Expointer

 

Feira para movimentar a ECONOMIA

Expectativa é otimista para a tradicional exposição agropecuária que será realizada entre 30 de agosto e 7 de setembro em Esteio/RS

Os preparativos estão intensos para a 37ª edição da Expointer, tradicional feira agropecuária que é realizada no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio/RS, entre os dias 30 de agosto e 7 de setembro. No embalo de uma excelente safra no Rio Grande do Sul, que produziu cerca de 30 milhões de toneladas de grãos em 2013/2014, as perspectivas são positivas para a realização de negócios durante os nove dias do evento. O subsecretário do Parque Assis Brasil, Adeli Sell, promete uma Expointer mais ousada e diversificada para este ano. “Queremos que a feira seja o verdadeiro espelho do Rio Grande do Sul e, ao mesmo tempo, o veículo para a interlocução da economia gaúcha com o Brasil e o mundo”, define.

Na edição do ano passado, os negócios contabilizados durante a exposição somaram R$ 3,292 bilhões, um volume recorde. Para 2014, a expectativa é ultrapassar os R$ 4 bilhões.

O presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Francisco Schardong, também espera uma Expointer de grandes resultados. “Acreditamos em bons negócios para os criadores de bovinos, ovinos e equinos. A procura pelo melhoramento genético é intensa e o boi gordo está com bons preços no Estado. Da mesma forma e, mesmo com os recentes problemas envolvendo a cadeia, esperamos uma boa movimentação na pecuária leiteira”, declara.

Na opinião do dirigente, esta deve ser uma feira de intensa movimentação política, já que é ano eleitoral e, tradicionalmente, os candidatos aproveitam o evento para intensificar suas ações de campanha. “Estamos um pouco apreensivos em relação ao que vai ocorrer depois das eleições e as decisões que serão tomadas sobre financiamentos e programas voltados ao agronegócio. Estamos em um cenário de queda no preço da soja e na venda de máquinas agrícolas, e precisamos nos manter em alerta”, acrescenta.

Além de realizar negócios, o produtor rural deve enxergar a Expointer como uma oportunidade de qualificação, argumenta Schardong. “Os eventos e a troca de experiências que ocorrem durante a exposição servem de aprendizado para o trabalho do produtor dentro e fora da porteira”, sustenta.

Parceria — A Expointer deste ano marca a concretização do convênio entre o Governo do Estado e o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Rio Grande do Sul (Simers) para a utilização da área de exposição dos equipamentos pelos próximos 25 anos. Esse tipo de parceria público-privada está entre as ações de reestruturação e modernização do Parque Assis Brasil para mantêlo em funcionamento e com atividades o ano todo.

As vendas de máquinas agrícolas apresentaram queda no primeiro semestre no Brasil. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o recuo foi de 20% sobre o mesmo período do ano passado, quando foram comercializadas 41.134 unidades. O presidente do Simers, Claudio Bier, diz que o setor já esperava uma desaceleração, visto que 2013 foi um ano excepcional. No entanto, ele afirma que a redução está acima do previsto. “De qualquer forma, estamos otimistas quanto à Expointer e acreditamos em um resultado semelhante ao da feira do ano passado”, conclui.

Na exposição de 2013, segundo o balanço divulgado pela Secretaria da Agricultura do Estado, os negócios com máquinas agrícolas somaram R$ 3,274 bilhões. “Precisamos lembrar que, além dos negócios, a feira é uma apresentação de tecnologia, na qual as empresas exibem seus lançamentos”, menciona Bier.

Delícias coloniais — A comercialização de alimentos e outros produtos da agroindústria familiar é uma das atrações mais concorridas da Expointer. Tanto que os produtores receberiam um segundo pavilhão neste ano para que um maior número de expositores pudesse participar do evento. No entanto, houve problemas com a empresa contratada para a execução da obra. “Foi necessário rompermos o contrato e, agora, faremos uma nova licitação”, explica Adeli Sell.

O evento é a oportunidade para apresentação de novas tecnologias, realização de negócios e troca de experiências

O assessor de Política Agrícola e Agroindústria da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), Jocimar Rabaioli, espera que a nova estrutura esteja à disposição dos produtores no próximo ano. Para essa edição, está em avaliação a colocação de um anexo no local

Na edição de 2013, o pavilhão da agricultura familiar registrou a comercialização de R$ 1,505 milhão e a participação de 187 empreendimentos. Este ano, a Fetag registrou 210 inscrições. “São 30 agroindústrias que participarão pela primeira vez”, conta Rabaioli. A expectativa, segundo ele, é de que as vendas tenham incremento entre 10% e 15% sobre a última edição. “As pessoas cada vez reconhecem mais a qualidade dos alimentos que são produzidos pela agricultura familiar”, assinala.

Novidades e melhorias — Obras de drenagem e de contenção do Arroio Esteio estão entre as principais melhorias programadas para a Expointer de 2014. No ano passado, a chuva intensa provocou alagamentos no parque e prejudicou expositores, principalmente na área destinada às máquinas agrícolas. Outra facilidade para este ano deve ser o acesso alternativo por meio da BR-448, a Rodovia do Parque, que promete diminuir os congestionamentos na BR-116, principal via de acesso à feira. Entre as demais novidades desta edição estão um espaço destinado às prefeituras para a divulgação de eventos e serviços e a ampliação da área de camping.