Especial

Uma bem-sucedida parceria que soma 109 ANOS

Revista A Granja, 69 anos, Embrapa, 40 anos, duas respeitáveis instituições da agropecuária brasileira que sempre tiveram como bandeira melhorar o negócio – e a vida – do produtor

Cento e nove anos disseminando tecnologias agropecuárias. Este é o resultado da parceria mais que bem-sucedida entre A Granja, que está completando 69 anos de vida, e a Embrapa, que já chegou a 40 anos de existência. Estava escrito nas estrelas que este casamento seria longevo. De um lado, a revista agrícola mais tradicional e de maior prestígio do País, cuja missão, desde a edição primeira, foi levar ao produtor rural as melhores e mais atualizadas técnicas e tecnologias agropecuárias; de outro, a instituição- mestre em agricultura tropical, simplesmente a empresa que, entre inúmeros feitos, adaptou a soja para baixas latitudes – e assim deixou ilimitada a produção deste grão tão importante para diferentes povos. A adaptação da soja ao Centro-Oeste e muitas das demais vitórias da empresa pública que é orgulho do Brasil estão a seguir neste especial de aniversário d'A Granja.

Relíquia: em 1977, um artigo sobre pragas da soja - assinado por pesquisadores da Embrapa Soja - foi uma das primeiras veiculações n'A Granja sobre a Embrapa, uma parceria que rendeu muitas publicações nas últimas décadas

A revista A Granja sempre primou por levar informação de primeira, moderna e relevante, ao produtor agrícola. Pois a Embrapa sempre gerou tais conhecimentos. Reitera-se, não tinha como esta comunhão dar errado. Não que a instituição de pesquisa não tivesse se utilizado de outros mecanismos para propagar tamanha leva de mensagens, ou que a revista não desfrutasse de outras fontes de informações. Mas é inegável que houve química no encontro entre A Granja & Embrapa. No início, a revista passou a fazer menções a pesquisas ou pesquisadores da iniciante Embrapa. "Trabalhos realizados em conjunto pela Embrapa, Secretaria da Agricultura, Fecotrigo, Ufrgs e Ufsm cobrem, com uma rede experimental de variedades, praticamente todo o Rio Grande do Sul. Como resultado deste trabalho, temos a criação e recomendação para uso no Rio Grande do Sul de variedades cada vez mais produtivas", destacava um texto sobre o plantio de soja no RS n'A Granja de setembro de 1975.

Em maio de 1977, o artigo do Centro Nacional de Pesquisa da Soja – leiase Embrapa Soja –, de Londrina/PR, abordava os insetos-pragas da soja. O texto, assinado pelos engenheiros agrônomos A. R. Panizzi, B. S. Correa, D. L. Gazzoni e E. B. Oliveira, advertia que "um dos fatores que concorrem para a redução da produtividade e consequente elevação dos custos de produção na cultura de soja no País são os insetospragas". O artigo de quatro páginas foi um dos primeiros grandes espaços que a publicação abriu à instituição. E nunca mais faltou terreno nas páginas da quase setentona revista para veicular as experiências da Embrapa. Seja para seus pesquisadores manifestarem seus conhecimentos via entrevistas ou mesmo em artigos, textos assinados sobre os mais diversos temas relacionados à agricultura e à pecuária. O leitor d'A Granja só tem a agradecer a esta parceria que promete ser ad infinitum.

A revista mais antiga do Brasil em todos os segmentos da imprensa – não apenas no jornalismo agrícola – sempre teve como bandeira defender as causas e os anseios do produtor rural. Este é o compromisso da publicação que comemora, neste janeiro, 69 anos de vida. Talvez por isso tenha se consolidado com o passar das edições, dos anos, das décadas, mesmo com tantas e profundas evoluções na agropecuária brasileira. Como comparar a agricultura praticada em meados dos anos 1940 com a de meados de década de 2010? Os plantios continuam sendo praticados no solo e as plantas seguem necessitando de energia solar e elementos químicos para frutificar, mas, de resto, tudo mudou. Tudo evoluiu. Tudo melhorou. E tudo foi narrado em minúcias pela revista. Parabéns para A Granja, parabéns à Embrapa.