Reportagem de Capa

Os CRAQUES da lavoura

Produtor Demétrio Guimarães Parreira: área do concurso teve rentabilidade excepcional e superior ao lucro do algodão

Variável imprescindível para a rentabilidade da atividade agrícola, a produtividade depende de uma série de fatores para crescer. O clima, sem dúvida, está na lista dos mais influentes. No entanto, é na mão do produtor que está a possibilidade para um incremento sustentável e constante. Para mostrar que o Brasil tem potencial para ampliar seus índices, A Granja ouviu cinco produtores que são verdadeiros craques na lavoura. São os vencedores da última edição do Desafio Nacional de Máxima Produtividade, promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb). Veja o que eles têm para contar e, principalmente, o que aprenderam participando do concurso

Denise Saueressig - [email protected]

Na safra 2011/2012, a estiagem que afetou lavouras do Sul prejudicou a produtividade média da soja no Brasil. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o rendimento foi de 2.651 quilos por hectare, 14,9% inferior ao recorde de 3.115 quilos por hectare obtido na temporada anterior. Mas essa média abaixo das expectativas passou longe de muitas propriedades do país. Em diferentes regiões, produtores conseguiram, com tecnologia e empenho, tirar o máximo proveito da terra e conquistar ótimos índices de rendimento. Entre eles, estão os vencedores do Desafio Nacional de Máxima Produtividade, concurso promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb).

Há três safras, o Cesb premia cinco produtores e seus consultores. Um troféu é concedido ao vencedor da categoria soja irrigada e os outros quatro, aos concorrentes na categoria soja não irrigada, que reconhece um produtor por região – Sul, Sudeste, Centro- Oeste e Norte/Nordeste. Os vencedores também participam de uma viagem técnica aos Estados Unidos, em roteiro que inclui visitas a fazendas, centros de tecnologia, universidades e à Bolsa de Chicago.

O Cesb tem como objetivo elevar a produtividade média para 4 mil quilos por hectare, até 2015, nas áreas do Cerrado e, até 2020, nas demais regiões. “Sabemos que o potencial das lavouras brasileiras é bem maior do que vem sendo colhido, assim como sabemos que há limitantes que travam o incremento. No entanto, ano após ano, entre os participantes do desafio, aumenta o número de produtores que conseguem produzir mais de 90 sacas por hectare”, destaca o presidente do comitê, Orlando Martins.

Campeão da região Norte/Nordeste e também vencedor nacional, por somar a mais alta produtividade da safra 2011/2012, o produtor Demétrio Guimarães Parreira, de Correntina/BA, obteve 108,71 sacas de soja por hectare em um lote de 10 hectares inscritos e de 4,55 hectares colhidos. Mineiro de Uberlândia, ele está na Bahia há nove anos, onde cultiva soja e milho em 3 mil hectares. Um dos fatores responsáveis pelo rendimento surpreendente de 6.522,6 quilos por hectare foi a chuva sobre a lavoura, explica o agricultor. “O aproveitamento e o armazenamento da água também foi facilitado pela espessa cobertura de restos culturais e por um sistema radicular desenvolvido e profundo”, conta.

Plantio cruzado e rotação — Com o auxílio do consultor técnico Ivair Gomes, uma das técnicas utilizadas pelo produtor da Bahia foi o plantio cruzado, que aumenta o número de plantas e realiza a operação de plantio em dois momentos, em direções opostas, sobre a mesma área. Normalmente, Parreira faz o cultivo com 160 mil plantas por hectare, mas com a técnica do plantio cruzado, na área inscrita no concurso, o número passou para 300 mil plantas por hectare.

Como parte do manejo, o agricultor também utilizou produtos específicos reguladores de crescimento para evitar o acamamento. Também foi incrementada a adubação com potássio e fósforo em pré-plantio. Na cobertura, foi usada ureia com aplicação a lanço. O volume foi de 100 quilos por hectare, no início de março, depois de uma chuva de 38 mm.

O cultivo adensado também favorece a incidência de algumas doenças devido à maior umidade do ambiente produtivo. Por isso, Parreira optou por antecipar o controle com fungicidas como forma de prevenção. “Outra razão para o bom resultado foi o plantio feito sobre a palha do milho que havia sido cultivado na safra anterior. A palhada ajuda a formar uma barreira natural contra o fungo do mofo branco, por exemplo”, acrescenta.

