Notícias do Montana

  

Usando a ciência a nosso favor!

O cruzamento, finalmente, é uma realidade na pecuária brasileira. Acompanhando os números do mercado de sêmen e da venda de touros, é possível perceber que o pecuarista brasileiro entendeu que, para se manter competitivo na pecuária, é preciso lançar mão do cruzamento.

Agricultura, suinocultura e avicultura trabalham com cruzamento há anos. É impossível imaginar a agricultura ou a indústria do frango e do porco sem o uso de variedades ou animais híbridos/compostos. Mesmo as pecuárias bovinas norte-americana e australiana preferem animais cruzados para confinar e produzir carne de melhor qualidade, em menos tempo.

No Brasil, parece cultural, ou forma de mostrar status, o criador de animais para corte prender-se a uma determinada raça. Manter sua produtividade e rentabilidade abaixo de determinado patamar para dizer- -se criador de A ou B parece ser, no mínimo, falta de bom senso. O status de “criador” deveria ficar apenas para os selecionadores das raças puras, e o pecuarista, produtor de boi para abate, deveria buscar o status de “ganhador de dinheiro”. Simples assim.

O Montana oferece soluções simples para aumento de produtividade, sem aumento de custos ou mudança de manejo. Como já é feito na agricultura, suinocultura e avicultura, o Montana é um composto e oferece uma série de benefícios genéticos.

Um deles é a geração de heterose ao longo das gerações. Diferente do que acontece com as raças puras, basta continuar usando o Montana no rebanho e a heterose mantém-se alta, sem a necessidade de diferentes lotes de vacas na fazenda. Por ser composto, o Montana oferece os benefícios de várias raças em um animal só. Trabalha a campo, em qualquer região do país, sem nenhum problema de adaptação.

A grande vantagem do Montana é ter nascido no berço do melhoramento. Há 20 anos, alguns dos melhores cientistas do mundo “desenharam” o Montana e ele já saiu do papel sendo geneticamente avaliado, o que gera uma confiança muito grande na qualidade dos animais que são colocados no mercado e na qualidade da produção do Montana nas mais diferentes regiões do país. Afinal, nesses 20 anos, já foram produzidos e comercializados 17 mil touros, que geraram cerca de 400 mil produtos Montana pelo Brasil e Uruguai.

E neste ano o Montana está dando mais um grande passo, que é se unir ao Montana Paraguay, incluindo informações de mais 7.000 matrizes ao seu banco de dados. Ainda neste ano, os produtores paraguaios poderão comprar touros Montana geneticamente avaliados pelos geneticistas brasileiros.

VEM AÍ: Remate Santa Jovita: Na sede da Estância Santa Jovita, em Alegrete/RS, serão oferecidos touros Montana, novilhas e novilhos Montana. Dia 28 de outubro.

Para saber mais, acesse www.compostomontana.com.br ou mande um e-mail para [email protected] Você também pode ligar para (17) 3011-6775 ou nos seguir no Twitter e Facebook