Sementes

A relação do ALTO VIGOR e a produtividade

As sementes de elevada qualidade que vão gerar plantas de alto vigor são consideradas fator fundamental que determina a a produtividade da soja Engenheiros agrônomos J.B. França-Neto, F.C. Krzyzanowski, A.A. Henning, I. Lorini; e F.A. Henning, pesquisadores da Embrapa SojaA relação do ALTO VIGOR e a produtividade As sementes de elevada qualidade que vão gerar plantas de alto vigor são consideradas fator fundamental que determina a a produtividade da soja

Engenheiros agrônomos J.B. França-Neto, F.C. Krzyzanowski, A.A. Henning, I. Lorini; e F.A. Henning, pesquisadores da Embrapa Soja

Asafra brasileira de soja de 2013/ 14 foi recorde, atingindo uma produção de mais de 86 milhões de toneladas, fruto de um cultivo em cerca de 30 milhões de hectares (Conab, 2014). Aproximadamente 70% dessa produção concentram- se em regiões tropicais. Isso representa um grande desafio ao setor produtivo de sementes dessa espécie, pois a produção de sementes de alta R. R. Rufino/Embrapa Soja qualidade sob as condições estressantes dos trópicos demanda a utilização de técnicas especiais. Apesar dessa limitação, as empresas de sementes têm disponibilizado no mercado sementes de elevada germinação e vigor.

O sucesso da lavoura de soja depende de diversos fatores, mas, sem dúvida, o mais importante deles é a utilização de sementes de elevada qualidade, que geram plantas de alto vigor, que terão um desempenho superior no campo. O uso de semente de elevada qualidade permite o acesso aos avanços genéticos, com as garantias de qualidade e tecnologias de adaptação nas diversas regiões, assegurando maiores produtividades. Portanto, o estabelecimento da lavoura de soja com sementes da mais alta qualidade é de fundamental importância. Sementes de alto vigor propiciam a germinação e a emergência de plântulas em campo de maneira rápida e uniforme, resultando na produção de plantas de alto desempenho, que têm um potencial produtivo mais elevado. Plantas de alto desempenho apresentam uma taxa de crescimento maior, têm uma melhor estrutura de produção, com um sistema radicular mais profundo e produzem um maior número de vagens e de sementes, o que resulta em maiores produtividades. Esse potencial para maiores produtividades aumenta em situações de estresse, como, por exemplo, em uma situação de seca, uma vez que o sistema radicular mais profundo dessas plantas terá condições de supri-las com água e nutrientes, assegurando a produção.

Vigor de sementes — O conceito de vigor em sementes tem sido bastante difundido pelo setor produtivo de diversas culturas e em especial no cultivo da soja. Uma boa definição desse conceito foi publicada recentemente pela Associação Oficial dos Analistas de Sementes dos Estados Unidos (Aosa, 2009): “São aquelas propriedades das sementes que determinam o seu potencial para uma emergência rápida e uniforme e o desenvolvimento de plântulas normais sob ampla diversidade de condições de ambiente.” Essa definição contempla diversos parâmetros importantes que merecem destaque a seguir:

● Emergência rápida e uniforme das plântulas, o que é fundamental para o bom estabelecimento da lavoura.

● Desenvolvimento de plântulas normais.

● Desempenho das sementes sob condições ideais e sob ampla diversidade de condições de ambiente, incluindo condições ótimas e sob estresses. Como estresses, podem ser exemplificadas algumas situações como as seguintes: profundidade excessiva de semeadura; compactação superficial ou assoreamento em consequência da ocorrência de chuvas pesadas após a semeadura; semeadura em condições de solo com baixas temperaturas, comuns no Sul; ataque de fungos de solo à semente; e seca após a semeadura. Sementes de alto vigor sempre apresentam vantagens nessas situações em relação a uma semente de vigor médio ou baixo. Em suma, é possível afirmar que o uso de sementes vigorosas assegura o estabelecimento de uma população adequada de plantas, mesmo sob condições estressantes.