O produtor procura seguir um sistema disciplinado de cultivo entre a soja e o milho. Pelas condições climáticas, a região limita uma segunda safra comercial, o que torna ainda mais importante a rotação da oleaginosa com o cereal. “Plantamos a soja por dois anos e, no terceiro ciclo, plantamos o milho, que é cultivado de forma consorciada com a Brachiaria ruziziensis”, detalha. “Notamos, aqui na região, que a rotação ainda é deixada de lado por muitos produtores, mas é preciso pensar mais no lado agronômico do que no lado econômico”, completa.

Em Cruz Alta/RS, Felipe Nogueira (à esq.) e Tiago Rubert (ao centro) acompanham o trabalho do auditor de colheita do Cesb

Outro ponto forte da sua produção, segundo Parreira, é a utilização de sementes certificadas e de qualidade. “Na Bahia, o uso de sementes salvas ainda é bem comum, pelas condições de altitude, que favorecem a qualidade. No entanto, eu prefiro investir em um material atestado, que representa apenas 5% do custo de produção. Considero que a semente representa o início de uma safra de sucesso”, ressalta.

O cálculo de rentabilidade foi positivo na área inscrita para o desafio. O produtor faz a avaliação: na área comercial, o custo de produção foi de R$ 1,6 mil por hectare, e a produtividade média, de 63 sacas por hectare. Considerando o custo por hectare em torno de 26,66 sacas e a venda da saca a R$ 60, o lucro líquido é de R$ 2.180 por hectare.

Na área vencedora do concurso, o custo somou R$ 1.911 por hectare, ou seja, 31,85 sacas. Com o rendimento de 108,71 sacas por hectare e o preço da saca a R$ 60, a rentabilidade é de R$ 4.611 por hectare. “É um número excepcional e superior ao lucro obtido em lavouras de algodão”, compara. “Para as próximas safras, a intenção é aperfeiçoar o sistema e corrigir o que achamos que não teve o resultado esperado”, informa.

Água e adubo para a região da estiagem — O vencedor da categoria soja irrigada está justamente numa das regiões do país que mais precisou de água na última safra. Cruz Alta, no noroeste do Rio Grande do Sul, onde a soja é a principal cultura, chegou a ficar 60 dias sem chuvas expressivas em períodos críticos da lavoura.

Mas na Agropecuária São Felipe, que faz parte da Terra Boa Agrícola, a água dos pivôs cuidou de parte da plantação. A produtividade na parcela inscrita para o concurso do Cesb foi de 102,6 sacas por hectare, ou 6.156 quilos. O plantio foi feito sobre uma área que havia recebido milho na safra anterior e trigo no cultivo de inverno, e recebeu doses extras de ureia, descreve o engenheiro agrônomo Felipe Rubert Nogueira, primo e consultor técnico do produtor Tiago Librelotto Rubert. “Nossos cálculos mostraram a viabilidade do sistema, já que a receita líquida, em comparação com a área comercial, foi superior em R$ 800, considerando um valor de R$ 50 para a saca da soja. Se pensarmos nos preços de hoje, a receita seria de quase R$ 1 mil a mais”, analisa.

O plantio foi realizado entre os dias 18 e 20 de novembro de 2011, com densidade de 400 mil sementes por hectare. A adubação no plantio – nitrogênio, fósforo e potássio – foi de 500 quilos por hectare, e a adubação de cobertura foi de 180 quilos por hectare de cloreto de potássio. Em 5 de dezembro (estágio V3), foi feita uma aplicação de 200 quilos por hectare de fertilizante nitrogenado, e uma nova aplicação do mesmo volume foi feita em 25 de janeiro (estágio R2).

Normalmente, a produtividade média nas áreas irrigadas da empresa é de 70 sacas por hectare, com recorde de 82 sacas. Nas parcelas não irrigadas, devido à estiagem, a última safra somou apenas 35 sacas por hectare. “Em anos de clima favorável, já chegamos a colher 80 sacas nas lavouras de sequeiro”, lembra Nogueira.

As boas safras se devem a uma série de fatores, garante o consultor. O cultivo inclui a rotação de culturas, o uso de sementes certificadas e tratadas, um bom manejo nutricional e o controle sempre preventivo de pragas e doenças. “Também não abrimos mão de monitorar periodicamente a lavoura, observando se há presença de pragas e doenças. Outro detalhe importante é a nutrição da planta e, no caso de percebermos deficiências, complementamos com aplicação foliares. Também prestamos muita atenção à previsão do tempo para ajudar na tomada de decisões”, cita.

O agrônomo considera uma lição a participação no concurso do Cesb. “Aprendemos a desafiar os nossos limites de produção e procuramos acrescentar alguma técnica que aumente a produtividade da soja e seja economicamente viável. Nesta última safra observamos que o uso de nitrogênio em soja pode ser viável se este for aplicado em área que estava cultivada com trigo no inverno, pois esta cultura deixa uma relação C/N (carbono/nitrogênio) desfavorável para a soja, imobilizando muito nitrogênio na palha de trigo que ainda não entrou em decomposição”, explica.

Na próxima safra, Felipe e o primo Tiago pretendem inscrever duas áreas no concurso. Uma delas será de cultivo em sequeiro e a outra, irrigada. A intenção, entre outras práticas, é diminuir o espaçamento entrelinhas dos habituais 45 centímetros para 25 centímetros e aumentar em 15% a população de plantas. No total, a Terra Boa Agrícola cultiva 2,6 mil hectares com soja, 500 hectares com milho e 200 hectares com feijão na safra de verão.

Retorno que vem do cuidado com o solo — Um investimento de 30 anos na saúde do solo rende frutos ao produtor Ely de Azambuja Germano Neto, de Arapoti/PR. A Fazenda Mutuca, que ele administra ao lado do pai, José Bento Germano, foi a vencedora do desafio do Cesb na Região Sul e obteve a segunda colocação na classificação geral.

A colheita rendeu 103,11 sacas por hectare, ou 6.186 quilos, na parcela inscrita de 7,6 hectares. A adubação reforçada foi um dos poucos diferenciais da área, que recebeu 300 quilos por hectare de 02-28-00 (N-P-K) no plantio, que foi feito com espaçamento de 40 centímetros entrelinhas. A aplicação de calcário foi de 2.500 quilos por hectare, e a adubação de cobertura, de 150 quilos de cloreto de potássio por hectare. “O controle de problemas sanitários sempre é preventivo, para antecipação ao dano”, declara o produtor. O clima também ajudou. A estiagem, que durou cerca de 30 dias na região, ocorreu durante a fase vegetativa da planta. Já na época reprodutiva, a chuva foi satisfatória.

Analisando as contas, Germano Neto e o consultor técnico Ivo Claudino Frare concluem que vale a pena investir em maiores rendimentos. O custo do hectare da lavoura inscrita no concurso foi de R$ 2.588, enquanto o custo na área comercial foi de R$ 2.228. “Considerando o preço médio da soja em R$ 65 a saca, o lucro líquido é cerca de R$ 1 mil superior na parcela com a maior produtividade”, sustenta.

O produtor paranaense sabe que na propriedade há talhões mais produtivos e os menos produtivos. O plano, segundo ele, é tentar aproximar as parcelas menos rentáveis das mais rentáveis. “Não existem fórmulas ou receitas prontas. A questão é diminuir os problemas e monitorar constantemente a situação do solo para suprir as necessidades que a exploração contínua provoca. Afinal, queremos deixar para as próximas gerações uma terra em melhores condições e não mais desgastada”, salienta.

A Mutuca cultiva 2,6 mil hectares com soja e milho no verão e trigo e forrageiras no inverno. Na última safra, a produtividade média, na soja, foi de 4,5 mil quilos por hectare e, no milho, de 12,5 mil quilos por hectare. “Mesmo quando há falta de chuva, oferecemos as condições necessárias para que a planta consiga buscar água em profundidades de até 1 metro”, assinala Germano Neto. Além de fazer análise do solo duas vezes por ano, o agricultor monitora a umidade do terreno e não deixa de utilizar calcário, gesso, lama de cal e cama de frango na terra.

O plantio da lavoura de verão segue um esquema de rotação sempre que o cultivo entre a soja e o milho é dividido igualmente. De uma safra para a outra, a soja ocupa o lugar que foi do milho e vice-versa, com pequenas variações apenas quando as condições do mercado exigem outra postura. A produtividade da oleaginosa chega a ser entre 300 e 500 quilos mais alta nas áreas onde anteriormente foi plantado o milho.

