Sala de Ordenha

 

Alta de preços no mercado

Depois de um longo período de queda, os preços do leite ao produtor subiram no pagamento de março, que remunera a produção entregue em fevereiro.

Considerando a média nacional, o produtor recebeu R$ 0,894 por litro, alta de 1% em relação ao pagamento anterior.

Em valores nominais, os preços pagos aos produtores estão 6,6% menores na comparação com a média do mesmo período do ano passado. Veja a figura 1.

A produção em queda desde dezembro de 2014 e a ligeira melhora no consumo, em relação ao começo do ano, deram sustentação aos preços no mercado interno.

Os estoques de lácteos nos laticínios estão mais ajustados, principalmente de leite longa vida.

A alta no preço do leite spot e dos lácteos no atacado corrobora com este cenário um pouco mais ajustado entre oferta e demanda.

Em fevereiro, o volume de leite captado diminuiu 3,1% em relação a janeiro, considerando a média nacional

Para março, os dados parciais apontam para queda de 0,8%, em relação a fevereiro.

No curto e médio prazos, os fatores climáticos como a queda nas temperaturas, a menor luminosidade e o menor volume de chuvas devem afetar a produção de leite no Brasil Central e na Região Sudeste.

Na Região Sul, a expectativa é de aumento da produção já a partir de abril, com as pastagens de inverno e suplementação dos animais. No Sul do país, em especial no Rio Grande do Sul, a procura por leite no mercado spot por empresas de outros estados deve aumentar.

De maneira geral, o aumento dos custos de produção com alimentação concentrada, mão de obra, energia, fertilizantes, entre outros, deve pesar no bolso do pecuarista nos próximos meses.

Para o pagamento de abril, que remunera a produção de março, 52% dos laticínios pesquisados acreditam em alta dos preços, 44% estimam estabilidades e os 4% restantes creem em queda.

Nas tabelas 1 e 2, está a opinião da indústria, por região, com relação aos pagamentos a serem realizados em abril e maio de 2015.

O tom é de mercado firme e alta dos preços do leite ao produtor nos próximos dois meses. No Sul do país, 89% dos laticínios falam em aumento no pagamento de abril (produção de março).

Nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste, respectivamente, 55% e 68% das indústrias estimam aumento no curto prazo.

Nas Regiões Norte e Nordeste, a expectativa é de manutenção das cotações. Para o pagamento de maio, referente ao leite entregue em abril, as altas devem persistir.

Rafael Ribeiro de Lima Filho, zootecnista Scot Consultoria