Toda cultivar de soja requer uma população de plantas ideal para a obtenção de máximas produtividades, e a utilização de sementes de alto vigor facilita em muito para que isso seja alcançado, explica França Neto

Toda cultivar de soja requer uma população de plantas ideal para a obtenção de máximas produtividades. É importante que essa população seja atingida após a semeadura. A utilização de sementes de alto vigor facilita em muito para que isso seja alcançado. Porém, deve-se enfatizar que é importante que essa população seja composta por plantas de alto desempenho, que assegurarão, como mencionado anteriormente, maiores produtividades.

Muitos produtores ainda não têm a perfeita noção dessa informação e de suas vantagens, e ainda creem que basta obter a população ideal de plantas, recomendada para cada cultivar, para que o estabelecimento e a produtividade da lavoura estejam assegurados. Isso, sem se levar em consideração o nível de vigor das sementes utilizadas na semeadura. Pode-se citar o exemplo daquele produtor que adquire sementes de vigor médio ou baixo e ainda acredita que, com o aumento da densidade de semeadura, poderá obter o estande ideal de plantas para aquela cultivar. Isso pode até ser verdadeiro, porém, será que as plantas que compõem essa população são de alto desempenho? Mesmo obtendo a população ideal de plantas, está tudo resolvido? Com certeza, não! Serão descritos a seguir diversos trabalhos de pesquisa que dão embasamento para essa afirmativa.

Efeito do vigor sbre a produtividade — Esse tema tem sido amplamente estudado para a soja e para diversas culturas no Brasil e em diversos outros países. No Brasil, um dos primeiros trabalhos realizados sobre o tema em soja foi relatado por França-Neto et al. (1983). Nesse trabalho, foram avaliadas as três cultivares de soja mais cultivadas há época no Paraná (Paraná, Davis e Bossier), com três níveis de vigor (alto, médio e baixo). Foi utilizada uma alta densidade de semeadura e, após a emergência, foi realizado um desbaste, deixando a mesma população de plantas para todos os tratamentos (400 mil plantas/hectare), que era a população recomendada para as referidas cultivares na época da execução do trabalho. Na colheita, as plantas originadas de sementes de alto vigor foram 12,8% mais altas do que as de baixo vigor e a produtividade foi superior em 24,3%.

Mais recentemente, Kolchinski et al. (2005), em estudo realizado em Pelotas/RS, trabalharam com sementes com um gradiente de cinco níveis de vigor, a partir de vigor baixo, com 70% de emergência em canteiro e 75% de germinação, até vigor alto, com emergência de 95% e germinação de 94%. Esses níveis de vigor foram criados mediante a mescla de sementes de alto e baixo vigor nas seguintes proporções: 100% alto vigor; 75% alto e 25% baixo; 50% alto e 50% baixo; 25% alto e 75% baixo; e 100% de baixo vigor. Os autores verificaram que as plantas oriundas de sementes do mais alto vigor produziram 25% a mais de vagens por planta, resultando em parcelas experimentais com 35% a mais de rendimento de grãos em relação às oriundas de sementes de baixo vigor.

Outro trabalho muito interessante sobre o tema foi desenvolvido por Pinthus et al. (1979), que trabalharam com a cultivar de soja Clark. Os autores semearam a cultivar em centenas de potes com cerca de dez centímetros de diâmetro, com uma semente por pote. Após a emergência, cada pote foi identificado, de acordo com a velocidade de emergência das plântulas: as que emergiram muito rapidamente, aos quatro dias, foram classificadas como vigor muito alto; as que emergiram aos cinco dias, como vigor alto; aos seis dias, vigor médio; aos sete e oito dias, vigor baixo.

