Agricultura Familiar

 

AGRIFAM reúne o melhor para pequenos produtores

A 10ª edição da Agrifam – Feira da Agricultura Familiar e do Trabalho Rural, realizada em Lençóis Paulista/SP, no início de agosto, apresentou tecnologias para os pequenos agricultores, promoveu palestras e comercializou máquinas, equipamentos e muitos outros produtos. O evento, organizado pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de São Paulo (Fetaesp), teve na abertura a presença do governador Geraldo Alckmin, acompanhado de cinco secretários de Estado. O evento movimentou nos três dias R$ 19 milhões em negócios e rece- Giuliano Martins beu 28.500 visitantes, muitos integrantes de mais de uma centena de caravanas, procedentes inclusive de estados vizinhos.

A Agrifam é uma feira com vários propósitos, como realização de agronegócios, apresentação de pesquisas na área agrícola e a comercialização da produção dos agricultores familiares diretamente ao público. Também disponibiliza diferenciais como serviços gratuitos na área da cidadania e palestras sobre temas em destaque no campo. A palestra sobre Cadastro Ambiental Rural, por exemplo, ministrada pelos secretários Bruno Covas, do Meio Ambiente, e Mônika Bergamaschi, da Agricultura, lotou o auditório central da feira.

O presidente da Fetaesp e idealizador da Agrifam, Braz Albertini, avaliou os resultados como positivos. "Os agricultores puderam conferir um extenso panorama de tecnologias em conhecimentos e produtos que serão revertidos para o desenvolvimento de sua atividade. Os expositores reforçaram suas marcas junto aos visitantes e ainda realizaram bons negócios", destacou. "O público também gostou, pois dificil mente vi alguém saindo sem uma sacola com algo comprado nas áreas de comercialização de produtos da agroindústria, que atende principalmente o público urbano que nos visita".

Morador de Lençóis Paulista, Antônio Grecco visitou a feira pela primeira vez e saiu com as mãos cheias de mudas. "Tenho uma chácara de um alqueire e quero complementar meu pomar", justificou. Aldo Lopes, professor na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, visitou a feira após ver reportagem sobre uma microdestilaria de etanol e cachaça que pode ser montada em pequenas propriedades. Ele levou alunos e agricultores para ver o maquinário em funcionamento. "Tenho plena convicção que essa microdestilaria é uma forma de produzir alimento, energia, melhorar a renda, fixar o homem no campo e dar-lhe uma condição digna de vida", explicou, e revelou que pretende promover a instalação de um modelo na universidade para disseminar esta tecnologia.

A feira é também uma ótima oportunidade para a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) apresentar alguns de seus trabalhos voltados a pequenos e médios produtores. A empresa expôs variedades de plantas, tecnologias de cultivo, formas de agregação de valor aos produtos, sanidade animal e palestra com temáticas econômicas. Entre as tecnologias de cultivo, a empresa mostrou a que conseguiu reduzir em 40% os custos de produção do biofertilizante japonês bokashi, a partir da substituição de alguns componentes, como o farelo de soja pelo de mamona e a farinha de peixe industrializada pelas sobras das limpezas de peixes frescos das peixarias. O farelo de arroz, usado no biofetilizante tradicional, foi substituído por resíduos da indústria de fécula e fritas de batata. Este avanço fará com que os produtores de tomate orgânico passem a produzir mais.

Invenções premiadas — A adaptação de uma bomba costal de 20 litros para pulverização por meio de um motor elétrico foi o invento escolhido pela votação popular no Concurso Inventor Rural. O vencedor, Gumercindo Marcelino, de São Pedro do Turvo/SP, levou para casa o troféu e R$ 3 mil. O segundo colocado da premiação aguçou Cesar Ramos o paladar do público, já que seu invento, uma churrasqueira a álcool feita de disco de arado que não usa carvão, é de fácil produção e adequada ao quesito sustentabilidade. O inventor foi José Maria Paião, de Rancharia/SP, que ganhou troféu e R$ 2 mil. Já Deomedes Fernandes da Silva Filho, de Campinas/ SP, ficou com a terceira colocação e a quantia de R$ 1,2 mil pela criação de uma bomba de água acionada por bombeamento. Por meio de uma placa de ajuste de peso, o próprio animal pode acionar a liberação da água.

Silva Filho, Marcelino e Paião: os inventores amadores ganharam premiação em dinheiro e troféus