Sala de Ordenha

 

Mercado nacional reage frente a contexto externo e escassez de leite

Os preços dos produtos lácteos seguem em forte alta no mercado internacional, gerando uma série de incertezas nos agentes envolvidos na cadeia. No leilão realizado na primeira quinzena de abril (02/04) pela plataforma neozelandesa GDT (Global Dairy Trade), principal referência de preços internacional, os preços dos produtos lácteos permaneceram firmes na tendência de valorização observada nas últimas semanas. O índice GDT-WMP, que pondera as variações percentuais dos preços do leite em pó integral (LPI) contratados no leilão, acumula um aumento de 78% no ano, enquanto o índice GDT-TWI, que pondera os preços dos produtos lácteos em geral, acumula um aumento de 57% no ano.

Vale a pena ressaltar que o preço do LPI superou o nível dos US$ 5.000/tonelada no mês de março, preço que não era observado desde 2007, o que faz do nível atual o maior dos últimos cinco anos. Um outro ponto importante é a tendência dos últimos meses: desde dezembro de 2012, os leilões vinham apresentando elevações consecutivas nas cotações e, quando comparado os preços do LPI na segunda quinzena de março ao mesmo período no ano passado, o reajuste acumulado foi de espantosos 101%, caracterizando uma verdadeira explosão no preço internacional do LPI (Gráfico 1).

O reajuste nas cotações nas últimas semanas é fruto de restrições na oferta mundial de leite atrelada a uma demanda internacional aquecida. Agentes internacionais apontam que todas as principais regiões exportadoras de lácteos, com exceção dos EUA, estão apresentando uma produção de leite menor. Em especial, a Nova Zelândia, que enfrenta a maior seca dos últimos 30 anos, com redução na produção estimada em 10% a 20%.

Simultaneamente às restrições na oferta de leite, a demanda internacional segue em alta, com destaque para a China, onde se estima um aumento de 50% nas importações em 2012, com tendência de alta para 2013.

No Mercosul, o cenário é semelhante, com restrições na oferta de leite. Os dois principais fornecedores de leite para Brasil apresentaram redução nos últimos meses. Enquanto na Argentina caiu 11% a produção em janeiro, o Uruguai teve uma queda de 9% em fevereiro, ambos comparados ao mesmo período do ano anterior.

No Brasil, reflexos da conjuntura internacional já estão sendo observados, aliados ao fato da produção de safra no Sudeste e no Centro-Oeste ter sido menos intensa neste ano e estar no fim, resultando em menor oferta. Em fevereiro, houve redução expressiva de 64% nas importações de leite em pó e aumento de 35% no volume das exportações, reduzindo em 66% no déficit da balança comercial.

Simulações realizadas pelo MilkPoint apontam que, para o nível de preços de leite em pó integral observado no último leilão da plataforma GDT de US$ 5.116/tonelada, o preço de equivalência para a entrada do leite do Mercosul no Brasil chega próximo a R$ 1,11/litro, tornando as importações de leite em pó desinteressantes. Por outro lado, o mercado brasileiro é, nesse momento, dependente das importações, o que resultará na elevação dos preços internos.

Com relação aos preços internos, agentes de mercado relatam que o mercado brasileiro esta reagindo imediatamente ao aumento internacional de preços. Segundo Otavio Farias, especialista em comércio internacional de leite, os preços no Brasil já estão sendo reajustados, não na mesma proporção do que foi visto no leilão GDT, mas também de forma elevada. Otavio relata que nos últimos 10 dias o mercado brasileiro reajustou o preço do leite em pó de 10% a 20%, enquanto o leite UHT teve um reajuste na faixa dos 10%. A mesma tendência é observada no preço dos queijos, dado o direcionamento do leite para o UHT e leite em pó nas usinas.

Agentes consultados pela Equipe MilkPoint destacam a disputa cada vez mais acirrada pelo leite nas bacias leiteiras no Brasil. Com a redução já esperada no volume da produção nacional no mês de março e a recente redução no volume das importações, a procura pelo leite do campo tem aumentado, fazendo com que a indústria opere nas últimas semanas com um nível de estoque reduzido.

Agentes informam que o preço do leite pago ao produtor tem apresentado tendência de alta nos últimos 30 dias, em torno de 5% a 10% e que tende a aumentar. No mercado spot, os agentes consultados relatam que o reajuste está ainda mais acentuado. Em alguns casos, chegando a mais de 10%, com valores acima de R$ 1,10/litro.

O mercado já começa a sinalizar para reajustes nos preços do varejo, pois com restrições na oferta e a natural valorização do produto no campo, o mercado varejista sente a necessidade de repassar o aumento nos custos aos consumidores.

Com a elevação dos preços ao produtor e a redução no custo de alimentação, o momento é de melhoria significativa das margens do produtor, que poderá ser estimulado daqui para frente, resultando em recuperação da oferta no segundo semestre.

Marcelo Pereira de Carvalho, diretor-executivo da AgriPoint André Ramos Sanches, analista de mercado do Milkpoint