Escolha do Leitor

 

DADOS SÃO ALIADOS DO PRODUTOR

Tecnologia da informação aplicada à gestão da pecuária

Marcos Vinicius do Nascimento Souza*

As fazendas mais lucrativas nos próximos anos serão aquelas conduzidas por gestores atentos em modificar, rapidamente, os seus processos produtivos e flexíveis em rever estratégias de negociação. Propriedades com este perfil terão maior êxito ao enfrentar mercados em permanente mutação, como é o caso do confinamento, por exemplo. Nos momentos de desafios, a incapacidade de gerar respostas rápidas e adequadas torna improdutiva ou deficitária a maioria das organizações.

Na pecuária não é diferente. É preciso munir-se de ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) e preparar-se de forma profissional para produzir os resultados esperados. A decisão de investir em uma gestão eficiente é a resposta mais adequada para quem deseja caminhar para um panorama mais lucrativo no mercado de produção de carne no Brasil, no qual as perspectivas apontam para muitas oportunidades.

Desde que se faça planejamento apropriado, organização, controle e intervenção, a Tecnologia da Informação na gestão pecuária aumentará as chances do correto funcionamento dos processos de uma fazenda. É fundamental mensurar os resultados obtidos, disponibilizar informações de forma rápida e precisa para ter base para decidir mudanças estratégicas, táticas ou operacionais. Decidir, corretamente, ou seja, saber “o que fazer”, “quanto”, “como”, “quando” e “onde” é algo muito complexo na atividade pecuária.

As variáveis são muitas e várias delas fogem ao controle do pecuarista. De que adianta investir em sanidade, genética, nutrição e pastagem ou manejo se os resultados dessas ações não são medidos e não podem ser convertidos em NÚ- MEROS, sejam eles positivos ou negativos. Para que todo esse investimento, que é muitas vezes oneroso e arriscado, se as informações disponíveis inexistem ou são falhas? Investimentos errados podem provocar impactos muito mais danosos do que não aplicar em nada ou muito pouco. Em outras palavras, sem parâmetros, algumas vezes é melhor opção não fazer determinado negócio.

De acordo com a BusinessWeek Research Service, 60% das pessoas tomam uma decisão por instinto em 50% das vezes. Na maioria das situações, pouco se há de disponibilidade de informação e, além disso, 77% das pessoas, quando decidem errado, têm consciência de que isso ocorreu por falta de informação. E o impacto pode ser enorme.

PECUARISTA GERENCIA MAIS

O investimento em Tecnologia da Informação para a gestão pecuária corresponde a um percentual insignificante perante o faturamento anual do negócio. Mas, a boa notícia é que nos últimos dois anos, especialmente, foi perceptível o crescimento pela demanda de sistemas de informação. O pecuarista de vanguarda está tentando se profissionalizar cada vez mais em todos os sentidos. A maior participação de uma nova geração sintonizada com a computação associada ao monopólio da produção nas mãos de grandes grupos intensificará mais ainda essa curva do crescimento.

Ao mesmo tempo, a procura por profissionais capacitados na área de gestão cresce em velocidade ainda maior. Sistemas de dados nunca foram tão procurados como hoje. Apenas o fato de bom conhecimento ou experiência em implantação de sistemas de informação confere grande diferencial aos profissionais emergentes nesta área.

FERRAMENTAS PARA GESTÃO

Por outro lado, o mercado carece de ferramentas tecnológicas e de gestão de informação eficazes para atender as necessidades de um empreendimento pecuário. Talvez por este motivo, a ferramenta mais utilizada ainda sejam as planilhas eletrônicas, que, normalmente, provocam uma falsa percepção de organização e, até mesmo, dificultam a implantação de um competente software de gestão integrada.

Alguns programas resolvem apenas uma parte dos controles, sendo necessário mais de um sistema e várias planilhas. Mas, no final das contas, muito pouco se terá de informações úteis para uma rápida tomada de decisão. Não bastasse, temse as soluções chamadas de “caseiras”, quando o gestor resolve desenvolver sistemas internamente. Muitos desistem no meio do processo, pois se envolvem com soluções onerosas que demandam muito tempo para desenvolver e geram resultados pífios no negócio.

O mais recomendável é adquirir um sistema que atenda o negócio como um todo ou que atenda a maior parte de suas necessidades. Caso o software não consiga atender todas as áreas, que se torne, ao menos, comunicável com os demais sistemas informatizados já implantados na propriedade ou a ser incorporados. Outra dica preciosa é eliminar, a qualquer custo, redundâncias na digitação de dados. Elas mais atrapalham que ajudam.

