Cartas, Fax e E-Mails

 

HELICOVERPA, O QUE DEVASTA É A BUROCRACIA

Acompanho desde o início a chegada da helicoverpa nas nossas lavouras e fico indignado ao ver o que fazem para simplesmente impedir uso de inseticidas importados (reportagem de capa da edição de outubro). Incrível o que penaram os produtores baianos na safra passada. A helicoverpa comendo as lavouras deles e o "remédio" para este mal simplesmente tomando espaço num galpão. É bem coisa deste País. Muitas das decisões relevantes para uma série de coisas são tomadas por gente que não conhece nada do assunto. Aí dá no que deu. Lamentável, e o pior é que parece que nada ou pouco vai mudar, pelo menos por enquanto.

Flávio Zanchetto
Nova Mutum/MT


HELICOVERPA, CUIDADO COM ESTA PRAGA

Muito boa a abordagem sobre a "safra blindada" de outubro. Realmente, o cuidado com a lavoura deve ser feito de uma maneira incisiva e sem tréguas. Um instante de desatenção e o bicho devasta mesmo. Seja uma praga ou uma doença. O exemplo da hora é a helicoverpa. Com mais de 30 anos de estrada, já vi este filme antes mais de uma vez. Lembro como se fosse ontem a chegada da ferrugem asiática da soja. Os agricultores nem ao menos sabiam identificar a doença. Foi uma guerra até aprendermos a saber o que era a tal ferrugem. Felizmente, hoje, não há mais segredos. Espero que assim seja o quanto antes com a helicoverpa.

Amadeus dos Santos,
Nova Andradina/MS


ERVA-MATE DIFERENCIADA

Interessante o trabalho do senhor Eduardo Guadagnin, que produz erva-mate no meio do mato. O que é mais fantástico nesta agricultura brasileira é a diversidade. Se produz de tudo de formas tão distintas.

Alfredo Giacomelli
Garibaldi/RS


CORREÇÃO

A foto publicada como sendo do novo presidente da Basf para América do Sul, Ralph Sweens, foi na verdade de Ademar De Geroni, diretor de Pesquisa & Desenvolvimento da Unidade de Proteção de Cultivos da Basf para América Latina. A foto correta do novo presidente é esta.

[email protected] ou acesse www.agranja.com twitter.com/#!/revista_agranja