Aqui Está a Solução

 

DOENÇA NA JABUTICABA

Prezados, tenho um pé de jabuticabeira no meu quintal e venho observando que uma doença ataca os frutos antes mesmo de amadurecerem. Após o ataque, as jabuticabas secam. Ainda antes disso, surge um pozinho amarelo. O problema ocorre assim que aparecem os frutos, produção após produção. Que doença pode ser? O que devo fazer para combatê-la?

Vilmar Strege
Águas de Chapecó/SC

R- Caro Vilmar, segundo Eduardo Suguino, doutor em Agronomia da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), nas fotos não há indício claro do ataque de frutos verdes antes do amadurecimento, mas pelo relato do aparecimento de um “pó amarelo” é possível entender que a planta está com uma doença fúngica conhecida como ferrugem das mirtáceas. Este problema é causado pelo fungo Puccinia psidii, que possui uma gama muito grande de hospedeiros na família Myrtaceae, na qual se encontram goiabeiras, pitangueiras, jabuticabeiras, entre outras, de onde provavelmente o fungo tenha migrado antes de chegar à sua planta. Como não há relatos que sua plantação seja comercial, um produto de baixa toxicidade que pode ser aplicado para ajudar a resolver seu problema é a calda bordalesa, que tem efeito sobre a maioria dos fungos, é de baixo custo e de fácil preparo. Caso o senhor não tenha experiência no preparo de caldas, peça ajuda em alguma loja de produtos agropecuários que tenha um profissional capacitado e lhe forneça o produto já preparado, visto que será necessário diluir sulfato de cobre (100 gramas) e cal virgem (100 gramas) em dez litros de água. Preferencialmente, dilui-se cal virgem e o cobre separadamente antes de se misturarem para formar a calda bordalesa e, após a mistura, o produto deve ser coado para evitar entupimentos na peneira ou filtro do pulverizador.

DANINHAS E MOSCA-BRANCA

Como o manejo de herbicidas pré-plantio pode ajudar a diminuir a incidência da mosca-branca na lavoura de feijão? Desde já, agradeço a ajuda.

João Carlos Freire
Nascimento Buritis/MG

R- A mosca-branca, que transmite o mosaico-dourado, tem como hospedeiras alternativas as plantas daninhas guanxuma, capim leiteiro e trapoeraba, entre outras. Os ovos, as ninfas e as pupas nas plantas hospedeiras significam um aumento potencial da população da mosca-branca, principalmente em épocas secas, quando o feijoeiro de inverno é introduzido no plantio direto. Isso sugere que o manejo das plantas daninhas em pré-plantio pode influenciar a população inicial da mosca-branca. Segundo os pesquisadores da Embrapa, a rápida dessecação das plantas daninhas diminui a emergência do adulto da mosca-branca, pois reduz o tempo para o desenvolvimento das ninfas e pupas até chegar à fase adulta. É desejável fazer coincidir o plantio da cultura com a dessecação completa da cobertura verde, pois até a emergência do feijoeiro, que leva por volta de cinco dias, as pragas não teriam hospedeiros e, em consequência, sua população inicial iria diminuir drasticamente. Nesse caso, seria necessária a dessecação antecipada (de 10 a 15 dias) se os herbicidas usados forem sistêmicos, a serem complementados, no plantio, com herbicida de contato para controle das plantas daninhas que, eventualmente, germinassem nesse período.