Sobrevoando

 

Precocidade

Toninho Carancho
[email protected]

Por estes dias estive numa fazenda de um conhecido onde estão fazendo entoure de bezerras de ano. Quando digo de ano quero dizer que tem de 13 a 18 meses. Neste caso, são bezerras que nasceram no final do inverno e na primavera de 2011 (agosto a novembro) e foram cobertas entre dezembro de 2012 e início de fevereiro de 2013.

São terneiras de sangue 100% britânico (Angus e Hereford) e também sintéticas (Braford).

Disse-me o proprietário, e pude conferir nas suas planilhas e também olhando as bezerras (novilhas) e os campos, que elas foram desmamadas com aproximadamente 170 quilos no final de abril e no início de maio, conforme o tamanho e o peso. Até aí nenhuma novidade. Um bom peso, mas nada fora do normal. O interessante veio depois. Estas bezerras, ao contrário do que acontece com a maioria, continuaram ganhando peso em pastagens de inverno, basicamente trevo branco e azevém, até a data da monta, dia 1º de dezembro. Neste período, elas foram de 170 kg a 280 kg, pelo menos. Ganharam de maio a dezembro - 210 dias - uma média de 520 gramas. Esta média também me parece bastante razoável, até baixa, mas foi suficiente para deixá-las com o mínimo de 280 kg em 1º de dezembro. Como o entoure foi até dia 10 de fevereiro, se calcularmos estes 72 dias com um ganho diário de 520 gramas, exatamente a mesma do inverno, teremos um ganho de 37 kg, que somados aos 280 iniciais darão 317 kg. Este foi o peso da bezerra mais leve ao sair da monta no dia 10 de fevereiro deste ano. Acrescento que todas as bezerras nascidas em 2011 foram submetidas aos touros, não foram selecionadas as maiores ou mais pesadas.

Quando foi feito o toque retal, para diagnosticar a prenhes, em abril, deram 76% de prenhas. Um resultado que me parece bastante bom, visto que em bezerras de ano suplementadas exclusivamente a pasto e pastagem, com suplementação de sal mineral de boa qualidade.

Neste mesmo ano, as vacas desta fazenda tiveram prenhez de 82% e as novilhas de dois anos, de 81%. Todas as vacas, novilhas e bezerras que não emprenharam foram vendidas antes da entrada do inverno, entre abril e maio.

Com este cuidado com as bezerras, este fazendeiro pôde acrescentar uma quantidade extra de ventres no seu rebanho sem aumentar a quantidade total de gado.

Utilizando estas raças com maior precocidade sexual e dando uma boa alimentação para elas, o ano todo parece ser bastante viável emprenhá-las. Vamos ver agora no ano que vem qual será a taxa de reentoure delas. Acredito que o desafio maior será fecundá-las novamente e também cuidar da alimentação para que continuem crescendo e, ao mesmo tempo, não desenvolvam um bezerro muito grande na primeira parição, para evitar problemas de parto.

Estes são alguns desafios de produtores que estão sendo empurrados cada vez mais para produções e produtividades maiores em áreas menores. Mas, me parece que é um caminho sem volta. Entourar bezerras de ano com índices acima de 85%, matar novilhos de 12 a 24 meses gordos e pesados deve ser uma meta de todos que queiram fazer uma pecuária de ponta. E tudo isso é possível neste nosso Brasilzão de oportunidades.