Ag Na Fazenda

Estratégia de PRODUÇÃO

Fazenda FSL Itu aproveita o máximo de tecnologia para produzir genética Angus diferenciada

Bruno Santos [email protected]

Seguindo as tendências de mercado, em que é cada vez mais cobrada a padronização dos animais, a Fazenda FSL Angus, localizada em Itu, no interior paulista, trabalha duro para produzir animais no perfil desejado. Com frame médio, compridos, profundos, com bastante carne, especialmente no posterior, e que apresentem evidente selo racial.

À frente da propriedade está o pecuarista Antonio Maciel Neto. O executivo de sucesso no mundo dos negócios agora tem como desafio deixar o criatório similar aos dos melhores da Argentina e dos Estados Unidos. “Estamos dedicados em padronizar nosso rebanho e selecionar animais adaptados às condições ambientais e climáticas, principalmente das regiões Sudeste e Centro-Oeste”, destaca Maciel.

Entretanto, para produzir Angus que possa trabalhar de forma eficiente nas mais adversas regiões do Brasil, é necessário fazer o cruzamento, que, na opinião de Maciel, é a grande tendência para o futuro. “A solução para o pecuarista brasileiro ganhar mais dinheiro e gerar mais emprego é fazer o meio-sangue, Angus com Nelore, o famoso casamento por interesse”, ressalta.

Interesse porque, durante anos, um tentou convencer o outro de que sua raça era melhor. Os neloristas se defendiam ressaltando qualidades como maior rusticidade, alta resistência aos parasitas e grande adaptação ao clima brasileiro.

Já os criadores de Angus salientavam que tinham mais conversão que o Nelore; que a qualidade da carne era muito superior e os animais são de extrema docilidade, raramente quebrando bebedouro ou cocho.

Em todos esses anos, um não conseguiu convencer o outro pelo “amor”. Agora esse casamento está crescendo e se consolidando pelo interesse financeiro. “Muitos neloristas tradicionais já estão se rendendo à produção do meio-sangue e fazendo o cruzamento com o Angus. Muitos não divulgam – mas fazem”, confidencia Maciel.

Na FSL, boa parte dos sêmens dos touros é comercializada aos neloristas. “Estamos investindo muito em genética. O sêmen de touro Angus é importante aos neloristas que querem produzir os próprios machos. Ano passado, pela primeira vez no leilão, as vendas de sêmen Angus foram praticamente divididas entre criadores de Angus e de Nelore. Foi um marco”, diz o dono FSL.

Maciel aposta na terneira FSL Gisele como a sensação do leilão. A fêmea terá 50% de sua propriedade comercializada. Foi escolhida por Francisco Gutierrez entre 200 nascimentos

O dia a dia

Antonio Maciel começou a criação em 2001 e teve os primeiros nascimentos em 2002. A partir disso, começou a comprar embriões de grandes campeões. Em 2005, fechou parceria com a Cabanha Argentina Três Marias, da família Gutierrez. Segundo ele, os argentinos criam há 80 anos e são referência de criadores na raça Angus, exportando para Estados Unidos, Irlanda e Canadá.

Atualmente, a FSL tem 15 fêmeas e dois touros na Fazenda Três Marias, e ainda importa embriões dos argentinos. Francisco Gutierrez, proprietário da Cabanha Argentina, visita a FSL a cada três meses e faz a orientação técnica necessária em relação aos acasalamentos, escolha dos animais para as exposições e leilões, alternativas de alimentação e treinamento de pessoal.

Outro diferencial do criatório de Maciel é o sistema integrado de produção. O executivo consegue aproveitar todo o espaço da propriedade (250 hectares), considerada pequena. “Procuramos usar o que temos de melhor em tecnologia no mundo, porém, não temos nada de luxo aqui. Nosso lema é a genética de resultados, nossos clientes compram aqui e ganham dinheiro com o nosso negócio”, lembra o criador.

A FSL Angus abriga um plantel que varia entre 500 e 800 animais durante o ano, com uma taxa média de ocupação de seis animais por hectare. Levando em consideração que nos países com pecuária mais desenvolvida a média é de três animais por hectare e no Brasil é inferior a uma cabeça, estamos bem à frente da média nacional.

Segundo Maciel, isso só é possível porque a fazenda conta com um sistema próprio de alimentação. “Temos mais de 40 hectares de milho irrigado, dos quais fazemos silagem para o inverno. Temos também 10 hectares de Tifton, que é destinado à fabricação de feno no inverno. Temos ainda uma fábrica de ração própria, misturamos e fazemos formulações em conjunto com o veterinário”, ressalta.

O papel do executivo na propriedade está voltado à parte estratégica e algumas funções comerciais. Precisa dividir seu tempo com a Empresa Suzano Papel e Celulose e o Núcleo Paulista de Criadores de Angus. “Minha rotina é bem definida: venho para Itu todo fim de semana, geralmente aos sábados, aproveito para ver nascimento, acasalamentos e separação dos animais para as exposições e eventos. Domingo aproveito para descansar e andar a cavalo com minha filha”, comenta Maciel.

No dia a dia, quem cuida da fazenda é a esposa, Andréa Maciel, com auxílio do veterinário Dan Ariel Szmaruk, profissional com mais de 20 anos de experiência em melhoria da qualidade genética. O veterinário ainda é responsável pelas 400 transferências de embriões por ano.

Vem aí o 3º Leilão FSL Angus

Ao término do Dia de Campo, em 20 de Agosto, Maciel revelou que a expectativa é grande em torno da 3ª edição do Leilão FSL, que será realizado dia 17 de setembro, na sede da fazenda em Itu, devido à grande procura do mercado por touros.

Neste ano, serão ofertados 70 touros comerciais destinados a criadores que fazem repasse e novilhas prenhas ideais para quem esteja começando a criação. Ainda serão ofertadas bezerras de 12 meses, 11 touros especiais com teste de capacidade de monta, e também sêmens dos melhores touros nascidos na FSL e dos touros da parceria com a Fazenda Três Marias dos Estados Unidos e Canadá.

A grande novidade dessa edição será a oferta de Escolha, muito comum na Argentina, mas desconhecida no Brasil. O comprador dará um lance e comprará 50% de um lote Escolha. Em junho do ano que vem, ele voltará na FSL e poderá escolher um animal entre todos os 200 melhores nascidos.

Para essa edição, já existe uma outra novidade. Ano passado Francisco Gutierrez, titular da Cabanha Três Marias, escolheu a FSL Gisele entre as 200 nascidas, que na opinião dele seria a melhor de todas, e ela também terá 50% da propriedade à venda no leilão. “Seria como se um criador optasse pelo lote Escolha e tivesse contratado o Francisco para selecionar o melhor animal”, explica Maciel. Sendo assim, serão dois lotes com venda de 50%.

Para evitar problemas, o leilão deste ano terá horário definido. Exatamente às 14h começará a oferta de fêmeas, e pontualmente às 16h começam os machos. O catálogo de consulta está disponível no site www. fslangusitu.com.br.