Na Pista - Expointer

AQUECIMENTO para os leilões da Primavera

Feira realizada em Esteio/RS entre 27 de agosto e 4 de setembro registrou receita de R$ 11,7 milhões com a venda de animais

Uma das mais tradicionais feiras agropecuárias da América Latina deu sinais de que a temporada dos leilões de primavera deverá ser de pistas aquecidas. Realizada em Esteio/RS entre 27 de agosto e 4 de setembro, a 34ª Expointer somou receita de R$ 11,7 milhões com a venda de animais.

Apesar de o volume financeiro ter apresentado redução em comparação com a edição do ano passado, quando as vendas alcançaram R$ 14,2 milhões, criadores e expositores comemoraram o desempenho. O recuo, justificam os pecuaristas, foi resultado da queda na venda de equinos, especialmente os da raça Crioula, que, em 2010, realizou um maior número de leilões e registrou negócios milionários.

O presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Carlos Sperotto, destaca que para ovinos e bovinos, os resultados apontaram preços melhores, evidenciados pela Feira da Novilha Selecionada, realizada no dia 3 de setembro. A comercialização neste remate foi de R$ 778 mil, ou 38% mais do que no ano anterior. “Nós aguardávamos essa resposta, porque tivemos um crescimento no mercado do boi no decorrer do ano, e isso deve se projetar para as feiras do interior do estado”, observa. Ele acrescenta que a oferta de animais de boa qualidade genética e de financiamentos com juros baixos também devem ajudar a aquecer a comercialização nos leilões das próximas semanas.

A movimentação financeira total da Expointer 2011 foi de R$ 1,089 bilhão em vendas e propostas de financiamento. O número considera negócios de diferentes setores, como máquinas agrícolas, produtos da agroindústria familiar e veículos. Mais de 470 mil pessoas estiveram entre os visitantes. Foram inscritos 5.896 animais nesta edição. Além dos negócios realizados em vendas diretas e leilões, as atrações incluíram julgamentos, provas equestres, palestras e debates entre representantes da cadeia produtiva.

A cerimônia de abertura oficial da mostra, realizada no dia 2 de setembro com o desfile dos animais campeões, contou com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, e do ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho. Em seu discurso, a presidente Dilma afirmou que a Expointer representa o sucesso da agropecuária nacional e o fortalecimento das relações entre o Governo Federal e os produtores rurais. Segundo ela, os impactantes números da feira expressam a potência agropecuária que a cada dia o Brasil confirma ser. “A Expointer espelha a capacidade de inovação e a qualidade que estão impulsionando a economia gaúcha e fortalecendo o projeto de desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul e, portanto, do Brasil”, destacou. “Temos terra, água, sol e capacidade de gerar emprego, renda e alimentos para atender a um planeta ávido por comida boa e barata. Vamos continuar investindo, plantando e criando animais. Essa é uma das melhores respostas à crise”, apontou.

No encerramento da feira, o secretário de Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Rio Grande do Sul, Luiz Fernando Mainardi, disse que os resultados obtidos produzem otimismo ao agronegócio gaúcho. Ele frisou o clima de cordialidade e diálogo que predominou entre os expositores.

Para as próximas edições, está prevista uma série de melhorias no Parque de Exposições Assis Brasil. Os copromotores da feira, incluindo Farsul e o Governo do Estado, entregaram à presidente Dilma Rousseff, solicitação de investimentos federais na infraestrutura do local. São necessárias obras de recuperação dos pavilhões, construção de mais espaço para ovinos, drenagem de pistas, entre outras. “Se aspiramos ser uma das maiores feiras do mundo, precisamos de investimentos pesados no parque”, diz o vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira.