Capacitação

 

Operador TREINADO faz a lavoura render mais

Empresas de máquinas e equipamentos oferecem cursos inclusive por meio de convênios com instituições e até pela internet para ensinar os operadores a usufruir o máximo da tecnologia entregue na compra

Luiz Silva

Foi-se o tempo em que o vendedor de um concessionário de máquinas agrícolas vendia um trator, uma colheitadeira ou outro equipamento agrícola e esquecia o nome e a fisionomia do cliente. Era uma época em que usava o material fornecido pelo fabricante para convencer o comprador que, muitas vezes, tinha que pagar alguém para ensinar o funcionário a manejar a máquina. Com a crescente tecnologia das máquinas e o incremento na concorrência, o pós-venda é uma preocupação constante das empresas de máquinas agrícolas. Tão ou mais importante que a venda.

Hoje, as empresas estão fazendo cursos e realizando convênios com instituições empresariais, sindicais e de ensino visando disseminar treinamentos. O objetivo é ensinar um operador a manejar uma máquina ou equipamento e ao comprador a atuar na manutenção de produtos com alta tecnologia. As empresas possibilitam muitas horas para treinamento ao longo do ano, especialmente porque estão contando com avanços tecnológicos também na área da capacitação.

Uma das boas novidades é a utilização da internet: muitos grupos realizam cursos online, envolvendo funcionários seus, das empresas concessionárias e até operadores. Algumas chegaram a treinar mais de 10 mil pessoas por este meio. É uma rede não imaginada em anos recentes e que facilitou muito. Antes, era necessário deslocar pessoas para um determinado local, o que implicava em gastos extras. Hoje, muitas se reúnem ao mesmo tempo em diferentes locais do Brasil. A seguir, uma síntese do que as algumas empresas oferecem.


AGCO MANTÉM UNIDADE DE TREINAMENTO MÓVEL

A preocupação dos fabricantes de produtos Massey Ferguson e Valtra, marcas da AGCO, com o pós-venda é tão grande que foi criado um segmento específico para tratar do modo como os clientes estão lidando com suas máquinas e como as concessionárias fazem revisões e manutenções. Trata-se da AGCO Academy, de onde saem todos os investimentos em capacitação. Uma das recentes inovações é a Unidade Móvel de Treinamento, que integra o Projeto Semear Conhecimento, fruto de parceria desenvolvida com o Senai/MS. “A formação de operadores e mecânicos de máquinas agrícolas permitirá uma redução dos custos de manutenção dos equipamentos, reduzindo desgastes e aumentando a produtividade”, explica Alexandre Landgraf, gerente da AGCO Academy. Todos os cursos serão ministrados no Centro de Capacitação AGCO/Senai em Dourados/MS.

No momento, a AGCO Academy está promovendo cursos de ensino à distância com aulas online a fim de qualificar todos os profissionais da rede de concessionárias. Esses treinamentos estão abordando toda a gama de produtos do grupo: tratores, colheitadeiras, implementos, pulverizadores, enfardadoras equipamentos para agricultura de precisão. Landgraf revela que em 2012 foram formadas 10 mil pessoas pelo sistema online. São duas horas diárias de aprendizagem para funcionários do grupo e empregados das concessionárias.


CNH AMPLIA CENTROS DE TREINAMENTOS

Em 2012, os Centros de Treinamento da CNH América Latina receberam mais de 7 mil alunos nos quatro centros do Brasil, localizados em Piracicaba/SP, Curitiba, Cuiabá e Contagem/MG, além de Garin (Argentina). Além dos treinamentos presenciais, há também os cursos online, que consistem em vídeos técnicos por meio dos quais o operador ou mecânico pode ter um treinamento básico via internet. A capacitação é destinada para operadores de máquinas, técnicos e vendedores dos concessionários das marcas Case e New Holland, Agrícola e Construção. “A participação do pessoal das fábricas e das concessionárias é fundamental para o auxílio dos produtores e operadores”, diz Giancarlo Kimmel, coordenador de Treinamentos Técnicos da Case IH e New Holland. “Nós contratamos dez instrutores técnicos, dobrando nossa equipe. O CT, em 2012, forneceu um aumento de 25% na oferta de treinamentos técnicos, afirma Kimmel.

Para realizar a inscrição para treinamentos, acompanhar a agenda de cursos e para a realização de cursos online, a Case New Holland desenvolveu o Web University, uma plataforma online voltada aos profissionais da rede, ao público interno da empresa e aos clientes. “É uma ferramenta poderosa, capaz de melhorar e avaliar o conhecimento sobre os produtos da marca e ainda preparar cada profissional para ser um multiplicador deste conhecimento”, explica José Roberto Camargo, coordenador de Treinamento Comercial da Case IH.


JACTO JÁ OFERECE CURSO HÁ 30 ANOS

Os cursos de capacitação na Jacto iniciaram há aproximadamente 30 anos e levam até um slogan: “Com Jacto, Cliente Feliz”. “O desenvolvimento de novas tecnologias, máquinas e produtos de ponta de nada adianta se quem irá utilizá-los não tiver profundo conhecimento destes, sendo que a capacitação deste profissional é essencial para sucesso do produto e satisfação de nossos clientes”, justifica Rafael Arcuri Neto, coordenador de Treinamento da Jacto/Divisão Agrícola,

Segundo ele, os treinamentos para operadores são realizados durante a entressafra da cultura, período em que o agricultor está com menor demanda de atividades na fazenda. Cada região ou cultura tem uma “janela” diferente e, com isso, a empresa, tem demanda de treinamentos durante todo o ano. Os cursos são divididos por linha de produto, sendo os seguintes: operadores de Uniport (pulverizadores automotriz), de colhedoras de café, de pulverizadores de barra (pulverizadores tratorizados de barra) e de turboatomizadores (linha pulverizadores para fruticultura e culturas perenes). Além disso, existe treinamento para operadores da linha de agricultura de precisão (barra de luzes, piloto automático, fechamento automático de seções, mapas de pulverização, mapas de colheita). São voltados para clientes Jacto, independente da “idade” do equipamento que eles possuem.


JOHN DEERE CAPACITA INTRUTORES-MULTIPLICADORES

A John Deere mantém convênio com o Senar (para colheitadeiras e tratores) em alguns estados, com destaque para Mato Grosso. Darci Teixeira, gerente de Treinamento para o Brasil, explica que o projeto teve início há sete anos e ganhou impulso nos últimos dois, quando foi assinado convênio com o Senar. Trata-se de um programa de responsabilidade social para preparar operadores de colheitadeiras de grãos em diversas cidades pequenas que não têm mão de obra qualificada. Com os resultados, foi possível ampliar o foco. Hoje, a John Deere está com convênio também com o Senai de Ribeirão Preto/SP e de Goiânia. O foco principal tem sido em preparar as mais de 250 concessionárias espalhadas pelo Brasil por meio da capacitação de “instrutores-multiplicadores”. Também são feitos treinamentos de “especialistas” dos clientes por produtos, que também servem de multiplicadores nos cursos de operações, dentro das usinas ou fazendas.

A empresa também realiza diversos treinamentos para a rede de concessionários através da John Deere University (JDU), que é uma espécie de universidade corporativa. Também realiza os programas “Master em AMS” todos os anos, desde 2008, com o objetivo de preparar a rede de concessionários com o que tem de mais avançado em agricultura de precisão. Recentemente, a empresa fez, com o Centro Universitário Moura Lacerda (Ribeirão Preto) e com a PUC-Goiânia, treinamentos para a rede de concessionários, clientes e também alunos e professores das duas instituições.


METALFOR: CAPACITAÇÃO PARA DAR RESPOSTA AO CLIENTE

A Metalfor implantou os cursos na sua fundação em 2001, com modificações e adaptações nos anos seguintes. Para Gustavo Martin Pastura, gerente de Produção, o curso é fundamental para a capacitação dos técnicos das revendas, dos técnicos internos e dos operadores das máquinas. Os cursos são realizados ao longo do ano, sendo de diversos enfoques: funcionamento e manutenção dos equipamentos, tecnologias de aplicação, GPS, controladores, cortes de seções e pilotos hidráulicos. São feitos na planta industrial e nas revendas de todo o país.

Pastura diz que um curso para técnico das revendas tem uma duração aproximada de 40 horas, sendo dividido nas partes teórica e prática. O curso para operador de máquinas tem uma duração aproximada de 20 horas, também envolvendo teoria e prática. Em um curso para técnico, são ministradas noções sobre a máquina, tanto na parte de pulverização como na mecânica em geral. “O técnico sai capacitado para dar qualquer tipo de resposta para o cliente, o que é fundamental para a empresa. O cliente deve de ter uma resposta ou solução o mais rápido possível”, ressalta o dirigente.


STARA CRIOU O CENTRO DE TREINAMENTO PARA TÉCNICOS

O projeto Centro de Treinamento Stara (CTS) iniciou em 2006 com objetivo de treinar técnicos de revendas, visando dar suporte qualificado ao produtor. A grande demanda de treinamentos se deve ao grau de tecnologia embarcada nos produtos Stara e também ao aumento constante da linha de produtos. De acordo com Éder Sepulveda, gerente do Projeto Manejo Avançado Stara (MAS) e CTS, atualmente o Centro treina, além de técnicos das revendas, os instrutores do MAS, que surgiu em 2011 com o objetivo de integrar todas as atividades da lavoura em um único equipamento, o Topper 4500, que divulga os resultados e ganhos da agricultura de precisão por meio dos equipamentos e produtos Stara.

Os treinamentos são divididos em dois tipos, sendo um diretamente com os técnicos do MAS. Eles são responsáveis por fornecer treinamento para os operadores junto às concessionárias Stara. Sepulveda informa que, neste ano, foram mais de 700 operadores treinados, de todo o Brasil, em cursos de aproximadamente 16 horas, em teoria e prática, nos quais são explicados o funcionamento da máquina, as manutenções básicas, guias práticos e dinâmicas, voltados a produtos de alta tecnologia, como os autopropelidos, e taxas variáveis. Outro tipo de treinamento está conveniado ao Senar via sindicato rural. O tempo de duração é de 10 a 20 horas, e os interessados normalmente são estudantes, mecânicos e técnicos.


SEMEATO FOCA NA BOA UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO

Na Semeato, os treinamentos são direcionados de acordo com o público-alvo. Conforme Eduardo Copetti, gerente de Desenvolvimento de Mercado e Produto, são oferecidos treinamentos comerciais, destinados às equipes de vendedores dos revendedores Semeato, e treinamentos técnicos, aos técnicos e mecânicos dos revendedores, além dos operadores das máquinas. “Com relação aos cursos para operadores, o foco sempre foi a correta utilização do equipamento. Nossa intenção com esse tipo de trabalho é fazer com que os usuários dos nossos equipamentos possam utilizá-lo de forma correta, obtendo todos os benefícios técnicos que o produto oferece”, destaca Copetti.

O usuário tem que saber “aproveitar” tudo o que a máquina oferece. Tem que saber todas as regulagens e calibrações para que a máquina possa desempenhar todas as suas funções de maneira correta, nas diferentes condições de solo, umidade e palhadas. Isso só se consegue pela capacitação das pessoas que estarão operando os equipamentos. De acordo com Copetti, os cursos para operadores são extremamente práticos, com simulações de condições de trabalho nas quais são feitas todas as regulagens e calibrações necessárias para o bom desempenho da máquina.