Leite

Mais saúde

Efeitos da inclusão de óleo de girassol com adição de selênio e vitamina E na dieta de vacas em lactação e efeitos na saúde humana

Arlindo Saran Netto e Marcus Antonio Zanetti*

A nutrição humana é uma das áreas mais importantes do ponto de vista da saúde e do bemestar das populações, uma vez que estuda a relação entre o homem e o alimento e aos fatores desencadeantes desse processo. As doenças cardiovasculares (DCV) são consideradas os principais problemas de saúde pública e o leite, alimento rico em diversos nutrientes, é frequentemente relacionado às DCV pela sua proporção de ácidos graxos saturados e pelo teor de colesterol. Sabendo disso, a pesquisa visou estudar o efeito da utilização de óleo de girassol sobre a gordura do leite, aliado aos efeitos dos antioxidantes de selênio e vitamina E na composição físico-química do leite, no metabolismo de lipídeos de vacas em lactação e na influência deste alimento sobre a saúde humana, em função da importância do valor nutricional.

No experimento, foram utilizadas vinte e quatro vacas distribuídas em quatro tratamentos: tratamento controle; tratamento controle com adição de 2,5 mg de selênio e 1000 UI de vitamina E por kg de ração; tratamento com adição de 3% de óleo de girassol e tratamento com adição do óleo de girassol com adição de 2,5 mg de selênio e 1000 UI de vitamina E por kg de ração.

Foram mensurados diariamente consumo e produção de leite dos animais e as amostras de leite colhidas semanalmente para análises de gordura, proteína, lactose, cálcio, fósforo, sólidos totais e contagem de células somáticas.

O leite obtido de cada tratamento foi pasteurizado e envasado em sacos plásticos de cores diferentes e fornecido para as crianças da Escola C.A.I.C Professora Stela Stefanini Bacci, no município de Casa Branca-SP, da primeira a quarta série que permaneceram na escola em período integral.

Foram recrutadas 100 crianças previamente examinadas através de exame clínico/laboratorial e identificadas como saudáveis, com 7 a 10 anos de idade, os voluntários recrutados fizeram avaliações antropométricas (determinaçào do peso e altura) e os exames bioquímicos do sangue em laboratório de análises clínicas.

Os resultados obtidos nos animais demonstraram que a adição do óleo de girassol na dieta reduziu em 12% a ingestão de matéria seca diária, mas manteve uma produção de leite equivalente a do grupo controle, no entanto, a adição de antioxidantes (selênio + vitamina E) proporcionou um aumento na produção de leite de 23,4%, além de reduzir a incidência de mastite subclínica em 17,4%.

O programa de nutrição de um rebanho leiteiro tem grande influência na produtividade e saúde das vacas. Por atuarem em sistemas antioxidantes, o uso de selênio orgânico e vitamina E propicia melhor resposta imune, maior resistência do úbere às infecções mamárias e, consequentemente, o incremento nos valores de produção.

A adição do óleo de girassol na dieta reduziu o teor de gordura do leite em 12,9%, mas manteve os teores de gordura acima de 3%, considerado ideal para classificação de leite integral.

A principal explicação para a diminuição da concentração de gordura é a ação dos lipídeos sobre as bactérias Gram-positivas do rúmen devido à redução da fermentação de carboidratos estruturais. Alguns trabalhos demonstram que o isômero trans-10, cis-12 CLA, produzido durante o intenso processo de biohidrogenação quando se fornece óleos nas rações, possui o efeito inibidor sobre a síntese da gordura.

Marcus Zanetti informa que os resultados foram muito bons nas crianças

Para os teores de lactose, proteína, sólidos totais e extrato seco desengordurado não foram observados efeito de tratamento. Quanto à vitamina E sérica, todos os grupos apresentaram-se acima do valor médio de 2,55µg/mL, sendo que os suplementados responderam com valores significativamente maiores, sobretudo com adição de óleo e antioxidantes (6,58 µg/mL). O aumento da concentração de vitamina E é justificável por se tratar de uma vitamina lipossolúvel, sendo a absorção desta ligada à digestão de gorduras.

Com relação à concentração de selênio no soro sanguíneo houve um aumento de 0,07 para 0,15 µg/mL (114,3%) e no leite 0,028 para 0,1 µg/ mL (254,14%). A administração de selênio associado à vitamina E para vacas em lactação, além de aumentar a concentração de ambos no leite, teve efeito positivo sobre sua estabilidade oxidativa, melhorando a capacidade de conservação do leite e com isso, este alimento passa a ter maior importância na saúde humana.

Outro efeito importante foi a alteração significativa no perfil de ácidos graxos no leite, com aumento significativo no teor de ácido linoléico conjugado (CLA) e redução na concentração de ácidos graxos saturados.

Os resultados obtidos nas crianças foram muito significativos, pois as que receberam leite de vacas suplementadas com selênio e vitamina E na ração tiveram um aumento de 33% e 160% no nível sérico de vitamina E e selênio, respectivamente, em relação ao grupo controle. Como o selênio e a vitamina E melhoraram a saúde das vacas, e como estes nutrientes aumentaram nas crianças, elas podem ter tido o mesmo benefício dos animais.

Foi concluído que a suplementação com óleo de girassol, selênio e vitamina E, apresentam efeitos benéficos sobre a glândula mamária e composição do leite, além de aumentar a concentração de antioxidantes e CLA que são importantes para saúde humana. Por outro lado, o leite enriquecido aumentou os níveis de selênio e vitamina E nas crianças, mostrando que ele pode vir a ser uma ferramenta de grande importância para melhorar o estado nutricional da população brasileira carente nestes nutrientes.

*Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (FZEA/ USP)