Essas plântulas foram transplantadas para condições de campo, em parcelas experimentais, cada uma composta por duas linhas com seis metros de comprimento e com uma densidade de 12,5 plantas/metro linear. Aos 60 dias após a emergência, foi verificado que as plantas originadas de sementes de vigor muito alto produziram 41% mais de matéria seca em relação às de baixo vigor. Por ocasião da colheita, essas plantas tiveram uma produtividade 31% superior em relação às de baixo vigor.

Um aspecto comum entre esses três trabalhos, que foram realizados em condições bem diversas, foi que o aumento na produtividade de grãos, com o uso de sementes de elevado vigor, variou de 24,3% a 35%, índices muito expressivos e significativos. Vale ressaltar que essas respostas ocorreram em condições experimentais e representaram respostas extremas de aumento de rendimento. Caso essas respostas sejam obtidas em lavoura e ao redor de 5% a 10%, mesmo que inferiores, com certeza, serão significativas, justificando a utilização de sementes de alto vigor.

Cervieri Filho (2005), em estudos conduzidos em Alto Taquari/MT, com plantas individuais de duas cultivares de soja, Monsoy 9914 e Monsoy 9350, relatou a produção de grãos por planta, com base em dois níveis de vigor: alto, caracterizado por plântulas que emergiram mais rapidamente, ou seja, até o quinto dia após a semeadura, e baixo, aquelas que emergiram após o quinto dia. Por ocasião da colheita, as plantas originadas de sementes de alto vigor da cultivar Monsoy 9914 produziram 13,7 gramas de grãos, ao passo que plantas de sementes de baixo vigor produziram apenas sete gramas, significando uma diferença de até 99,7% a mais.

Resultados similares foram observados para plantas da cultivar Monsoy 9350, com um aumento de 95,7%. Vale enfatizar que essas diferenças altamente significativas foram constatadas em plantas individuais, que mostram um efeito muito mais marcante do que os observados em populações de plantas. Trabalhos conduzidos por Schuch et al. (2009) e por Panozzo et al. (2009) constataram efeitos positivos do alto vigor sobre a produção em plantas individuais de soja, com aumentos não tão expressivos como os relatados por Cevieri Filho (2005), mas superiores a 20% na produção por planta.

A comparação de respostas dos possíveis efeitos do vigor das sementes em diferentes populações de plantas de soja foi realizada nos Estados Unidos, por TeKrony et al. (1987). Quando foram estudados os efeitos do vigor em altas populações, ou seja, acima de 343 mil plantas/hectare, não foram constatados os efeitos do vigor das sementes sobre a produtividade. Entretanto, esses efeitos foram significativamente evidenciados em populações mais baixas de plantas, entre 115 mil a 150 mil plantas/hectare.

Vantagens do uso de sementes vigorosas — Com a síntese de todas as informações que foram mencionadas anteriormente e as incluídas nos trabalhos de pesquisa citados acima, pode-se concluir o seguinte:

● Na instalação da cultura da soja, é de suma importância utilizar sementes do mais alto vigor, visando obter um estande adequado, com plantas vigorosas.

● Sementes de alto vigor têm maiores índices e velocidade de germinação e de emergência, mesmo em condições de estresse, como por exemplo: a semeadura é realizada com maior profundidade; quando ocorrem compactação superficial ou assoreamentos na linha de semeadura; ocorrem ataques de fungos; ou com a ocorrência de baixas temperaturas por ocasião da semeadura.

● Plântulas que emergem mais cedo têm vantagens competitivas sobre as que emergem mais tarde, pois têm melhor aproveitamento de água, luz e nutrientes e o processo fotossintético das plantas é iniciado mais cedo e de maneira mais eficiente.

● Plantas vigorosas apresentam uma taxa de crescimento maior, tendo maior acúmulo de matéria seca e resultando em plantas com melhor estrutura de produção, ou seja, maior área foliar e melhor sistema radicular.

● Essas plantas têm maior capacidade de produção de vagens e sementes e, consequentemente, têm um maior potencial de rendimento de grãos.