Na opinião do produtor paranaense, muitos agricultores que reclamam de suas baixas produtividades esquecem de realizar tarefas básicas nas suas propriedades. “Por exemplo: a agricultura de precisão é uma ferramenta interessante e valiosa, mas que não terá os resultados esperados se não for conduzido um manejo de rotação, que produza a palhada e amplie o teor de matéria orgânica no solo”, frisa.

Ely de Azambuja Germano Neto, de Arapoti/PR: trigo e forrageiras no inverno e rotação entre soja e milho no verão

Criação de suínos é parceira da lavoura — Um dos diferenciais da lavoura do vencedor da Região Sudeste é o adubo proveniente da granja de suínos mantida na propriedade. Na Fazenda Ponte Alta, em Itararé/SP, os dejetos gerados pelas 1.650 matrizes ajudam a nutrir a terra. Na área de seis hectares inscrita para o desafio do Cesb, o produtor Frederik Jacobus Wolters e seu consultor técnico Tiaki Umeda utilizaram 140 metros cúbicos de esterco suíno por hectare. O volume é o dobro do que eles utilizam normalmente como adubação da lavoura.

Os 400 hectares cultivados com soja, milho, feijão, trigo e sorgo na propriedade não recebem fertilizantes químicos, apenas complementação com nitrogênio. São utilizados 70 m3 de esterco por hectare, sendo que entre 2% e 4% de cada m3 é formado por matéria seca. “Como temos o biodigestor, conseguimos reduzir os custos da lavoura e, ao mesmo tempo, dar uma destinação correta para os resíduos da granja. Por outro lado, uma grande parte dos grãos produzidos é usada para fabricar a ração dos animais”, relata Wolters.

Produtor Frederik Jacobus Wolters, de Itararé/SP: agricultura de precisão permitiu a correção de áreas menos produtivas

Apesar da alta produtividade da parcela inscrita no concurso – 83,89 sacas por hectare, ou 5.033,4 quilos –, o produtor paulista esperava mais da área. O resultado ficou abaixo da expectativa devido à variedade utilizada no talhão onde foi feito o plantio cruzado, com aumento de 50% na população de plantas. “Resolvemos experimentar a técnica, mas nos equivocamos na escolha da semente. Houve competição por luz e o terço inferior não produziu vagens. Foi um aprendizado importante, e decidimos não fazer o plantio cruzado na próxima safra”, revela Wolters.

Nos 152 hectares cultivados com soja na última safra na Fazenda Ponte Alta, a média de produtividade foi de 78 sacas por hectare. Considerando as terras arrendadas pela família em outras propriedades, a oleaginosa foi plantada em 1,2 mil hectares, e o rendimento médio foi de 66 sacas por hectare, ou 3.960 quilos. “Há cinco anos, nossa produtividade era de 59 sacas por hectare. Acreditamos que a evolução aconteceu por diversos fatores. Um deles foi a adoção da agricultura de precisão, que permitiu a correção de áreas menos produtivas e uma economia de 50% no uso de adubos, que representam em torno de 20% dos custos totais”, esclarece.

Produtor Edmilson Ribeiro Santana, de Uruaçu/GO: plantio direto ajudou a incrementar a produtividade da lavoura

No cálculo de rentabilidade, a área total cultivada por Wolters somou resultado de R$ 1,6 mil por hectare, enquanto a parcela do Cesb gerou lucro de R$ 2,1 mil por hectare. “A nossa primeira conclusão, participando do desafio, é que podemos produzir muito mais explorando de forma mais eficiente a terra. Consideramos que aumentar o capricho em manejos simples, como o momento do plantio, da colheita e da aplicação de defensivos, já pode ajudar a incrementar os rendimentos. Também precisamos investir em variedades novas e intensificar o acompanhamento da lavoura”, enumera. Entre as práticas frequentes adotadas pelo produtor de Itararé estão o plantio direto e a rotação de culturas em todas as áreas. Diferentes esquemas são adotados no cultivo e, segundo ele, promovem um melhor controle de pragas e doenças.

