Escolha do Leitor

Proteja a Fazenda

Investimento em tecnologia, mão de obra confiável, mudança de rotina e combinação de sinais são fundamentais

Silvia Palhares

Até pouco tempo, a vida no campo era sinônimo de tranquilidade e segurança. Mas vem se tornando tão – ou mais – perigosa quanto à urbana. Levantamento do Instituto de Economia Agrícola (IEA) revela que, entre 1995 e 2003, o valor da produção agropecuária cresceu 44%, enquanto o de presos aumentou 110%. Concomitante ao fato, os conflitos agrários, antes símbolos da violência no campo, perderam espaço para o roubo de tratores, colhedoras, implementos, animais e sequestros nas regiões com agronegócio mais desenvolvido.

E por mais importante que sejam intensificadas as rondas realizadas pelos funcionários de uma propriedade, a eficiência não chega a ser diferencial, além do risco a que esses trabalhadores são submetidos. De acordo com Jorge Lordello, especialista em Segurança Pública e Privada e pesquisador criminal, o ideal é manter um sistema de vigilância com câmeras. “Nesse caso, um funcionário pode fazer o monitoramento interno das imagens em uma sala com porta blindada. Ao detectar invasão, ou suspeita, tendo um canal direto com a polícia militar ou municipal, basta informar a ocorrência de imediato.

“Fazendeiros que tenham nas propriedades algo vulnerável e de valor devem manter esse monitoramento também à noite. Com um funcionário em segurança, você consegue vigiar áreas sensíveis e os acessos da fazenda. Outro detalhe importante é a utilização dos alarmes com alta potência. A sirene espanta os intrusos e avisa os vizinhos. E não precisa colocar alarmes em toda a propriedade, apenas naquela área que você deseja preservar”.

Medidas de segurança

- Forte iluminação e sensores de presença;
- Alarmes e circuitos fechados de TV instalados em pontos estratégicos;
- Cães treinados fora do alcance dos sensores;
- Sirenes potentes capazes de alertar para a presença de estranhos;
- Porteiras fechadas com correntes grossas e cadeados de segurança;
- Supervisões periódicas nas cercas para evitar que fiquem danificadas;
- Combine códigos com vizinhos, para identificar situações perigosas;
- Telefone ou rádio transmissor para entrar em contato com vizinhos, amigos, parentes e polícia.

Exemplo da eficiência do monitoramento por câmeras acontece em Holambra, cidade do interior paulista, onde ocorre pelo menos um roubo por mês, segundo informações de João Kors, secretário do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (CMDR-Holambra). Uma associação de bairro instalou várias câmeras de segurança nas vias rurais do entorno das fazendas para aumentar a segurança. Kors comenta que esse foi o caminho encontrado, após várias situações de risco.

“Com o sistema de câmeras, monitoro todos os currais de manejo do meu escritório”, comenta Eduardo Assis

“Nesse perímetro – quase 40% do município de Holambra – roubos e furtos reduziram a quase zero, pois as câmeras estão nas principais vias de acesso à área rural e são monitoradas via internet em outro local”. Na sua opinião, só assim foi possível melhorar a segurança da região. Ele explica que o projeto vai ser ampliado. “Mesmo assim cobramos o Executivo e o Legislativo, constantemente, que pouco fazem pelo produtor. A polícia trabalha com base em estatísticas, por isso, quanto menor os indicadores de violência, menos fará”, denuncia.

Uma orientação é para que os produtores rurais solicitem documentos no momento das contratações, como cópias de CPF, RG, título de eleitor, carteira de trabalho e comprovante de endereço. Com isso é possível, via internet, buscar nos departamentos específicos se é ou não pessoa idônea. Deve, também, fazer confirmações in loco das referências. Manter animais como cachorro, gansos, galinhas, pavão, marrecos e outros que alardeiam quando da entrada de pessoas estranhas também é uma opção válida, além da instalação de alarmes e câmeras de segurança (veja mais dicas nos boxes).

Drama da Fazenda Cintra

Propriedade de Marcos Cintra, em Santo Antônio da Posse/SP, a fazenda foi saqueada em maio deste ano. Uma vaca de [email protected], no valor de R$ 15 mil foi morta no pasto. Levaram toda a carne e deixaram apenas os membros, a cabeça e as vísceras. Esta foi apenas uma das ocorrências. De acordo com o pecuarista, casos como esse são rotineiros.

“Em média, três por ano somente na minha fazenda”. Em todos eles, Cintra diz ter feito Boletim de Ocorrência na delegacia do município, “e em algumas das vezes recebemos visita de um ‘investigador’ no local, embora não tenha sido inquirido nada”. A solução foi contratar um vigilante noturno que faz rondas de moto nos locais mais vulneráveis. As ocorrências diminuíram, mas não cessaram. “Ainda aconteceu mais três vezes.”

