Especial - A Revolução em três letras: SPD

 

Sairam os arados e grades, entraram as pessoas

O plantio direto é feito de solo, microrganismos, poros, umidade, plantas de cobertura, palhada, plantadeiras e toda uma infinidade de elementos que compõem o sistema e o tornam tão reverenciado e fundamental. Mas, sobretudo, o sistema que revolucionou a agricultura brasileira e a catapultou a uma das mais eficientes do mundo é feito de pessoas como as que compõem e contribuíram com o especial publicado nas páginas a seguir. A edição do 68º aniversário d’A Granja se propõe fazer uma homenagem à técnica de plantio que transformou a agricultura brasileira, mas, sobretudo, àqueles que foram e são os responsáveis diretos desta virada. Desde os precursores Herbert Bartz, Nonô Pereira e Franke Dijkstra, homens arrojados que importaram e aperfeiçoaram a ideia do plantio direto, até os personagens que se somaram a eles, pesquisadores e propagadores da técnica.

Esta edição mescla relatos de histórias humanas fantásticas, heroicas, como a do “alemão louco” Bartz, até reportagens e artigos técnicos e didáticos que esclarecem vias e maneiras do plantio direto ser executado corretamente. Sem deixar de abordar, de argumentar, porque, afinal, o plantio direto é tido como um sistema tão importante para a sustentabilidade da agricultura – e do produtor. São entrevistas e artigos que muito contribuíram com o propósito da revista de prestar um tributo ao sistema plantio direto, cuja relevância à agricultura brasileira – e, sobretudo, às mesas dos brasileiros – ninguém contesta e pode ser conferida nas linhas e entrelinhas do especial. Se a agricultura brasileira ainda existe por causa do plantio direto, A Granja, a revista em circulação mais antiga do país, também não deixa de ser imensamente grata a esta técnica e a seus protagonistas.