Sobrevoando

 

Bananinhas

Toninho Carancho
[email protected]

Neste verão fui visitar minha prima que mora no litoral de Santa Catarina. Ela é, como se diria, alternativa. Mora na praia há muitos anos, é dona de uma academia de ginástica, musculação e natação. Além de ser professora, ela, que já foi multicampeã de natação, agora é campeã mundial de surfe de peito, bodysurf, o bom e velho jacaré. Ganhou de todo mundo em competições na Califórnia. Uma esportista nata, realmente craque.

Mas, vamos ao que interessa. Sempre que faço esta visita, pelo menos uma vez por ano, fico encarregado de assar o churrasco. Ela e a filha adoram carne, assim como eu e toda minha família. Pois bem, fui dar uma olhada nos apetrechos do churrasco quando me apresentaram uma minúscula churrasqueira, destas que têm uma grelha sem regulagem de altura, bem pequena. Perguntei o que tinha acontecido com a churrasqueira do ano passado, quando me informaram que tinha sido corroída pela maresia.

Sem problemas, pensei, vou comprar uma carne não exatamente de churrasco, mas de fazer bifes. Vai ficar bom.

Em Garopaba, nome da praia em Santa Catarina, tem um local de venda de carnes muito boas, carne que vem do Rio Grande do Sul, da fronteira, diz o vendedor, tentando valorizar ainda mais o produto e justificar o preço. Disse que precisava de uma carne para fazer na grelha, que a churrasqueira era pequena, que a grelha era fixa e tudo mais, e que por estes motivos precisava de uma carne boa para fazer bifes e que não queria passar vergonha com os parentes. Como vocês sabem, os segredos de um bom churrasqueiro são dois: qualidade da carne e a fome dos convivas.

O pessoal estava com fome. Só faltava a carne boa. A procedência era ótima, mas qual pedaço comprar? Peguei um entrecôte que me pareceu muito bom e pedi uma sugestão de outra carne para o vendedor, a fim de trocar uma ideia e repartir a responsabilidade de um possível fracasso gastronômico. De cara, ele me sugeriu bananinhas, que eram ótimas, deliciosas e tudo o mais. Devo ter feito uma cara de desconfiado porque ele logo veio dizendo que era sério, que a carne que ele recomendava, sem sombra de dúvidas, eram as bananinhas. Senti firmeza e convicção nas palavras dele e resolvi arriscar toda a minha fama de bom assador e levei as tais bananinhas, que nunca tinha ouvido falar, junto com o entrecôte para garantir.

Assim que botei as bananinhas na grelha e começou a sair aquele cheirinho de carne na brasa, vi que tinha acertado em cheio. A carne é simplesmente ESPETACULAR. Comemos todas, lambendo os beiços e pedindo mais.

Depois desta experiência, compro sempre as bananinhas e faço regularmente em casa. Recomendo a todos que gostem de uma carne realmente macia e saborosa (e gorda), fácil e rápida de fazer. Fui me informar melhor sobre este corte e me disseram que são iscas de contrafilé. São cortadas de forma que lembram (vagamente) pequenas bananas. Não sei se tem para vender em todo o Brasil, mas se não tem, deveria. As que encontrei em oferta estavam na rede de supermercados Zaffari e eram Hereford. Fica a sugestão.

Bom apetite!