Pista

Show de GENÉTICA

Feira apresentou o melhor da pecuária em julgamentos e leilões

Tradicional palco da pecuária brasileira, a Expointer mais uma vez apresentou um show de genética nas pistas do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio/ RS. Realizada entre os dias 25 de agosto e 2 de setembro, a 35ª edição da feira reuniu 4.431 animais de diferentes espécies em julgamentos, provas, apresentações e leilões.

O volume registrado com os leilões e as vendas diretas de animais cresceu em relação à edição do ano passado: de R$ 11,71 milhões para R$ 13,735 milhões. No total, a feira somou negócios recordes de R$ 2,036 bilhões, com destaque para a venda de máquinas e implementos agrícolas, que movimentou R$ 2,02 bilhões. O público presente nos nove dias de evento superou as 478 mil pessoas.

Parque Assis Brasil reuniu público estimado em meio milhão de pessoas

A 8ª Feira de Novilhas e Ventres Selecionados teve pista limpa, com a venda de 591 fêmeas por R$ 676,7 mil. A média geral ficou em R$ 1.145, 6,21% acima da registrada na edição do ano passado. O quilo vivo saiu por R$ 3,98 para as novilhas de dois anos e por R$ 4,29 para as terneiras. “Foi um sucesso. Diminuiu a quantidade, mas melhorou a qualidade, e isso se refletiu nos preços médios”, avalia o presidente da Comissão de Feiras, Exposições e Remates da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Francisco Schardong.

Angus levou 1.100 animais, sendo 600 na pista

O dirigente acrescenta que o resultado aponta para pistas aquecidas na temporada de primavera, que terá mais de 30 mostras agropecuárias e mais de 90 remates particulares. “Acho que a forte seca da safra 2011/2012 não deve prejudicar tanto a pecuária. Acredito que teremos os mesmos valores de comercialização do ano passado, que já foram remuneradores. Se trabalharmos com o valor de R$ 6 mil por reprodutor, como foi em Esteio, será muito bom”, destaca Schardong.

Vitrine da Carne Gaúcha reuniu 4.327 espectadores

VITRINE

Uma das atrações preferidas do público na Expointer, a Vitrine da Carne Gaúcha reuniu 4.327 espectadores em sua quarta edição. Foram realizadas 24 oficinas, com público médio de 180 pessoas em cada. A iniciativa da Farsul foi apresentada no espaço Juntos para Competir, parceria entre a federação, o Senar e o Sebrae.

Equinos Gypsy Horse desfilavam pelo parque

Nos oito dias de apresentações, foram desossadas sete carcaças bovinas, uma carcaça de búfalo, 16 carcaças ovinas e quatro carcaças suínas. “As novidades deste ano foram a desossa de suínos e o preparo das carnes por chef, em cozinha instalada ao lado, mostrando que, quando o animal é de qualidade, qualquer corte pode ter um bom aproveitamento”, declara Luiz Alberto Pitta Pinheiro, coordenador da Vitrine da Carne Gaúcha.

Público lotava as arquibancadas

NOVIDADES

Entre os mais de 4 mil animais presentes em Esteio, um dos destaques ficou por conta da raça bovina Wagyu, que esteve pela primeira vez na feira. Japonês de origem, o Wagyu está em expansão no Brasil, mas para muitos pecuaristas ainda é pouco conhecido. Apesar de não ter tanto volume de carcaça, a raça se adapta bem à criação em confinamento e possui boa habilidade materna. No entanto, o ponto forte do Wagyu é mesmo a carne, considerada por muitos como o “caviar da carne bovina”, pelo elevado índice de marmoreio.

Remates dão norte para leilões de primavera

Outra novidade da Expointer 2012 foram os cavalos Gypsy Horse. A raça é originária da Grã- Bretanha, onde era criada por ciganos há mais de 100 anos. Além da aparência diferenciada, com pelos abundantes nas patas, é considerado um cavalo bastante forte, inteligente, ágil e dócil.

Eliel Marcos apresentou o japonês Wagyu, pela primeira vez na Expointer

REFORMAS

O Parque Assis Brasil passará por um projeto de revitalização que foi apresentado na Expointer. Orçada em cerca de R$ 400 milhões, a proposta inclui a construção de hotéis, concha acústica para shows, restaurantes operando o ano inteiro, realização de cursos durante o ano, museu agropecuário e a expansão da área destinada aos animais. A conclusão está prevista para um período de oito anos.

Entre os projetos em elaboração está o trabalho de drenagem das pistas de provas e julgamentos, que costumam ficar prejudicadas com a chuva frequente durante os dias de feira. A obra teve início no final de setembro e custará R$ 871,2 mil. O cronograma prevê um prazo de 60 dias para a finalização do projeto, que vai abranger as pistas central, de ovinos e de equinos.