E, por fim, pesquise no mercado as empresas disponíveis, sua estrutura e quanto tempo elas possuem de mercado. Solicite demonstrações. Não se iluda com preços. Lembre-se que informações rápidas e concisas são essenciais. Erros na escolha de uma ferramenta para gestão, além do prejuízo pela compra mal feita, provocam descrença no processo de informatização.

CHECK-LIST NECESSÁRIO

Na busca por um sistema desejável, algumas dicas são válidas. Confira se o software é integrado, completo e modular, compatível com os itens que respondam à necessidade do criador. Veja a seguir um check-list que deve ser observado antes da aquisição de um programa de gestão.

Quanto à empresa em si, é desejável analisar quantos anos de mercado possui, em quais áreas atua, se possui expertise em gestão agropecuária (preferível) ou se apenas está inserida em atividade relacionada à gestão ou a outras atividades dentro da pecuária. Nestes dois últimos casos, muito cuidado! Além disso, é necessário atentar para as tecnologias que serão utilizadas para integração com diferentes dispositivos ou softwares. Verifique se permite acesso simultâneo a vários usuários (localmente ou via Internet), se utiliza banco de dados relacional e se é compatível com dispositivos de leitura eletrônica (RFID) ou com os principais modelos de balanças eletrônicas.

IMPLATAÇÃO DE SOFTWARE

É significativo o número de agropecuaristas que adquirem softwares de gestão e desistem dele devido a problemas para implantá-lo ou mantê-lo atualizado. Ou até mesmo pela dificuldade de fazer com que os dados de campo cheguem até o software, alimentando-o de forma retroativa. Na certeza de ter adquirido um produto idôneo, planeje a implantação de forma detalhada. Divida em várias fases e acompanhe-as uma a uma, sistematicamente. Envolva a equipe técnica da empresa fornecedora na elaboração do planejamento e do acompanhamento.

E saiba, não é necessário controlar todo o processo produtivo da propriedade de uma só vez. É o maior erro que se pode cometer. Divida em etapas, comece uma nova fase após finalizar a anterior. Tome muito cuidado com os controles paralelos ao novo sistema, podem consumir tempo precioso, que dificultará ou até mesmo inviabilizará o andamento da implantação. Invista em treinamento. Se possível, capacitando os colaboradores já existentes na fazenda. Os dados a serem lançados no sistema devem ser os originais coletados a campo. É uma falha fazer anotações em outros documentos ou planilhas e depois digitálos no sistema. Aumenta em muito a probabilidade de erros.

Para Marcos Vinicius, deve-se atentar se o software de gestão é compatível com balanças eletrônicas ou outros equipamentos

Crie procedimentos para manter os documentos arquivados em pastas de forma bem organizada. Documentos já registrados no sistema, obrigatoriamente, devem estar “ticados” ou carimbados como lançados. São pequenos detalhes que podem fazer muita diferença. Para dados coletados no curral, o ideal seria sempre alimentá- los diretamente em um notebook no curral. Se isto não for possível, a anotação deve ser realizada em planilhas específicas, sempre emitidas pelo próprio software de gestão. Por último, defina quais relatórios e em que frequência esses devem ser emitidos para análises sistêmicas. Quanto mais usar a informação, melhor ela fica.

Software auxilia no controle de animais para abate

COMPLEXIDADE DOS INDICADORES

Indicadores como Lucro Hectare/ano, Produção de @/ha, Taxa de Desfrute, Kg desmamados/vaca/ano são complexos e robustos. Podem depender de inúmeros fatores, e obtê-los com precisão requer considerável esforço e um sistema de informações muito bem integrado.

Uma ferramenta que se tornará popular nos próximos anos na pecuária e cuja utilização é crescente em outros setores é o “Business Inteligence”, capaz de integrar dados de diferentes origens e permitir visualização gráfica sob ângulos diferentes, combinando as diversas variáveis que compõem o resultado. Acreditamos que seja esta a forma mais segura para o gestor tomar decisões.

Agora que já se sabe quais os cuidados básicos para implantar um processo de gestão eficiente na propriedade e as precauções quanto às plataformas tecnológicas que serão utilizadas, é só começar fazer.

* Marcos Vinicius Souza é sócio-proprietário da Multsoft Desenvolvimento de Sistemas, responsável pelos softwares MultBovinos e MultOvinos

Esta reportagem foi escolhida pelo leitor da Revista AG, que votou por meio da Newsletter Agronews. Aproveite agora e escolha entre as três reportagens que estão em votação a que você prefere ver estampada nas páginas de nossa revista. Caso ainda não receba a newsletter, cadastre-se no site www.revistaag.com.br