Evolução com o plantio direto — A técnica do plantio direto é parceira incontestável da alta produtividade na Fazenda Macacos, em Uruaçu/GO. Antes da utilização do sistema, que foi adotado no início dos anos 2000, o rendimento da lavoura de soja ficava em torno de 60 sacas por hectare. Hoje, a média é de 72,3 sacas por hectare, e a máxima que foi obtida chegou a 76,5 sacas.

Produtores e consultores vencedores visitaram Chicago em agosto, como parte da premiação no desafio do Cesb

Os irmãos Edmilson e Fabiano Ribeiro Santana, com a ajuda do consultor técnico Carlos Garcia de Moraes Filho, conquistaram o troféu do Cesb na Região Centro-Oeste, com produtividade de 89,85 sacas por hectare, ou 5.391 quilos, na parcela colhida de 7,34 hectares. O aumento da produtividade, de 17,55 sacas por hectare em comparação com a área comercial, compensou o incremento dos custos, que foi superior em 14,10 sacas por hectare no talhão do Cesb.

Além do clima, que foi bastante favorável na última safra, o alto rendimento também é creditado ao incremento na adubação e ao plantio cruzado, com população de 298 mil plantas por hectare. “O tratamento fitossanitário foi feito de maneira preventiva, especialmente para evitar os danos causados por insetos e o aparecimento da ferrugem”, menciona Edmilson Santana. Na opinião do produtor, a eficiência no tratamento e na inoculação das sementes também colabora para fazer a diferença na hora da colheita. “Muitas vezes compramos sementes já tratadas e realizamos aplicações complementares”, diz.

O início do cultivo na propriedade da família Ribeiro Santana foi em 1979, com o arroz. Em 1983, a soja foi introduzida na plantação. Com 172 hectares na Fazenda Macacos e 1.130 hectares em outras áreas, os irmãos cultivam soja no verão e, nos últimos anos, escolheram plantar milheto na segunda safra. “O custo é mais baixo e o preço é semelhante em comparação com o milho. Além disso, o risco da colheita fracassar é baixíssimo, já que a cultura é mais resistente à seca, por exemplo. Também notamos que o milheto ajuda a ampliar a produtividade da soja pela boa formação de palhada”, observa Edmilson.

Os destaques e as conclusões — Especialistas envolvidos com a cultura da soja procuram diagnosticar pontos em comum e diferenciais importantes dos vencedores do desafio do Cesb nesses últimos três anos. Afinal, a proposta do concurso é gerar conhecimento e motivar atitudes que gerem impacto sobre o incremento da produtividade no Brasil. O engenheiro agrônomo Sergio de Oliveira Procópio, pesquisador da Embrapa Soja, comenta que a lavoura da maioria dos ganhadores tem mais de 140 dias, o que significa que não são de ciclo curto. “Esse foi um dos pontos que nos chamou a atenção, porque atualmente existe uma tendência para materiais superprecoces, devido à necessidade de viabilização da segunda safra”, destaca.

Os produtores com altas produtividades também não realizaram o plantio mais cedo – o que é outra característica daqueles que trabalham com uma segunda safra. No oeste do Paraná, por exemplo, 60% do plantio é feito no final de setembro e início de outubro. “A importância da safrinha vem modificando muito o perfil do cultivo da soja, e são fatores que acabam, muitas vezes, limitando a oleaginosa. Acho que precisamos pensar em todo o sistema e reavaliar algumas decisões”, avalia o pesquisador.

Outra propensão dos últimos anos vem sendo a escolha por cultivares de hábito de crescimento indeterminado. “No entanto, entre os vencedores do desafio, essa não é uma regra. De cada três produtores bem colocados, dois usaram sementes com crescimento determinado. Para nós, essa é uma questão bastante variável e que não pode ser considerada como definitiva”, aponta Procópio.

Práticas sempre recomendadas, mas muitas vezes deixadas de lado, também são destaque entre produtores que obtêm altos rendimentos. Nesse ponto aparece a rotação de culturas, responsável pela manutenção da palhada e pelo aumento do teor de matéria orgânica no solo. “Essas condições são essenciais em anos em que há déficit hídrico. Comprovadamente, as perdas são menores”, pontua o agrônomo.