BBB da pecuária

Apesar de não ter tido roubos na propriedade, a Fazenda Santa Terezinha (Jaquirana/ RS), Eduardo Assis adotou a máxima “melhor prevenir do que remediar”. Instalou na fazenda um sistema de segurança para visualizar a propriedade e o manejo dos animais do conforto do seu escritório, localizado em Porto Alegre/ RS. Além disso, os clientes também podem vistoriar os lotes de bovinos, em tempo real, sem ter de estar na sede. Inicialmente, a Santa Terezinha foi montada visando à segurança: os funcionários e famílias residem em casas estrategicamente localizadas nas extremidades da propriedade e todos dispõem de sistema interno de comunicação e de cães de guarda. Existe, ainda, comunicação direta com os órgãos de segurança do município e da capital gaúcha.

Para Jorge Lordello, quanto maior a propriedade, mais vulnerável será. Proteja a área de funcionários e os potenciais alvos

A implementação do sistema, apelidado por Assis de BBB ("Big Boi Brasil"), foi criteriosa e utiliza tecnologias adaptadas a uma propriedade rural, seguindo cronograma de necessidades, aliado a custo razoável de implantação, operação e manutenção. “O BBB encontra-se em aperfeiçoamento. Temos um projeto de acréscimo de câmeras que cobrirão cada vez mais áreas. Iniciamos com quatro e, hoje, são 16. Projetamos 32 câmeras a serem instaladas até o final do ano. Utilizamos conexão 3G. Contudo, já estamos instalando uma antena de longo alcance para captar melhor o sinal de internet via rádio”, ressalta o pecuarista.

O investimento inicial, de acordo com Assis, incluindo dois computadores, impressora, placas de vídeo, primeiras câmeras, cabos, etc. foi de aproximadamente R$ 12 mil. “Dependendo do alcance e da qualidade das câmeras e da área de cobertura, o custo final poderá chegar a R$ 30 mil. Por exemplo, uma câmera de última geração, com 360° de amplitude e zoom pode custar cerca de R$ 5 mil. Por uma comum, também útil no contexto geral, pode-se pagar R$ 200. O custo mensal de manutenção é de R$ 250”. Outra opção é a instalação de sensores de movimento em locais estratégicos, como silos, currais e nos locais onde estejam os equipamentos de alto valor agregado.


Dicas que podem garantir tranquilidade

- ACESSO À PROPRIEDADE: Mantenha o menor número possível de acessos à fazenda. Dê preferência a uma porteira ou portaria; isso tornará a vigilância mais fácil e eficiente. É importante que se tenha boa visibilidade do local ou que se instale câmeras de sistema de CFTV com vigilância constante.

- CERCAS: Procure cercar a propriedade com material de boa qualidade e de difícil violação. Cercas eletrônicas também são boa opção e tem melhor desempenho quando o comprimento do arame for menor do que 30% da capacidade do eletrificador.

- LOCALIZAÇÃO: A casa deve possuir a melhor visibilidade possível e, de preferência, ser construída em local elevado.

- PORTAS E JANELAS: Devem ser sólidas em sua estrutura e as fechaduras resistentes. Todas as janelas precisam ser protegidas por grades ou telas e as cortinas fechadas, principalmente no período noturno. Em caso de ar condicionado ou exaustores, certifique-se que estejam instalados de forma sólida e segura, evitando acesso em caso de remoção dos aparelhos.

- ARREDORES: Se possível, evite árvores e arbustos muito próximos da casa. Não deixe escadas, ferramentas e outros objetos que facilitem escalar o teto ou arrombar portas e janelas. Cuide para que as portas da garagem estejam sempre fechadas.

- ILUMINAÇÃO: As redondezas da casa têm de estar bem visíveis. Mantenha iluminação de emergência. Lâmpadas necessitam ser instaladas em locais altos ou de difícil acesso, ou ainda com material de proteção.

- MAQUINÁRIOS E PRODUTOS: Evite deixar à vista maquinários agrícolas e automóveis. Da mesma forma, produtos de grande valor e animais. - REBANHO: Não deixe o gado em pastos próximos a estradas movimentadas.

- ESTRADAS: Tome cuidado ao andar em estradas desertas e evite passar sempre nos mesmos horários por elas. Ao perceber a presença de veículo desconhecido ou pessoa suspeita em frente à propriedade, não pare o carro, busque ajuda policial ou a segurança da propriedade.

- DIA A DIA: A rotina é uma das grandes inimigas da segurança. Evite frequentar sempre os mesmos lugares nos mesmos horários. Tome muito cuidado ao fazer comentários sobre bens e situação financeira com vizinhos e conhecidos. Nunca faça pagamentos em grande soma de dinheiro na fazenda. Em cavalgadas e caminhadas, não faça sempre o mesmo caminho, evite locais isolados e ande acompanhado. Ande no centro das estradas. Não reaja em caso de assalto ou sequestro.

- CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS DE SEGURANÇA PRIVADA E FUNCIONÁRIOS: Tenha certeza de que a empresa é idônea. No caso de funcionários, pedir referências e checá-las in loco.

- CONTATO COM A POLÍCIA: Informar a PM ao notar algum crime. Preserve o local para perícia e registre o B.O. com maior número de informações possíveis.

Fontes: Polícia Militar, Risco Rural Segurança do Trabalho e CPT - Centro de Produções Técnicas