Feno & Silagem

MICOTOXINAS

perigo escondido na silagem

Julliano Percinoto Pompei*

Com a aproximação da estação seca do ano, as preocupações com a alimentação do rebanho devem ser redobradas, pois é justamente neste período que o produtor rural precisa ter estratégias já muito bem definidas que assegurem ao seu rebanho uma boa disponibilidade de alimentos, em quantidade e qualidade. Por estarmos em um país tropical, passamos por períodos sazonais na produção de forragem, que, ao chegar à estação seca, diminui gradativamente seu potencial de rebrota (crescimento), assim como o seu valor nutricional. Nesta época, os nutrientes oferecidos pela pastagem não são suficientes para o correto funcionamento do sistema digestivo do animal, pois a falta de proteína no capim diminui o crescimento dos micro-organismos do rúmen e, consequentemente, a digestão desse alimento, o que levará ao menor ganho de peso e/ou produção leiteira.

E esses fatores afetam diretamente os rebanhos, principalmente os ruminantes que, na sua maioria, são criados em regime de pasto durante todo o ano, no entanto, todas as técnicas para que possamos assegurar a oferta de alimento aos animais devem ser planejadas no período das chuvas, quando conseguimos acumular e armazenar material para ser consumido posteriormente, tanto na forma de diferimento do pasto (vedação do pasto) como na forma de silagem.

Uma alternativa muito utilizada para se obter o volumoso de qualidade durante o período de seca é a produção de silagem, técnica que visa armazenar o alimento quando o mesmo se encontra em boa condição nutricional para a alimentação dos animais, através da fermentação ácida em meio anaeróbico (sem a presença de ar), podendo assim ser utilizado posteriormente, durante o período mais desfavorável do ano, a seca.

Materiais como milho, sorgo e cana- -de-açúcar têm sido muito utilizados para a produção de silagem, variando conforme a fertilidade do solo, costume regional, implementos agrícolas disponíveis e/ou conhecimento técnico sobre o plantio e manejo da cultura escolhida.

Manejar corretamente o silo também é importante, segundo Villa, pois "o gado de corte é muito susceptível à qualidade da silagem que compõe sua ração. No caso de confinamentos, os problemas podem ser graves, com diminuição no consumo, menor ganho de peso, abscesso de fígado, resultando em prejuízos financeiros".

Tabela 1 – Médias da concentração de micotoxinas (ppb), incidência e valores mínimos e máximos detectados em 327 amostras de silagem de milho de cinco regiões brasileiras

A técnica de ensilar alimentos não é uma prática nova, muito pelo contrário, muitos produtores já estão habituados a fazer silagens e já conhecem bem o passo a passo, mas para se obter um material com qualidade é fundamental que se utilizem inoculantes específicos para cada cultura, buscando assim evitar que fungos e bactérias, normalmente encontrados nas culturas, desenvolvam-se e comprometam a qualidade da ensilagem.

Um dos pontos destacados pelo técnico é a necessidade de se obter, no silo, um ambiente absolutamente sem ar e com baixo pH o mais rápido possível. Com o uso de um inoculante bacteriano específico e adequado, a fermentação do meio ocorre muito mais rapidamente, além de haver consumo do oxigênio residual e ainda proteger o material ensilado contra o ataque de leveduras e fungos indesejados, que podem causar prejuízos tremendos, pois são produtores de micotoxinas, podendo ser letais quando associadas ao seu alto consumo.

Micotoxinas são substâncias químicas altamente nocivas à saúde, com diferentes níveis de toxicidade em várias espécies animais, incluindo a espécie humana. São substâncias produzidas por fungos, durante o processo de decomposição dos alimentos, que produzem metabólitos secundários (micotoxinas), não essenciais para sua manutenção primária, que por sua vez atingem outras espécies. Essas micotoxinas conferem aos fungos uma vantagem competitiva sobre outros fungos e bactérias presentes no alimento.

Essas toxinas, ou micotoxinas produzidas pelo fungo, causam ruptura de membranas celulares e em outras importantes estruturas celulares, além de poderem interferir em processos vitais como a síntese proteica e a de RNA, o que lhe dá a característica de toxicidade. As micotoxinas podem ser classificadas como Zootóxicas, quando tóxicas para animais, Fitotóxicas, quando tóxicas para plantas e Antibióticos, quando tóxicas para bactérias.

Silo bem vedado reduz risco de fungos e a consequente produção de micotoxinas

Apesar de os fungos não serem estáveis ao calor, com as micotoxinas ocorre o contrário: são muito resistentes ao calor, podendo resistir a temperaturas da ordem dos 270°C, porém, são sensíveis à radiação U.V.

