Zoneamento de Pastagens

 

Saiba quando e onde plantar

Sistema aponta áreas aptas para semeadura de braquiária na integração lavoura-pecuária

Embrapa Pecuária Sudeste

Estão disponíveis as primeiras recomendações para plantio de pastagens, especificamente para o capim Braquiária, em sistema de integração lavoura – pecuária (ILP), com milho ou com sorgo, para os estados de São Paulo e Minas Gerais. Este trabalho da Embrapa serve para orientar os interessados (pecuaristas, técnicos da extensão rural, áreas de crédito rural dos bancos, órgãos de fomento, etc.) no uso dessa forrageira, que agora podem saber quais as regiões aptas por município e, nessas áreas, quais as melhores épocas para implantação do pasto em diferentes tipos de solo.

Com esse instrumento, o pecuarista saberá quais são as áreas de risco. Os bancos, mesmo sem obrigatoriedade legal, poderão liberar recursos do crédito rural somente para as áreas favoráveis, reduzindo assim indenizações do seguro rural e possíveis fraudes. Também poderá servir como ferramenta para a implementação de políticas públicas visando o desenvolvimento regional e o aproveitamento ao máximo das condições de solo e clima, bem como para não se plantar em áreas não aptas.

Esses resultados fazem parte do zoneamento agroclimático da Braquiária, desenvolvido por seis centros de pesquisa da Embrapa: Cerrados (Brasília/ DF), Pecuária Sudeste (São Carlos/SP), Informática Agropecuária (Campinas/SP), Arroz e Feijão (Santo Antônio de Goiás/GO), Gado de Corte (Campo Grande/MS) e Gado de Leite (Juiz de Fora/MG).

O trabalho apresenta as épocas mais favoráveis para o plantio de Braquiária no sistema de integração lavoura e pecuária, bem como as não favoráveis. Isso é dado por decêndios, ou seja, de 10 em 10 dias. Os meses são divididos em três decêndios: do dia 1º ao dia dez, de 11 a 20 e, o último, do dia 21 ao dia 30. São apresentadas opções de 18 decêndios, de 1º de setembro a 29 de fevereiro, época mais comum e mais favorável para o plantio de pastagens em São Paulo, Minas Gerais e Goiás.

A orientação é dada também por município, ou seja, o interessado deve procurar, no mapa ou na lista, a sua cidade e ver em qual período o plantio do consórcio é indicado. Além do município e dos decêndios, o levantamento inclui até três diferentes tipos de solo, o que também deve ser considerada pelo interessado, ao fazer a consulta.

Segundo o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, José Ricardo Pezzopane, a pesquisa foi feita com o uso de dados de chuvas dos últimos 30 a 50 anos, conforme a região. Foi medido o consumo de água nos dois consórcios (Braquiária com milho e Braquiária com sorgo), o que permitiu a simulação do consumo hídrico dos consórcios em solos com diferentes capacidades de armazenamento de água.

A pesquisadora e chefe de Pesquisa da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos/ SP), Patrícia Menezes Santos, diz que os maiores riscos levados em conta, nos estados de São Paulo e Minas Gerais – área coordenada pela Embrapa Pecuária Sudeste – ocorrem num período de até 45 dias após o plantio e referem-se à germinação e ao perfilho. No caso do milho, dentro do Sistema de Integração Lavoura – Pecuária, os riscos se dão principalmente no período de florescimento e enchimento de grãos, de 45 dias a 110 dias após a semeadura do grão.

Uma maneira de facilitar a visualização e o entendimento da situação em que se encontra a propriedade do interessado é recorrer aos mapas (vide as ilustrações), onde estão apontados, de maneira clara e simples, os períodos aptos e não recomendados ao plantio da braquiária em consórcio com o milho. O mesmo ocorre com o sorgo, e nas mesmas condições.

PRESSUPOSTOS DO ZONEAMENTO

Para realizar esse trabalho de zoneamento de pastagens, em todo o País, para diversos produtos, foi utilizado o modelo francês elaborado pelo Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Dévéloppement – Cirad (em português, Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento, França), adaptado pela Embrapa às condições de cada região, segundo informa o pesquisador e chefe de Pesquisa da Embrapa Cerrados, Fernando Macena, coordenador dos trabalhos de zoneamento em todo o Brasil.

Os dados iniciais da pesquisa são os índices de evapotranspiração potencial, de temperatura e de chuvas. Cada produto é analisado com base em suas exigências de água e seu ciclo de desenvolvimento (profundidade radicular, duração e fases fenológicas, como germinação, florescimento, maturação e colheita).