Transporte

 

Carretas GRANELEIRAS, o apoio fundamental ao produtor

Tendo em vista as janelas de colheita curtas e incertas, esses equipamentos são precisos para escoar o máximo possível da produção e em tempo hábil

Jonathan Fernandes, coordenador de Marketing

Odesenvolvimento da agricultura vem sendo travado por diversos desafios logísticos, filas para entrega de grãos em portos, estradas em péssimo estado de conservação, falta de incentivo para outros modais, como o fluvial ou ferroviário. Esses problemas acabam neutralizando o desenvolvimento, rendimento e competitividade da agricultura brasileira. É inacreditável que em um país em que o setor do agronegócio é expressivamente responsável pela balança comercial, não tenhamos uma solução para a logística. Mas os problemas de transporte não estão apenas fora das fazendas. Em estudos de tempo e produtividade, são identificadas diversas situações nas quais a perda de rendimento está dentro da própria lavoura e nos caminhos entre ela e a unidade de armazenamento da sede.

Hoje, com as janelas de colheita cada vez mais incertas e a grande dimensão dos implementos e maquinários envolvidos, é necessário ser preciso e escoar o máximo possível da produção em tempo hábil, sem colocar em risco a rentabilidade. Sendo assim, a melhor solução é o aprimoramento da lógica de transporte, que pode começar na fazenda com o uso eficiente e bem dimensionado de carretas graneleiras. Devido aos resultados já comprovados na utilização desse implemento, a carreta graneleira tem ganhado destaque. Comumente vista na maioria das fazendas de pequeno, médio ou grande porte, com inúmeros fabricantes, modelos e preços.

As carretas graneleiras podem ser divididas em dois grandes grupos:

Sem rosca varredora: a movimentação primária ocorre por gravidade e posteriormente o material é elevado, sendo movido para fora da carreta através da rosca sem-fim vertical;

Com rosca varredora: enquadra-se a maioria das carretas de alta capacidade, em que a movimentação de grãos ocorre por meio de duas roscas semfim, uma varredora, no fundo do tanque graneleiro, levando o material até a segunda rosca que providencia a elevação e a descarga.

A opção por um desses modelos é bastante particular, mas de um modo geral as carretas com rosca varredora podem receber tanques graneleiros de maior capacidade, com altura e largura reduzidos, pois são capazes de transportar horizontalmente o material. Porém, acabam ocasionando maior dano no grão devido à sequência de roscas sem-fim e a junção das duas para movimentação vertical. O engenheiro mecânico Paulo Spieker, gerente de engenharia e produção de uma indústria do segmento, destaca o seguinte: “Projetamos uma carreta graneleira para que seja estável, possa se deslocar em diversos tipos de terrenos sem ter sua integridade afetada, tampouco seu desempenho reduzido, desenvolvemos e produzimos com base nos conhecimentos do campo e empregamos materiais de qualidade superior”.

Com uma pequena pesquisa, o produtor pode encontrar o produto certo para aplicação certa, mas a grande maioria busca algumas características em comum, que são as seguintes:

- Velocidade: não se limita apenas ao deslocamento. Uma graneleira deve ser prática e eficaz em todas as suas operações, tem que ter estabilidade para não perder tempo nos deslocamentos, grande vazão para descarregar rapidamente e, acima de tudo, durável, sem motivos para parada; ou seja, deve ser resistente e possuir pontos para manutenção rápida e facilitada.

- Integridade do grão: descarregar velozmente pode trazer efeitos colaterais. Por isso é imprescindível que um projeto baseie-se na qualidade do grão descarregado. Com tantos modelos no mercado, é possível encontrar verdadeiros liquidificadores de grãos até descargas capazes de mover sementes através de seu sem-fim sem danificá-las.

- Baixa compactação: a preservação do solo também é um aspecto evidenciado, afinal, o trânsito de uma carreta graneleira mal dimensionada pode causar prejuízos a médio prazo devido, acima de tudo, à intensa compactação do solo. Projetos que contemplem estudos sobre a distribuição de carga e pneus de alta flutuação geralmente são a melhor solução.

Segundo Ilisa Ivanoff, produtora com áreas no Paraná e Goiás, proprietária de diversos modelos de carretas, lembra que a “mobilidade é fundamental”. “Os operadores são trocados constantemente, então nem todos estarão habituados ao uso do produto. Por isso, é importante que o graneleiro seja fácil de operar, permita movimentações em pouco espaço, movimentações de ré e, além disso, tem que ser prático e trazer benefícios como qualidade do grão e economia de combustível”, lembra.

Características como preço são determinantes na compra, mas antes de fechar o próximo negócio e comprar uma carreta graneleira por ser a mais barata, invista algumas horas conversando com um consultor técnico e faça uma boa pesquisa sobre o produto. Sem dúvida, dessa forma a aquisição será melhor dimensionada para o seu uso, evitando arrependimentos futuros e rentabilizando seu processo de colheita. Afinal, uma carreta graneleira bem dimensionada, juntamente com a colheitadeira pode representar até 50% mais produtividade.

O aprimoramento do transporte deve começar ainda na fazenda, com o uso eficiente e bem dimensionado de carretas graneleiras