Julliano Percinoto explica que as micotoxinas são substâncias químicas altamente nocivas à saúde dos animais e do homem

São descritas centenas de micotoxinas, encontradas em alimentos e rações animais, porém, o número conhecido de micotoxinas que causam riscos à saúde animal é limitado.

Silagem

A contaminação da silagem pode ocorrer em três momentos:

a) Quando os fungos atacam diretamento os vegetais, antes mesmo do corte do material a ser ensilado, como é o caso das toxicogênicas encontradas no milho antes da ensilagem e passíveis de produzirem micotoxinas. Entre esses fungos estão as espécies Aspergillus flavus, Fusarium verticillioides e Fusarium proliferatum.

b) Outra forma é durante o processo de ensilagem, por meio de equipamentos rurais, como é o caso das rodas do trator. Durante o processo de compactação, os pneus podem levar para a parte interna do silo materiais como fezes, terra e outros produtos já contaminados pelos fungos.

c) E a terceira forma de contaminação ocorre após o fechamento do silo, por perfurações na lona de fechamento e falha na vedação do silo. São fatores que permitirão a entrada de ar, formando bolsões onde os fungos conseguem se multiplicar. Espécies como Aspergillus fumigatus, Byssochlamys nívea, Monascus spp., Penicillium roqueforti e Trichoderma spp. são adaptadas às condições de ensilagem e geralmente são identificadas em alimentos conservados.

Dessa forma, a contaminação por fungos pode estar presente antes, durante ou mesmo após o processo de ensilagem.

As condições associadas ao processo de conservação de forragens (anaerobiose e baixo pH) são desfavoráveis para o desenvolvimento da grande maioria dos fungos. Entretanto, caso o silo permita a entrada de ar, com perfurações na lona, falhas na vedação e/ou erro na abertura (abertura inadequada) do silo, a somatória desses fatores, entrada de ar (oxigênio) com umidade e temperatura, criará um perfeito ambiente para o desenvolvimento dos micro-organismos, principalmente nas áreas mais próximas à entrada de ar.

Efeitos das micotoxinas

Os efeitos das micotoxinas no organismo animal são diversos e dependem diretamente do tipo, tempo de exposição, espécie, idade, sexo e estado de saúde do animal.

A consequência mais importante é a depressão do sistema imunológico, que traz como consequência uma importante queda no poder de defesa do organismo animal, além de causar reações alérgicas, desordens reprodutivas, problemas no sistema nervoso e respiratório. Além disso, as micotoxinas trazem danos às membranas da mucosa, reduzindo com isso a absorção de nutrientes, como também diminui as atividades do fígado e dos rins, tendo como consequência a redução da conversão alimentar, ou seja, perdas na produção animal.

Ainda para aqueles animais destinados à produção de leite, devemos ter uma atenção especial, pois as toxinas possuem uma taxa de passagem do alimento para o leite que varia entre 1 e 4%, variação que depende de diversos fatores, tais como status imune e nutricional dos animais, estádio de lactação e produção diária, dentre outros.

Prevenção

Conhecendo os principais fatores que predispõem a contaminação de uma silagem por fungos, fica fácil entender sua prevenção, que constitui em nada mais, nada menos, que adotar as Boas Práticas da Ensilagem.

Essas práticas são ações que vão desde o campo até o fornecimento da silagem para os animais, justamente tentando cobrir todas as possibilidades de produção da toxina pelos fungos.

Perigo à vista, silagem de cana contaminada por fungos

Alguns cuidados devem ser tomados com:

• A escolha de variedades mais adaptadas à região onde será produzida a silagem e sua resistência ao ataque de fungos.

• O controle de ervas daninhas e pragas.

• Promover a troca de culturas nas áreas plantadas, com controle de pragas.

• Encher e fechar os silos o mais rápido possível, entretanto, com uma correta compactação.

• Vedação apropriada da massa ensilada com lonas de qualidade.

• Manejo adequado da face do silo para minimizar a deterioração após a abertura

• Evitar que tratores destinados à compactação rodem fora da área do silo.

• A utilização de inoculante específicos, utilizados de acordo com a cultura a ser ensilada, dentre outros.

• Vale lembrar ainda que nem mesmo a adoção dessas práticas descartaria completamente a possibilidade de produção de micotoxinas. Entretanto, elas são importantes para minimizar os riscos.

* Julliano Percinoto Pompei é médicoveterinário do Departamento Ténico de Nutrição Animal do Grupo Matsuda e coordenador técnico - Bovinos de Corte