Cartas, Fax e E-Mails

 

LIÇÃO DE CASA PARA UMA SAFRA DE SUCESSO

Bem oportuna a reportagem sobre como fazer uma safra bem feita (edição de julho). Aprendi muito ao ler as dicas dos especialistas. Realmente, desde que o clima dê uma colaborada, não temos desculpas para não fazer uma grande safra de verão. Os preços estão bons, o que permite a nós, agricultores, investirmos bem nesta safra. Tomara que todos tenham consciência que investir na safra não é gastar e gastar. Vamos todos com parcimônia, por favor!

Jairo Francisco Mattos - Campo Verde/MT

LIÇÃO DE CASA PARA UMA SAFRA DE SUCESSO II

O que mais me chamou a atenção na reportagem sobre a safra 100% foi um detalhe: precisamos sempre prestar muita atenção à rotação de culturas. É claro que parece uma afronta sugerir ao produtor não plantar soja em tempos de saca a R$ 80. Mas é sempre bom termos em mente que a prática da rotação de culturas colabora demais para o sucesso da lavoura. Inclusive ajuda a economizar em defensivo, já que a rotação elimina muitas pragas e doenças que se perpetuam numa mesma área.

Maria Eduarda de Fonseca - Uberlândia/MT


PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2012/2013

Gostaria de manifestar que gostei do Plano Safra 2012/2013 do Ministério da Agricultura. Claro que sempre poderia ser melhor, principalmente com juros mais baixos, mas entendo que poucos segmentos produtivos deste país recebem todos os anos tanto dinheiro para produzir. Com certeza são estes planos com sucessivos aumentos de recursos que estão levando a agricultura deste país a produzir cada vez mais e mais.

Leôncio Dantas - Nova Andradina/MS


A POLUIÇÃO OCORRE NAS CIDADES

Fiquei admirado com as verdades dita pelo entrevistado da edição de julho (na foto, produtor Ilmo Bolgenhagen, em O Segredo de Quem Faz). Ele é produtor e sente na pele, no dia a dia os absurdos da nossa legislação ambiental. Gostei da entrevista dele, sobretudo a seguinte parte: “Se for olhar a situação ambiental do Brasil, desde que se descobriu o país foi feito tudo errado. Veja as cidades. Muitas foram construídas nas barrancas de rios. O que mais prejudica o meio ambiente são as cidades. São estas que poluem os rios, que chegam nas cidades limpos e saem poluídos. E vão noutra cidade onde se poluem mais ainda. Depois, às vezes conseguem se limpar, mas às vezes não”. Falou e disse, senhor Bolgenhagen!

Antonio Ferrão - Tucunduva/RS