Fórum do Agronegócio

IBÁ: causas e metas da nova entidade florestal

Elizabeth de Carvalhaes, presidente executiva da Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ)

As árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis, recicláveis e amigáveis ao meio ambiente, à biodiversidade e à vida humana. Essa é a premissa na qual se baseia a atuação da Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ), associação criada em abril de 2014 para incrementar a competitividade das empresas do setor de árvores plantadas para fins industriais. A entidade representa institucionalmente os segmentos de painéis de madeira e pisos laminados, celulose, papel, florestas energéticas e biomassa, além dos produtores independentes e investidores institucionais. Seu objetivo é promover e valorizar as árvores plantadas como diferencial do negócio e referência socioambiental, além do investimento das empresas em tecnologia na busca de inovação e dos múltiplos usos da base florestal.

A IBÁ é resultado de um trabalho de benchmarking que mostrou a importância de um único interlocutor para defender demandas que, até sua criação, estavam na pauta de quatro entidades: Associação Brasileira da Indústria de Painéis de Madeira (Abipa), Associação Brasileira da Indústria de Piso Laminado de Alta Resistência (Abiplar), Associação Brasileira dos Produtores de Florestas Plantadas (Abraf) e Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

Ao todo, a IBÁ reúne 70 empresas e associações estaduais do setor de árvores plantadas, o que lhe garante uma base sólida e relevante no cenário econômico nacional, fundamental para o desenvolvimento de suas atividades e, consequentemente, seu fortalecimento institucional. Além disso, é no potencial das árvores plantadas que se baseiam os investimentos de R$ 53 bilhões das empresas associadas, em andamento e previstos, voltados ao aumento dos plantios, à ampliação de fábricas e à construção de novas unidades até 2020.

As empresas associadas também se destacam no mercado pelos investimentos em programas sociais, práticas de manejo florestal, certificação dos plantios, consumo consciente dos recursos naturais e programas de fomento de pequenos produtores rurais, que, ao promover a agricultura familiar, geram valor social em regiões brasileiras distantes dos grandes centros urbanos.

Se, em seu nome, Indústria Brasileira de Árvores, a associação reforça a base do negócio que une suas associadas, ou seja, os 7,6 milhões de hectares de árvores plantadas do país, a sigla da entidade reflete a visão do presente e do futuro do setor. IBÁ tem origem no tupi-guarani e significa “frutos”. Além dos produtos que vêm da árvore plantada, para a instituição, esses frutos englobam os aspectos sociais da atuação do setor – como a geração de emprego e renda, a promoção e o desenvolvimento de comunidades ao redor das indústrias – e, também, a geração de serviços ambientais, a absorção de carbono pela atmosfera e a manutenção da biodiversidade. Diz respeito ainda às inovações da indústria e ao futuro da atividade.

Plano de metas — Para incrementar a competitividade do setor de árvores plantadas, a IBÁ tem entre suas metas negociações para a redução da carga fiscal dos investimentos, ampliação do debate sobre a infraestrutura nacional e o combate à concorrência desleal, voltado prioritariamente ao desvio de finalidade de papel imune e aos pisos laminados. A associação visa, ainda, aprofundar o debate sobre a aquisição de terras por empresas de capital estrangeiro e promover as negociações sobre crédito de carbono florestal, no Brasil e em fóruns internacionais, no contexto das mudanças climáticas.

Outro ponto relevante da agenda é a Política Nacional de Florestas Plantadas (PNFP). O principal objetivo é discutir e aprimorar o Anteprojeto de Lei sobre o tema que tramita na Casa Civil, resultado de um extenso processo de debates do qual o setor participou, liderado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, que instituiu uma Comissão Técnica e um Comitê Interministerial dedicado ao tema. O anteprojeto inclui princípios relativos à expansão das áreas de cultivo de árvores plantadas, considerando seus usos múltiplos, reconhecimento das plantações na mitigação dos efeitos do aquecimento global, condições favoráveis para investimentos, estímulo ao aumento da produtividade, pesquisa e desenvolvimento; medidas fiscais e tributárias; mecanismos financeiros e econômicos de financiamento, entre outros instrumentos.

Como outros setores da economia, as atividades relacionadas ao cultivo de árvores plantadas também sentem os efeitos da carga tributária do país. Por isso, a IBÁ atuará fortemente na redução de impostos sobre as atividades florestais e na aquisição de máquinas e equipamentos, visando sempre promover a competitividade das empresas.

Agroindústria produtiva — A IBÁ surge como uma associação comprometi- Divulgação da com princípios de responsabilidade social e ambiental, conceitos de perenidade e engajamento, diálogo e transparência. Representa uma agroindústria produtiva e moderna e está se articulando com outros setores de uso da terra para uma gestão responsável da paisagem e para o aprimoramento e estabelecimento de políticas públicas que visem ao desenvolvimento econômico e produtivo, mas também ambiental e rural.

“Ao dar mais relevância ao setor de árvores plantadas, a IBÁ busca tornar o Brasil a principal referência mundial em relação às árvores plantadas”, argumenta Elizabeth de Carvalhaes"

Ao dar mais relevância ao setor de árvores plantadas, a IBÁ busca tornar o Brasil a principal referência mundial em relação às árvores plantadas, que terão cada vez mais relevância por conta do crescimento da população mundial que, em 2050, chegará a 9 bilhões de pessoas. Há muitas oportunidades para o desenvolvimento sustentável do setor, levando-se em conta a crescente demanda por fibras, energia e madeira, e considerando-se a limitação de recursos naturais e a necessidade de terras para a produção de alimentos. O setor atuará a partir dos múltiplos usos das árvores plantadas e será um agente importante nesse contexto. A entidade está otimista com as atividades da IBÁ nesses primeiros meses de atuação. Acreditamos em seu papel de fortalecimento do setor, construído diariamente, e que traz benefícios a toda a cadeia produtiva.