Santo Capim

PASTAGENS IRRIGADAS (Parte 2)

Adilson de Paula Almeida Aguiar é zootecnista, investidor nas atividades de pecuária de corte e leite, professor de Forragicultura e Nutrição Animal e Consultor Associado da Consupec – Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda.

Dando continuidade à série de artigos sobre pastagens irrigadas, após o registro de todas as informações e dados do projeto, e a apresentação de um diagnóstico e um projeto com viabilidades técnica e econômica da irrigação, passa-se para a etapa de execução.

Existem vários sistemas de irrigação, tais como os pivôs centrais e lineares, a aspersão convencional com tubos superficiais, a aspersão em malha, o canhão autopropelido, a irrigação por inundação, entre outros, mas os sistemas mais adotados com sucesso em pastagens no Brasil têm sido o pivô central (geralmente para áreas acima de 50 ha) e a aspersão em malha (geralmente para áreas menores que 50 ha).

O valor do investimento também varia com uma série de fatores, tais como: o sistema de irrigação em si, o ponto de captação de água, a distância para levar a água até o ponto no qual a irrigação será feita, se vai precisar instalar um sistema de energia trifásica ou não...

Se todos os fatores aqui discutidos forem favoráveis e o programa for bem executado, em sistemas de produção de carne, é possível o produtor já ter amortizado o investimento a partir do quarto até o sétimo ano após o início do funcionamento do sistema de irrigação.

mento do sistema de irrigação. É de extrema importância o esclarecimento a produtores e técnicos dos critérios para a escolha de uma espécie forrageira, critérios estes baseados cientificamente e validados tecnicamente em campo: (a) exigências climáticas; b) exigências em solo; c) comportamento frente a insetos, pragas e doenças; d) aceitabilidade pelos animais; e) distúrbios metabólicos causados aos animais; f) formas de plantio; g) formas de uso; h) potencial de produção; i) e qualidade de forragem.

Mas, de fato, as espécies forrageiras que mais têm sido cultivadas em pastagens irrigadas no Brasil são as dos gêneros Brachiaria sp: B. brizantha cultivares Marandu (capim-braquiarão) e Xaraés (ou MG5), B. decumbens e B. hibrida cultivar Convert HD364; Cynodon sp: coastcross (no início da década de 1990), tiftons 68 e 85, capim-vaquero; Panicum maximum cultivares Mombaça e Tanzânia, e Pennisetum purpureum – capim-elefante (na década de 1990).

Quando a propriedade se localiza em regiões de baixas latitude e altitude, as diferenças de estacionalidade de produção de forragem entre as espécies forrageiras são mínimas; por outro lado, em condições opostas, o capim-tifton 85 tem apresentado a melhor distribuição da produção de forragem ao longo das estações do ano, comportamento fundamental em sistemas de pastagens irrigadas.

Existe alguma diferença no estabelecimento de uma pastagem irrigada? Não, a não ser a possibilidade de se estabelecer a pastagem em qualquer estação do ano em função da irrigação do solo.

Um programa de estabelecimento de uma pastagem deve ser dividido em etapas.

Cada etapa tem uma época mais adequada para ser executada em uma dada região. Além disso, cada etapa deve ser seguida com procedimentos padrões para serem executados, de forma a garantir o sucesso da execução, independentemente se a pastagem será ou não irrigada.

As etapas básicas para o estabelecimento da pastagem são: (a) escolha da área; b) medida e mapeamento da área; c) amostragem de solo para análise; d) estudo das condições ambientais da região – clima, solos, insetos, pragas e doenças; e) escolha das espécies forrageiras; f) planejamento do programa de estabelecimento da pastagem; g) execução do programa: limpeza do terreno; correção e preparo do solo; aquisição de sementes e de mudas; métodos de semeadura ou de plantio por mudas; época de plantio e condições climáticas para o plantio; cobertura de sementes e de mudas; adubação de plantio; controle de plantas invasoras; e a primeira colheita da pastagem.

Na próxima edição, continuarei a descrever como executar a etapa de implantação de um projeto de produção de carne em pastagens irrigadas.