atualizadas por meio de análises de imagens de satélite.


Orgânicos +35%

Poucos mercados no Brasil crescem a taxas tão robustas como a de orgânicos, com 35% de expansão em 2014 ante o ano passado. Segundo o Projeto Organics Brasil, do Instituto de Promoção do Desenvolvimento, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), este mercado deverá atingir R$ 2 bilhões neste ano. Apesar dos números vistosos, o Brasil está bem atrás de países como Estados Unidos (R$ 87 bilhões em valores convertidos), Alemanha (R$ 17,5 bilhões) e Canadá (R$ 11 bilhões). Portanto, há muito potencial a ser explorado.


Andef 40 anos

O último dia 25 de novembro é histórico para a agricultura brasileira. Na data, uma das entidades que mais defende literalmente as lavouras brasileiras completou quatro décadas de existência. Nascida como Associação Nacional de Defensivos Agrícolas, a atual Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef) foi idealizada por pesquisadores e acadêmicos, lideranças rurais e empresários do setor de defensivos agrícolas com a missão de congregar as indústrias do setor, uniformizar os métodos de trabalho para atualizar a regulamentação, promover o uso correto e seguro dos defensivos e, sobretudo, a melhoria da produtividade e da qualidade da atividade agrícola no País.


"50% da safra brasileira passa por cooperativas. Metade da safra brasileira é transportada por caminhões de cooperativas de cargas. E vai aqui uma pergunta: por que a presidenta Dilma não recebe, não fala e não trata o cooperativismo com o valor que ele merece?” (...) “Presidenta Dilma, a senhora precisa muito mais do cooperativismo do que o cooperativismo do Governo, pois envolve 11 milhões de brasileiros, e crescerá cada vez mais”.

José Luiz Tejon Megido, diretor vice-presidente de Comunicação do Conselho Científico para a Agricultura Sustentável (CCAS), e também dirige o núcleo de agronegócio da ESPM.


Muito a expandir

Estudo recente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apurou que apenas 13,6% da capacidade armazenadora de grãos do País está na propriedade do produtor. Nos Estados Unidos (na foto), chega a 55%, e na Europa, a 35%. “O avanço do agronegócio brasileiro exigirá que o setor de armazenagem geral seja 20% superior à produção média das últimas cinco safras, no decorrer dos próximos cinco anos”, avalia Alexandre Câmara, assessor técnico da CNA. “A capacidade estática armazenadora existente no País não acompanhou o crescimento da produção agrícola, contribuindo decisivamente para o estrangulamento da infraestrutura logística”.


Diesel pesado

O diesel vai dar a sua colaboração para reduzir a margem de lucro dos produtores mato-grossenses. O reajuste de 5% autorizado pelo Governo em 7 de novembro vai gerar um impacto de R$ 260 milhões no agronegócio de Mato Grosso. O número foi apurado pelo Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), que somou os custos do frete de calcário, fertilizantes e grãos. “Esse aumento penaliza duas vezes o agricultor de Mato Grosso. Primeiro, dentro da propriedade, já que usamos o diesel no maquinário. E depois, também na logística, cujos custos no estado já são exorbitantes devido à ineficiência”, resume Ricardo Tomczyk, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT).


200 milhões?

A safra brasileira 2014/15 que está indo ao solo neste momento vai ser de 194,4 milhões a 200 milhões de toneladas. Esta é a estimativa do segundo levantamento da temporada elaborado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Em relação à recente safra, poderá ser ligeiramente inferior ou 2,7% superior. O possível recorde de safra será consequência do cultivo em uma área de 56,67 milhões a 58,16 milhões de hectares. As condições climáticas vão definir o tamanho da atual safra, assim como a intensidade do ataque de pragas e doenças.