Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Semente Forrageira

 

Menos oferta e preços maiores

A safra 2012/2013 de sementes de capim foi marcada pela alta significativa nos preços da Brachiaria brizantha cv. Marandu, líder em vendas

Alex Santos Lopes da Silva

Em 80 fazendas de pecuária detentoras de alta e média tecnologia, nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, totalizando 250 mil hectares, foi constatado que 58,2% dos pastos estão ocupados com Brachiaria brizantha cv. Marandu. Todos os capins do gênero Panicum, somados, totalizaram 16,4% da área.

Juntos os principais estados produtores de sementes de capim - Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo - diminuíram em 20 mil hectares a produção de semente de braquiarão neste ano.

Isso repercutiu nos preços. Em maio, quando começou a colheita, a semente com Valor Cultural 50% era vendida nas revendas do estado de São Paulo a R$ 9,75/kg. A partir daí, a cotação não parou de subir e, em outubro, estava cotada em R$ 11,75/kg, alta de 18,5%.

Caminho inverso ao trilhado pelas sementes de Panicun. O Mombaça (VC34%), por exemplo, no mesmo período, passou de R$ 11,24 para R$ 8,81/kg. Este cenário se repetiu em todo o País. No Mato Grosso, por exemplo, desde maio, a valorização da semente de braquiarão nas revendas foi de 4,5%, enquanto o preço da semente de Mombaça caiu 17,6%. O pecuarista que iria reformar o pasto com a brachiaria pode ser levado a optar por outro capim.

Em outubro, o investimento em sementes para formar um hectare com Marandu foi de R$ 109,95, contra R$ 103,71 para o Mombaça, 6% mais. Em mil hectares, representa R$ 6,2 mil a mais de despesas.

Para este cálculo foram considerados os valores culturais mais encontrados nas revendas do País, 50% para o Marandu e 34% para os panicuns. É claro que é preciso considerar que este cultivar de panincun é mais exigente em fertilidade, o que eleva os gastos com adubação.

Porém, o destaque é para a comparação de preços entre elas. Em setembro de 2012, por exemplo, para semear um hectare com sementes de Mombaça gastava-se, em média, R$ 123,53, enquanto com o Marandu, R$ 103,50.

As perspectivas para o mercado de insumos são boas. A partir de junho de 2013, o pecuarista teve ganhos reais frente a 2012. Até novembro, o aumento foi de 4,9%. Em julho e setembro, a diferença de remuneração real chegou aos 6,8%. Porém, este cenário foi anulado para o braquiarão. Em novembro de 2013, com uma arroba de boi gordo em São Paulo, era possível comprar 8,41 kg de sementes de Marandu (VC50%), o suficiente para semear um hectare de pasto. Há um ano compravam-se 11 quilos.

Comparando-se panicuns, se em 2012 uma arroba equivalia a 7,54 quilos de sementes de Mombaça, atualmente é possível adquirir quase 60% a mais do produto, chegando aos 12 kg/arroba.

Por fim, é possível que haja uma correção nos preços de panicuns, até então em queda, se a demanda por este capim crescer, como é esperado.

Para a brachiaria, a oferta está tão restrita que nem mesmo uma redução nas vendas pode ser suficiente para reverter o cenário de alta, pelo menos até os primeiros meses de 2014, período que concentra as vendas de sementes.

*Alex da Silva é zootecnista da Scot Consultoria