Caindo na Braquiária

Respirando pecuária em Água Boa

Alexandre Zadra - Zootecnista [email protected]

Use como forma a vaca zebu e, preferencialmente, a F1 Angus, adicione uma dose de genética de qualidade através da IATF, tempere com uma boa pitada de vermífugo e mineral de qualidade, leve a receita às pastagens melhoradas, sempre acima da canela, pelo tempo mínimo para uma carcaça pesada e bem coberta e terá preparado o produto tão desejado pela grande maioria da população mundial, a carne nossa de cada dia.

Após uma recepção calorosa na Fazenda Califórnia, onde Abel Terrugi Neto deu-nos as boas-vindas com um churrasco especial, pude conhecer o carismático Maurição da Estância Bahia, o qual demonstrou em poucos minutos de conversa como conquistou a confiança de pecuaristas de corte de todo o país por meio de seus megaleilões. Com pouca convivência, pude perceber que ali se encontrava uma fonte de entusiasmo poucas vezes vista por mim. Costumo dizer que quando gente como Abel e Maurício se junta é porque algo positivo vai acontecer para a classe pecuária e foi respirando esse positivismo que iniciei minha visita ao pecuário município de Água Boa. Cidade assentada sobre o Vale do Roncador e que serve de divisor de águas das bacias dos rios Araguaia e Xingu, contando com o maior rebanho bovino do Vale do Araguaia e outrora colonizada por gaúchos, que, inicialmente, abriram terras para plantar soja e arroz, aproveitando as jazidas de calcário próximas à região de Cocalinho.

Com uma organização impecável, o dia de campo na Califórnia iniciou com mais de 370 convidados para acompanhar as explanações ligadas a relevantes assuntos de nosso interesse, tais como a Integração-Lavoura- Pecuária, tema muito bem explorado pelo Dr. Sérgio Alves, pesquisador do IAPAR, que apresentou as vantagens do sistema e discorreu sobre um desmitificador trabalho de 12 anos de pesquisa, provando que áreas destinadas a ILP produziram 10% a mais de soja e 20% a mais de milho safrinha que áreas usadas somente para lavoura. Concluiu que a presença dos bovinos em áreas de ILP são benéficas, trazendo melhores índices produtivos para ambas atividades.

Outras apresentações de igual magnitude foram alvo de atenção do público pecuário presente. A IATF e suas vantagens foi outro tema muito bem explorado pelo prof. Zequinha, da UNESP, e um dos maiores pesquisadores práticos na área de reprodução bovina no País, o qual destacou o retorno econômico inigualável que se obtém com a IATF na pecuária de corte.Não menos importante, Dr. Alfred, americano que trabalha com gado de corte, detalhou como andam a pecuária e o mercado dos Estados Unidos e ainda como o Brasil se insere nesse contexto de produção e exportação de carne para seu país, deixando claro nosso papel primordial como fornecedor de carne industrializada para a América do Norte.

"O final de semana não seia completo se o elucidativo dia de campo não fosse acompanhado de um leilão que marcasse de vez o retorno triunfal do Cruzamento Industrial, sistema que vem retomando seu devido lugar desde a derrocada em meados de 2000"

Ao final do dia de campo, Maurição e Dr. Gustavo Ribeiro, veterinário que vem introduzindo a IATF em larga escala na região, abarcaram numa mesma mesa pecuaristas que juntos somaram 150.000 vacas, a fim de se montar um grupo regional de fornecedores de carne ou de gado de qualidade ao mercado, sendo, então, lançada naquele momento a pedra fundamental de uma futura aliança regional do Araguaia.

O final de semana não seria completo se o elucidativo dia de campo não fosse acompanhado de um leilão que marcasse de vez o retorno triunfal do Cruzamento Industrial, sistema que vem retomando seu devido lugar desde a derrocada em meados de 2000. E, assim, como não poderia deixar de ser, pudemos participar de um evento histórico batizado como Megacruza, leilão organizado pelo Maurício, o qual contou com o apoio total dos grandes pecuaristas da região, que colocaram o que de melhor tinham em bezerros cruzados. Foi com magistral organização que vimos 8.000 bezerros cruzados serem vendidos num mesmo leilão por preços excepcionais.

Foram dois conceitos que surgiram nesse final de semana inebriado pela pecuária de qualidade, iniciando com a ideia da criação de um leilão de animais prontos para o abate do tipo Australiano (nos currais), para o qual semanalmente seriam trazidos para os currais da Estância Bahia animais terminados de cada fazenda, contando cada lote com as informações necessárias para os compradores numa ficha, tais como Raça, Idade, Peso, Acabamento, Área de olho de lombo, Vacinação, etc. Esse tipo de comercialização já ocorre na Argentina há mais de 100 anos, chamado de “Mercado de Liniers”, sendo ele responsável atualmente pela venda de 20% do gado de abate daquele país, e abre a possibilidade de pequenos compradores adquirirem uma mercadoria de qualidade ímpar. A segunda ideia vai ao encontro da perpetuação do Cruzamento Industrial, no qual Maurição e Gustavo aproveitarão o bom momento vivido pela carne de qualidade para organizarem outros Megacruzas por todo o estado do MT.

Foi um final de semana realmente marcado por gado de qualidade. A região pôde se deleitar com tanta informação de qualidade.