Fenabrave

 

O megaencontro do setor AUTOMOTIVO

Organizados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, maiores eventos do segmento de distribuição automotiva se realizam de 7 a 9 de agosto, em São Paulo, e já têm programações definidas e inscrições abertas

A 23ª edição do Congresso Fenabrave e da ExpoFenabrave, eventos organizados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, ocorrem dias 7, 8 e 9 de agosto, em São Paulo, no Pavilhão Azul do Expo Center Norte. Direcionados à distribuição automotiva, os eventos têm temática estruturada por setores, que contemplam todos os segmentos automotivos: automóveis e comerciais leves, motos, caminhões e ônibus, tratores e máquinas agrícolas e implementos rodoviários. A programação traz palestrantes nacionais e internacionais, palestras magnas, workshops e mesasredondas voltadas aos donos das concessionárias e a suas equipes. Os destaques deste ano são os seminários de F&I (financiamentos e seguros) e Recursos Humanos, focados no novo contexto das concessionárias, na gestão das equipes e nas negociações com o consumidor, e que terão duração de meio período cada, permitindo melhor aproveitamento dos temas pelos participantes.

Como parte da programação temática, os participantes terão acesso a informações importantes sobre tendências econômicas e setoriais, assim como ferramentas de gestão que facilitam a operação das empresas ligadas ao setor. Simultaneamente ao Congresso Fenabrave, ocorre a ExpoFenabrave, feira que contará com mais de 100 expositores que apresentarão produtos e serviços ao setor, desde montadoras, empresas de tecnologia, F&I, acessórios, entre outros.

A expectativa dos organizadores é receber mais de 3 mil concessionários e 100 marcas expositoras. "Representamos um público altamente qualificado e economicamente muito forte. Hoje, somos mais de 7 mil concessionárias no Brasil que, juntas, representam 5,7% do PIB Nacional. São, em sua maioria, empresas de médio e pequeno porte, que vêm ao Congresso Fenabrave para aprimorar e encontrar novas soluções para o desenvolvimento deste importante negócio, assim como trocar experiências com outros empresários do setor", explica Flávio Meneghetti, presidente da Fenabrave. Segundo ele, o setor da distribuição deve estar constantemente atento às tendências e inovações do mercado, e os eventos realizados pela Fenabrave são condutores nesse sentido. "É como um médico que deve estar sempre participando de congressos para se atualizar. Também os concessionários e suas equipes devem estar, permanentemente, atualizados", complementa Meneghetti.

Realizado anualmente, o Congresso Fenabrave é palco de discussão e compartilhamento de informações sobre as mais modernas e diferenciadas ferramentas de gestão para a distribuição de veículos. Serão cerca de 40 palestras que debaterão temas globais como economia, F&I, recursos humanos, negociação, internet e também temas específicos para cada um dos segmentos. Entre os palestrantes confirmados estão o especialista em gestão, Vicente Falconi, responsável pela palestra magna do evento; o assessor do BNDES Samy Kopit, que debaterá as linhas de crédito para o setor; o vicepresidente da consultoria americana JD Power, Charles Mills, que mostrará a sua visão ampla e profissional do mercado automotivo; o economista Ricardo Amorim, que discutirá as oportunidades e riscos do crescimento econômico para o setor; o consultor de marketing e vendas Wilson Britto, que falará sobre estratégias de marketing e vendas para o concessionário; e Thomas Schmall, presidente da Volkswagen do Brasil e da Câmara Brasil-Alemanha, que compartilhará sua visão sobre o futuro da distribuição de automóveis e comerciais leves.

Fundada em 1965 como Abrave, a Fenabrave – como passou a ser denominada a partir de 1989 – é uma entidade que representa, por meio de 50 associações de marca, mais de 7 mil concessionários de todos os segmentos automotivos (automóveis e comerciais leves, caminhões, ônibus e implementos rodoviários, motocicletas, tratores e máquinas agrícolas). O setor da distribuição automotiva responde pela geração direta de mais de 390 mil empregos diretos em todo o território nacional. O 23º Congresso Fenabrave e a ExpoFenabrave contam com o Patrocínio Máster do Banco Itaú, que apoia o evento pela sexta vez consecutiva. As empresas Assurant, F&I Brasil, Usebens, Indiana Seguros, JM&A Brasil e Resource Automotive são Patrocinadores Gold e, como Patrocinador Silver, está confirmada a presença da Dealernet. Como apoiador, está confirmado o Grupo Disal. Mais informações em www.congresso-fenabrave.com.br.


PRESENÇA DO SEGMENTO AGRÍCOLA NO EVENTO

SEGMENTO AGRÍCOLA NO EVENTO O empresário Marcelo Kozar (foto) notabilizou-se por desenvolver e divulgar o Índice de Preços de Máquinas Agrícolas (IPMA) – primeira matriz matemática desenvolvida para apurar o valor referencial de máquinas e equipamentos agrícolas usados, utilizado mensalmente n'A Granja no espaço Tratores, Colheitadeiras & Pulverizadores. Há dois anos como diretor executivo do Grupo Via Máquinas, ele comanda hoje o monitoramento nacional de 1.200 equipamentos, entre tratores, colheitadeiras e pulverizadores. Através das ferramentas estatísticas e de análise que desenvolveu, promove uma radical reforma no modo em que os concessionários de máquinas agrícolas estão conduzindo seus processos de "trade in", palavra em inglês para o comércio que envolva recebimento de produto como parte do pagamento.

Kozar será um dos palestrantes no Congresso Fenabrave e falará sobre o mercado de equipamentos usados. "É uma oportunidade única de conversar de forma franca e direta com todos os revendedores e empresas que em suas atividades contemplam equipamentos usados, seja direta ou indiretamente", explica. "Acredito que quanto maior for o entendimento do mercado de usados no Brasil, menores serão os riscos inerentes a esta atividade. Somente assim poderemos tirar este mercado bilionário da margem do mercado formal", prossegue. "Costumo dizer que o mercado de usados é do mesmo tamanho do mercado de novos, só que acumulado ano a ano. Em um determinado momento, o equipamento novo de hoje será negociado como usado, é inevitável. Como os equipamentos agrícolas são máquinas e não veículos, interferência como design ou modismo não afetam tanto como no seguimento de automóveis, o que garante a estes equipamentos uma vida útil muito maior, de dez anos ou mais."