Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Exportação de Carne

 

Sem novidades

Isabela Camargo

O Brasil é o maior exportador de carne bovina e o segundo produtor mundial, seguido por Índia e Austrália. Aqui vale destacar que existem controvérsias quanto a essa classificação, para o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), o Brasil ocupa a segunda posição, perdendo somente para a Índia.

Em 2014, a exportação foi recorde em faturamento e volume.

Entretanto, após bons resultados em 2013 e 2014, em 2015 a exportação patinou. Foram exportadas 1,83 milhões de toneladas em equivalente de carcaça de carne bovina in natura, industrializada e miúdos, queda de 10,6% em relação a 2014 (MDIC).

O faturamento foi de US$ 5,7 bilhões, queda de 18,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

A alta do dólar e a queda da produção mundial, resultado do encolhimento das produções nos Estados Unidos e na Austrália, favoreceram vendas externas no ano passado. Entretanto, já em janeiro de 2015, os embarques caíram 23,8% em volume.

A queda da exportação ocorreu principalmente pela redução das compras da Rússia e da Venezuela. A queda no preço do petróleo gerou instabilidade econômica nesses países e foi o principal responsável por esse cenário.

Entretanto, o câmbio permitiu que o faturamento em reais fosse bom. Na comparação com 2014, o faturamento melhorou 15,9%. Nada mal para um quadro de recessão nacional.

E EM 2016?

De janeiro a outubro a exportação de carne bovina in natura, industrializada e de miúdos, foi de 1,55 milhões de toneladas em equivalente de carcaça. Alta de 3,4% em comparação com o mesmo período do ano passado.

O principal comprador em volume foi Hong Kong, cuja aquisição foi de 243,9 mil toneladas em equivalente de carcaça. Esse montante foi responsável por 21,3% dos embarques.

Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!