Primeira Mão

"O que nos entusiasma muito é que a safra brasileira tem aumentado acima do previsto. Temos uma safra de 187,09 milhões de toneladas e isto nos surpreende de uma forma extremamente positiva. A produção tem aumentado em cima da produtividade e nós tivemos um crescimento três vezes maior na produção do que na área plantada, isso demonstra que está aumentando a qualidade dos nossos produtos e garantindo uma exportação cada vez maior".

Ministro da Agricultura, Antônio Andrade, ao comentar os números do 12º levantamento de safra 2012/13 da Conab, que dão conta da expansão da 12,6% ante a safra anterior e crescimento da área de apenas 4,8%.


187,3 milhões

de toneladas. Esta deverá ser a safra brasileira de grãos em 2013, segundo previsão do IBGE. Ou 15,7% a mais que em 2012, ano em que estiagens comprometeram a produção. O volume a ser colhido até dezembro foi retirado de 52,3 milhões de hectares. Em comparação ao ano passado, houve incremento de produção de três das mais importantes culturas: soja (+23,8%); milho (+13,3%) e arroz (+2,7%).


Hectare salgado!

Cultivar um hectare de soja no MT custa um quarto a mais nesta safra que na anterior. Ou mais precisamente, o custo de produção pulou 27% para a temporada 2013/14 ante 2012/13. Cada hectare da oleaginosa exige R$ 2,43 mil, R$ 543 a mais que anteriormente. E têm regiões que impõem o desembolso de R$ 3 mil! O custo de produção nunca foi tão alto no estado, e as causas são o dólar e o encarecimento da semente (+40%) e da mão de obra (+45%). O levantamento é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).


E o que dizer do caminhão?

O mesmo instituto apurou que uma "saca de frete" vale quase o dobro de uma saca de milho recebida pelo produtor. Explica-se: o frete para transportar o cereal de Sorriso ao porto de Santos/SP é de cerca de R$ 300/tonelada, o que representa R$ 18 por saca, enquanto o preço do milho no município mato-grossense está em média a R$ 10,90/saca. E o Imea prevê preços do frete ainda mais elevados no início de 2014, visto que a época coincide com o estouro da colheita da soja – e o milho nem terá sido todo escoado.


John Deere e os megatratores

A Deere & Company anunciou investimentos de US$ 40 milhões para ampliação da fábrica de tratores em Montenegro/RS e produção nacional dos tratores de alta potência da Série 8R – de 260 ou 335cv. "Nossos clientes no Brasil estão investindo em tratores de alta potência dos modelos 8R", justificou Mark Von Pentz, presidente mundial da Divisão Agrícola da Deere. "A decisão de fabricarmos os 8R em Montenegro permitirá que estas máquinas estejam disponíveis para financiamento pelo Finame". A empresa atualmente fabrica os tratores 8R em Waterloo, Iowa (EUA).


Âncora verde

Quase a metade da expansão da economia brasileira deste ano terá como origem no momento do agronegócio, sobretudo em razão da safra recorde prevista de soja que vem aí – 88 milhões de toneladas. O Boletim Focus do Banco Central considerou o PIB do agronegócio de 2012 em R$ 989 bilhões e estima expansão de 5% para este ano. Se as estimativas de crescimento se confirmarem, o PIB do agro deve somar R$ 1,038 trilhão em 2013 e responder por 23% de toda a riqueza gerada no País. "Essa cifra inclui os segmentos antes e depois da porteira", explica Adriana Ferreira Silva, economista do Cepea, que calcula o PIB do agronegócio para a CNA.

Já no Rio Grande do Sul o agro é ainda mais relevante nos números do estado. A safra de 28,27 milhões de toneladas de grãos colhida neste ano, dos quais o recorde de 12,53 milhões de soja (8 milhões a mais que a do ano passado, quando a seca causou um estrago gigantesco), colaborou para que o crescimento do PIB gaúcho como um todo fosse de 15% no segundo trimestre de 2013 ante o mesmo de 2012. A agropecuária cresceu absurdos 111,7% na mesma comparação.


AP ganha superlaboratório

Um espaço único no País, onde será possível pesquisar e desenvolver equipamentos, sensores, componentes mecânicos e eletrônica embarcada. O Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), da Embrapa, foi inaugurado em setembro, em São Carlos/SP. A instalação contará com sistema computacional de geoinformática para tratar os dados massivos gerados em campo e produzir informações para a gestão em AP, além de uma série de outros serviços. A Embrapa mantém a Rede de Agricultura de Precisão que envolve 20 de seus centros de pesquisa, além de parceiros de universidades, instituições de ciência e tecnologia e empresas. São 214 pesquisadores.


O peso do Brasil para a AGCO

A AGCO destacou na Expointer a importância do Brasil em sua estratégia de crescimento global. "No primeiro semestre de 2013, a AGCO obteve vendas recordes na América do Sul", afirmou Martin Richenhagen, presidente, CEO e presidente do Conselho da AGCO (à esquerda, ao lado de André Carioba, vice-presidente sênior da AGCO América do Sul). Em 2012, a AGCO gerou aproximadamente 19% de suas vendas na América do Sul. Neste ano, as vendas líquidas na região cresceram 27% no primeiro semestre como resultado do maior volume de vendas no Brasil.


Sorriso gigante

Sorriso tem se repetido ano após ano como o maior município produtor de soja do mundo. E agora assumiu o posto de maior do Brasil em área de milho. Na recente safrinha o cereal cobriu 90% da extensão antes utilizada pela soja de verão. Foram 633,4 mil hectares de soja e 569,63 mil de milho. O município tirou de suas lavouras 3,5 milhões de toneladas de milho e 2,1 milhões de soja. Ou seja, Sorriso mandou para o Brasil e ao mundo 5,6 milhões de toneladas de grãos no ciclo 2012/13.


Expointer com polêmica

A organização da 36ª Expointer anunciou que a feira realizada em Esteio/RS, entre o final de agosto e o início de setembro, movimentou R$ 3,292 bilhões em negócio – 62% a mais que edição anterior. Apenas em equipamentos de irrigação foram encaminhados 468 contratos, que representam R$ 314 milhões. O número recorde, no entanto, foi contestado por entidades classistas, que argumentaram que os negócios anunciados na verdade são "intenções" de aquisição, que podem não se realizar.