Sala de Ordenha

 

Alta para o produtor em abril

O preço do leite ao produtor subiu pelo segundo mês consecutivo. A alta em abril foi de 2,8% em relação ao mês anterior. Considerando a média nacional ponderada em 18 estados pesquisado, o produtor recebeu R$ 0,983 por litro de leite. Segundo o Índice Scot Consultoria para a Captação de Leite, o volume captado caiu 1,7% em março, na comparação com fevereiro (média nacional).

Figura 1 - Preço do leite ao produtor (média nacional ponderada) - em R$/litro.

* estimativa - Fonte: Scot Consultoria (www.scotconsultoria.com.br)

Os dados parciais apontam para uma queda de 1,1% em relação a março. É entressafra do leite no Brasil Central. Somente na região Sul espera-se aumento da produção a partir de meados de maio, considerando as pastagens de inverno e o aumento da alimentação concentrada e volumoso para os animais. É importante destacar que depois das fortes altas do preço do leite spot em fevereiro e março, o mercado está se acalmando, as cotações caíram nesse mercado nas últimas semanas.

Os preços do leite longa vida caíram no atacado e varejo, em função das vendas fracas nas últimas duas quinzenas. Estes fatores poderão diminuir a pressão de alta sobre os preços do leite ao produtor em curto prazo.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o Brasil exportou 10,2 mil toneladas em produtos lácteos em abril deste ano, o que representa um faturamento de US$ 42,65 milhões. No primeiro quadrimestre do ano foram embarcadas 31,02 mil toneladas e o faturamento foi de RS 119 milhões.

O volume embarcado em abril, quando comparado ao do mês anterior, foi 79,8% maior. O faturamento cresceu 108,4%. O leite em pó foi o principal item comercializado, com 8,37 mil toneladas, aumento de 97,7% em relação a março e de 236,8% frente ao mesmo período de 2013.

Com relação às importações, em maio, o Brasil comprou 39,11 mil toneladas de equivalente litros de leite de produtos lácteos, o que representa US$ 29,23 milhões. O produto mais representativo na importação, tanto em volume como em valor, foi o leite em pó. Foram importadas 2,74 mil toneladas a um valor total de US$13,47 milhões. Na comparação com o mês anterior, o volume de importação de produtos lácteos foi 17,7% menor.

A diminuição da importação e o aumento das exportações resultaram em uma balança comercial positiva do setor, de US$ 3,79 milhões, o que não acontecia desde 2008. O principal fornecedor foi a Argentina, com 48,2% do volume, seguido pelo Uruguai, com 36,2%, e pelos Estados Unidos, com 5,4%.

Leite em pó cai

No leilão da plataforma Global Dairy Trade (GDT), realizado em 6 de maio, o preço do leite em pó caiu pela sexta vez consecutiva e ficou cotado, em média, em US$ 3.928,00 por tonelada. Em relação ao leilão anterior, de 15 de abril, o preço caiu 1,6%. Naquela ocasião, a tonelada do leite em pó estava cotada em US$ 3.990,00. Na comparação com a segunda quinzena de fevereiro, quando foi registrada a primeira queda para o produto neste ano, a cotação caiu 21,4%.

Esse comportamento dos preços deverá se manter em curto e médio prazo. Os contratos para entrega em junho indicam retração de 2,8% no preço do produto, em relação aos preços vigentes. Esse cenário está relacionado à queda da demanda e ao aumento da produção de leite e derivados no hemisfério Norte. Para julho e agosto, no entanto, a expectativa é de retomada de preços dos lácteos no mercado internacional, com os contratos sinalizando altas de 0,9% e 0,5%, respectivamente, para o leite em pó integral.

As quedas de preços dos lácteos no mercado internacional estão associadas ao aumento da produção na União Europeia e nos Estados Unidos, que estão no período de safra, contribuindo para atender mercados ainda demandantes, como o da China. Os Estados Unidos estão assumindo importante papel no mercado internacional de lácteos. No primeiro trimestre de 2014, as exportações norte-americanas de leite em pó integral cresceram 236%, em volume, em relação ao mesmo período de 2013. Foram embarcadas 14,2 mil toneladas, frente as 4,2 mil toneladas no primeiro trimestre do ano passado.

Rafael Ribeiro de Lima Filho, zootecnista
Scot Consultoria