Vitrine

 

PRODUZIR (100 SACAS/HECTARE) É MELHOR QUE SONHAR

A encantadora música "Como os nossos pais", eternizada na voz de Elis Regina, instiga que "viver é melhor que sonhar". Pois, guinando da MPB para a agricultura, que tal uma provocação: imagine de bate-pronto (faça a conta de cabeça mesmo), cada um de seus hectares de lavoura produzindo 100 sacas de soja – e gerando uma rentabilidade três, quatro vezes superior. Multiplique pelo número de hectares e pense quão maior o seu volume de produção – e de lucro. Um sonho? Uma utopia? Irrealizável? Não, tem gente produzindo isso. E até mais! São os campeões do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja, concurso promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), uma organização que reúne empresas e instituições de pesquisa e que busca expandir – em muito – a produtividade de soja das lavouras brasileiras. Que tal ouvir o que os pensadores do Cesb têm a revelar sobre os bastidores deste concurso – leia-se as técnicas e tecnologias que levam a se produzir tanto.

Se a ideia é produzir mais, é preciso pensar em transportar mais. Seguindo sua tradição de estar presente nas principais feiras do País, sejam as agrícolas ou as que têm relação com o agronegócio, a reportagem d'A Granja esteve na 19ª edição da Fenatran – Salão Internacional do Transporte, no final de outubro, em São Paulo. O evento reúne as principais montadoras de caminhões que apresentam as megamáquinas que transportarão os milhões e milhões de toneladas de grãos que os nossos produtores vão gerar em 20013/14. Na imagem, jornalistas assistem violinistas que anunciam a apresentação do lançamento do caminhão de uma grande montadora.

Bem, se a safra 2013/14 é o "ar" que se respira nesta e nas próximas edições, fomos ouvir uma das principais autoridades em arroz do Brasil, Henrique Dornelles, o novo presidente da combativa Federação das Associações dos Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), que relatou as metas – e reivindicações – do setor.

Fora isso, tem muito mais. É realidade (não é sonho), a edição está imperdível.

Boa leitura!