Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Pastagem

 

Sementes incrustadas

Tecnologia permite germinação inteligente no ponto de umidade necessário

Pedro H. L. Lorençoni*

A primeira boa vantagem que se tem quando nos referimos ao uso de sementes incrustadas para a formação do pasto é que, inegavelmente, o produtor rural irá utilizar de uma quantidade muito menor de sementes incrustadas por área comparando com a convencional, pois apresentam maior rendimento na semeadura, inclusive facilitando a regulagem dos diversos tipos e modelos de equipamentos utilizados para o plantio e também conferem um estabelecimento inicial mais rápido e uniforme.

O uso de sementes incrustadas beneficia o produtor com alta pureza física e sanitária e, devido ao revestimento especial – próprio para o tratamento e revestimento de sementes, há maior facilidade no plantio, para a calibração dos equipamentos de semeadura. Outra grande vantagem das sementes incrustadas é a ausência de sementes imaturas (“meia grana” ou sementes chochas), que poderiam até germinar, mas dariam origem a plântulas sem vigor e que morreriam facilmente. Além disso, o tratamento – em 100% dos lotes – com fungicida, protege as plântulas germinadas contra os principais fungos de solo que poderiam interferir na emergência e no desenvolvimento inicial, podendo inclusive causar a morte das plantas. Referindo-se à germinação, vale a pena comentar que as sementes nuas (não revestidas) germinam no solo e estão sujeitas às variações das intempéries climáticas locais. As sementes revestidas, por sua vez, não germinam no solo, mas sim dentro do revestimento, no qual possui a proteção do fungicida, garante uma absorção de água do solo gradativa e alguns micronutrientes que favorecem a germinação. Enfim, as condições de germinação que o revestimento fornece para as sementes são totalmente superiores em relação às sementes nuas plantadas diretamente no solo.

Crescimento do capim originado de semente incrustada na Fazenda São Geraldo

O motivo das vantagens apresentadas pelas sementes incrustadas é creditado ao uso de alta tecnologia utilizada. Para receber o revestimento, o lote de sementes atende a rigorosos padrões internos de qualidade: pureza e germinação. O revestimento é uma tecnologia que permite a melhor utilização dos produtos, incluindo melhor plantabilidade e maior proteção. A proteção revestida não melhora a qualidade da semente, isto é, se a semente que vai ser incrustada ou revestida tiver uma baixa germinação, por exemplo, o revestimento não melhora essa qualidade. Portanto, para incrustar uma semente, ela deve apresentar boa qualidade desde o início do processo. Essa é a primeira exigência para que uma semente seja submetida a tal tratamento. O segundo tratamento é a limpeza do lote de sementes, no qual as impurezas que o compõem são retiradas. Quando o lote apresentar em torno de 90 a 95% de pureza, é submetido ao processo de escarificação química. Esse processo é importantíssimo, pois, nesta etapa, as sementes imaturas que não foram retiradas no beneficiamento são eliminadas pela ação da escarificação química, restando apenas sementes “granadas” e com elevado vigor e que completaram totalmente sua maturação fisiológica. Esse processo também pode auxiliar na superação de uma possível dormência no lote de sementes de forrageiras.

O processo descrito acima (escarificação química) necessita de conhecimentos técnicos e equipamentos específicos para ser realizado. Muitas empresas não o fazem, porque, além de tudo, é um processo complexo e com risco de danificar todo o lote. Sendo assim, somente as melhores sementes é que seguem para o processo de incrustação. Há ainda a opção de se aplicar também um inseticida, que irá proteger a semente e a plântula em sua fase inicial.

As sementes incrustadas passam por um rigoroso processo de escarificação para garantir pureza e germinação

O tratamento conferido durante o processo de incrustação não interfere negativamente na germinação ou mesmo na vida útil das sementes, pelo contrário, pode aumentar por mantê-las protegidas.

Além das vantagens mencionadas, é importante salientar que produtores que trabalham com Integração Lavoura-Pecuária (ILP) ou Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) ou utilizam esses materiais forrageiros apenas como fonte para formação de palhada no Sistema de Plantio Direto encontram nas sementes Série Gold Matsuda qualidade sanitária, ou seja, isenta de importantes nematoides, que poderiam afetar a produtividade de suas lavouras, como: Heterodera, Pratylenchus e Meloidogyne.

Essa tecnologia está disponível para sementes das espécies de Brachiaria brizantha (cv. Marandu, cv. MG-4 e cv. MG-5 Vitória), B. decumbens, B. humidicola cv. B. Humidícola e cv. Llanero, B. ruziziensis e Panicum maximum (cv. Áries, cv. Mombaça e cv. Tanzânia-1, cv. Atlas, entre outros).

Em resumo, o uso dessa tecnologia de revestimento de sementes para pastagens oferece ao produtor rural diversos benefícios:

– sementes puras e de alta germinação, livres de contaminantes, ervas daninhas, e nematoides;
– uniformidade de distribuição na semeadura, com padrão único de peso e tamanho, resultando em uniformidade na distribuição e no estabelecimento inicial;
– proteção das sementes, pois a matéria- -prima empregada junto com os ativos protege e favorece a germinação;
– no momento da semeadura, é fácil visualizar as sementes, possibilitando assim uma melhor precisão na regulagem das máquinas;
– formação inicial com número ideal de plantas/m², pois oferece melhores condições para as sementes germinarem, permitindo o melhor aproveitamento dos ativos e o menor carregamento pelas formigas.

*Pedro Lorençoni é engenheiroagrônomo do Departamento Técnico de Sementes do Grupo Matsuda