Na opinião dele, aumentos no nível de adubação devem sempre levar em conta a análise do solo e a expectativa de produtividade para a área em questão. “Se necessário, deve ser feita a reposição de nutrientes e, sempre que possível, é importante considerar o uso de fontes orgânicas, que oferecem uma série de benefícios. O recordista mundial em produtividade de soja, o norteamericano Kip Cullers, que colheu 173 sacas por hectare, utiliza cama de aviário em suas áreas”, exemplifica o pesquisador da Embrapa.

Sinal amarelo — Um alerta vai para o uso de agroquímicos. “Analisando os casos vencedores do Cesb, é importante que façamos a diferenciação entre as áreas separadas para o concurso e as áreas comerciais, porque a maioria dos produtores utilizou um maior volume de defensivos. E o que pregamos, em termos de sustentabilidade, é justamente a diminuição desses produtos”, ressalva Procópio.

Observação semelhante está direcionada para o uso de fertilizantes nitrogenados. “Muitos alegam que a fixação biológica não é o suficiente para altas produtividades. No entanto, quando há resposta com a utilização de nitrogênio químico, é porque a inoculação não foi bem feita. A inoculação tem custo de apenas R$ 4 por hectare e é altamente sustentável. Estamos temerários com essa necessidade de altas doses de nitrogênio, até porque o Brasil trabalha para diminuir a dependência externa desse tipo de elemento”, argumenta.

O despertar para novas e prováveis tecnologias é um dos benefícios de concursos como o desafio promovido pelo Cesb. A técnica do plantio cruzado, por exemplo, é experimentada por vários produtores e estimula um aprofundamento de avaliações por parte da pesquisa.

Segundo o engenheiro agrônomo, a tendência é de aprimoramento da investigação sobre esse sistema, mas algumas considerações já podem ser feitas. “O plantio cruzado tem potencial para ampliar a produtividade, mas pouca viabilidade. Em médio e longo prazo, pode haver compactação do solo pelo maior trânsito de máquinas, principalmente em áreas com predisposição a processos erosivos. Também há aumento no consumo de óleo diesel e na liberação de dióxido de carbono”, justifica o pesquisador. “De qualquer forma, a técnica ajuda a mostrar o quanto a distribuição de plantas pode melhorar”, acrescenta Procópio.

Pesquisador Sergio Procópio, da Embrapa Soja: concurso ajudou a despertar as discussões sobre a técnica do plantio cruzado

O melhoramento genético da soja, ainda nos anos 1970, foi a base para o sucesso da cultura no Brasil, que em 2010/2011 deteve a melhor média de produtividade do mundo, com números superiores aos Estados Unidos e à Argentina. “O país deve continuar ampliando seus índices, principalmente devido ao alto nível de conhecimento que existe aqui. Claro que há casos em que o crescimento será freado, como em anos com estiagem e em novas áreas onde naturalmente a expectativa não é alta. Mas a pesquisa e os próprios produtores continuarão tendo grande influência sobre novas variedades e formas de cultivo”, reflete o pesquisador da Embrapa.


Novidades para 2012/2013

Na quarta edição do desafio, que vai premiar as maiores produtividades da safra 2012/2013, além do fórum nacional realizado todos os anos, o Cesb também está promovendo fóruns regionais em diferentes locais. Outra novidade é a criação da Rede de Pesquisadores de Alta Produtividade, para estimular que especialistas na área se envolvam com o trabalho. “Existe um arsenal enorme de conhecimento, e queremos que o raciocínio sobre o sistema seja aprofundado pelos produtores e pelos profissionais da pesquisa. É uma tarefa que demanda tempo e esforço, mas queremos estabelecer os parâmetros que podem colaborar para tornar sistemas altamente produtivos viáveis economicamente também em grandes áreas”, observa o presidente do comitê, Orlando Martins.

A partir desta safra, também haverá a inserção de uma tabela de rentabilidade na ficha de inscrição dos produtores. A intenção é comparar os números das áreas dedicadas ao desafio com a rentabilidade das áreas comerciais. Na primeira edição do desafio, o Cesb registrou a participação de 800 produtores e consultores técnicos em 285 municípios de 12 estados. Na safra passada, foram 1.314 inscritos de 407 municípios em 14 estados. Na próxima edição, a expectativa é alcançar o número de 1.500 participantes. A ficha de inscrição pode ser preenchida até 15 de janeiro de 2013 no site www.desafiosoja.com.br.