Sobrevoando

 

Feno

Toninho Carancho
[email protected]

Sobrevoando esses dias a fazenda de alguns amigos, reparei que estavam suplementando touros com feno. Feno bom, de alfafa, e também pré-secado de alfafa, tudo em bolas/rolos grandes. O feno ficava protegido por meio de "aros" de canos, para melhor aproveitamento da comida.

Eram touros fechando dois anos de idade, das raças Angus, Hereford e Braford, e estavam em pastagens de inverno, basicamente azevém, consorciado com trevo branco. Disse-me o proprietário que fizeram pesagens desses touros antes da suplementação com feno e pré-secado e após 44 dias de fornecimento. Os touros, aproximadamente 30, tiveram um ganho de peso médio, nesse período, acima de 1.500 gramas diárias, com mínimas de 820 gramas e máximas de 2.210 gramas/dia.

Como a pastagem, apesar de ser de altíssima qualidade, estava um pouco mais baixa que o ideal, foi feita essa suplementação, a fim de acelerar o apronte dos touros para a venda.

Parece-me que essa estratégia, de se utilizar comida de excelente qualidade, por um período relativamente curto, com animais de alto valor agregado, como touros e também em animais de baixo consumo e alto ganho de peso, como bezerros, é totalmente acertada.

É claro que cada um deve fazer as suas contas e verificar a viabilidade econômica dessa operação.

Em termos de praticidade, esse sistema me pareceu ótimo. O feno e o pré-secado são comprados prontos de terceiros e entregues na fazenda. Os rolos de feno são armazenados em um galpão metálico e as bolas de pré-secado ficam no tempo.

Uma única pessoa faz o descarregamento dos caminhões, assim como a armazenagem e posterior colocação dessa comida nos piquetes.

Nessa fazenda, utilizam-se dois tratores e uma pessoa para fazer toda a operação. Tudo muito rápido, fácil e prático. Sem fazer força. Contou-me o mesmo fazendeiro que já vendeu grande parte desses touros, bem antes do tempo normal. Ele acredita que isso aconteceu por dois motivos principais:

Primeiro porque o mercado está comprador, querendo touros de qualidade e antecipando um pouco as suas compras, talvez para poder escolher os melhores animais e também entourar o gado um pouco mais cedo.

Segundo porque é uma forma de melhorar a apresentação dos touros. Comprador, além de saber sobre procedência, manejo, sanidade, andrológico e números como data de nascimento, peso ao nascer, peso à desmama, peso ao ano e sobre ano, DEPs, ultrassom, etc. e tal, não compra touro magro. Para vender touros, e bem, eles têm de estar gordos. Não digo obesos, mas gordos, bonitos, bem preparados.

Atrevo-me a dizer que o preparo dos touros é o principal item, se tivermos que escolher apenas um, na composição do preço final. Touro magro não vende, ou vende muito mal, independente mente da DEP, genealogia e procedência. Com certeza essa máxima vale para qualquer categoria animal que você queira vender. Gado bonito é gado gordo.