Gestão

 

Escrituração ZOOTÉCNICA

Ferramenta simples de implementar e importante para gerir o plantel

José Ribeiro Martins Neto*

Quando se pensa em seleção, logo vem à cabeça as tecnologias atuais e ultramodernas. Porém, tudo isso é totalmente dependente de uma etapa do processo, que é de extrema simplicidade, na qual utilizamos apenas caneta e papel: a escrituração zootécnica.

Tanto na pecuária seletiva quanto na pecuária de corte e de leite, o primeiro passo é identificar os indivíduos para que, em um segundo momento, seja possível medir os desempenhos de cada um para definir quem fica e quem sai do rebanho. Seria injusto concluir que um animal é superior ao outro se uma data de nascimento não foi anotada corretamente.

A escrituração zootécnica é o ato de registrar sistematicamente e lavrar em documentos autênticos todas as informações dos animais, bem como as ocorrências da propriedade, para que estes dados sejam usados como ferramenta na tomada de decisão no processo administrativo. Algumas vantagens são o conhecimento individual sobre os animais, a identificação dos mais produtivos, a observação do histórico reprodutivo, a agregação de valor na venda e a melhora do manejo, em geral.

São dados de extrema importância, porque, além da execução do registro genealógico - onde constam todas as informações de parentesco, raça, sexo, data de nascimento, cor da pelagem, proprietário e criador –, são igualmente importantes no processo de melhoramento genético dos animais. Atualmente, o programa da ABCZ, por exemplo, tem no banco de dados mais de 3 milhões de animais inscritos e avaliados, com mais de 12 milhões de pesagens registradas.

Algumas dicas:

• Utilize mão de obra capacitada, com boa escrita e boa noção de organização;

• Providencie livros específicos para registros dos dados coletados, tatuadeiras e moldes de aço para marcação a fogo;

• Evite anotar lembretes em folhas soltas dos dados coletados no campo para posterior registro nos livros específicos;

• Recomenda-se a identificação dos animais por tatuagem na orelha logo ao nascimento, com seu próprio número e o de sua mãe, logo no momento da cura do umbigo;

• Na ocasião da desmama, marque a fogo a perna do animal;

• No caso específico do envio de dados para a ABCZ, definir o período mensal para o fluxo de informações fazenda/ associação.

• Reduza ao mínimo o caminho entre a coleta da informação no campo e o apontamento no livro de registro.

A ABCZ, entre outros órgãos, disponibiliza cursos gratuitos de escrituração zootécnica tanto para criadores de gado registrado como para pecuaristas de gado de corte. Procure um escritório técnico mais próximo ou acesse o site das entidades.

*Técnico de campo da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) – www.abcz.org.br