Sobrevoando

 

Melancias

Para esta edição de fevereiro, eu estava escrevendo quase a metade da minha coluna com uma mensagem de bom ano de 2013. Mas, fui dormir achando que tinha feito um texto meio fraco, morno, então, resolvi acrescentar no final uma pitada de pimenta, ou melhor, de melancia. Deem uma lida e depois me digam o que acharam.

Acho que devo deixar uma mensagem positiva aos pecuaristas. O ano de 2012 foi bom. Não excelente, mas também não ruim. Algumas margens mais apertadas, preço do boi andando de lado. Custos aumentando, áreas de pecuária sendo tomadas pela agricultura, principalmente pela soja, entretanto, por outro lado, a elevação da produção através do aumento significativo da produtividade equilibrou as forças. E esta parece ser a palavra chave para este e os próximos anos: produtividade. Em termos de pecuária de corte, temos, em média, muito a melhorar. Muito mesmo. O desfrute brasileiro ainda é muito baixo. Nosso gado de abate é muito leve, pouco gordo e não é tão jovem. Baixas taxas de natalidade e desmama. Entoure tardio. Fêmeas parindo com idade mais avançada que o ideal. Temos muito a melhorar.

E isso é muito bom! Porque se estamos indo razoavelmente bem com os índices ainda baixos, imagina se melhorarmos um pouco. Tudo leva a crer que vamos melhorar nossos rendimentos financeiros assim que melhorarmos nossos índices pecuários.

Estamos melhorando a passos largos. Temos “ilhas” de prosperidade e eficiência espalhadas por todo o País. E ficarmos ainda melhores depende muito do que fazemos da porteira pra dentro. Mais comida, mais genética, mais sanidade e mais manejo estão entrando em nossas fazendas, dando mais organização e produção à atividade pecuária e, desta forma, dando mais produtividade e dinheiro no final do mês, da temporada ou do ano.

Agora em 2013, tudo indica que teremos um bom ano. De bons preços para o gado, tanto no Brasil quanto no mundo. A população aumenta e enriquece, necessitando de mais proteína vermelha nos seus pratos. Bom 2013 a todos!

Esta parte do texto acima é o que eu tinha planejado inicialmente. Como falei antes, achei tudo muito óbvio, estava faltando uma cutucada.

Então aí vai a pimenta, justificando o título da coluna.

Acabo de ler um livro com um nome muito sugestivo, “Os Melancias”, e com um subtítulo avassalador: “Como os ambientalistas estão matando o planeta, destruindo a economia e roubando o futuro de vossos filhos”. Isto sim é que é subtítulo arrasa quarteirão.

Escrito pelo britânico James Delingpole e publicado pela editora Topbooks, o livro trata, como diz na contracapa, sobre “a perversa mistura de ciência de segunda categoria, modismo verde, ambição empresarial e oportunismo político que provocou a maior e mais dispendiosa histeria geral da história”. Disseca o escândalo que ficou conhecido como Climagate.

O livro é muito interessante, mostrando diferentes fontes e dados sobre a febre verde que tomou conta do mundo. Verde por fora e vermelha por dentro. Recomendo a leitura.