A Granja do Ano – 33 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Plantadeiras

PIONEIRISMO no plantio direto

Máquinas projetadas pela Semeato aliam tradição e inovação para atender as diferentes necessidades dos produtores

A Granja do Ano - Como o trabalho da Semeato vem colaborando para o desenvolvimento da agricultura brasileira nas últimas décadas?

Roberto Rossato - A partir dos anos 60, a Semeato focou em uma alternativa do sistema tradicional de plantio para uma revolução no trato dos solos, que já começavam a dar sinais de erosão e empobrecimento. Então surgiu o sistema de plantio direto, que salvou os solos da erosão e criou a agricultura tropical, com todas as vantagens de solos mais produtivos e conservados. Foi em 1982 que a empresa lançou no mercado a primeira semeadora destinada ao Plantio Direto: a TD 300. A máquina foi consagrada na época, e ainda hoje é utilizada por alguns produtores. Dessa forma, a empresa tornou-se fundamental na introdução e na divulgação do plantio direto, que se propagou pelo mundo. A Semeato sempre trabalhou buscando qualidade e empregando tecnologia em suas máquinas que são desenvolvidas para operarem em diferentes contextos. A experiência de 49 anos, somada ao amplo conhecimento nas práticas agrícolas e às pesquisas em desenvolvimento, permitem à empresa levar alta tecnologia e inovação contínua aos seus clientes em suas plantadeiras e semeadoras.

Como a Semeato trabalha para manter e solidificar o relacionamento com seus clientes?

Trabalhamos em um projeto que se estende a todo o mercado. Além de toda a nossa rede de revendedores e seus sistemas de pós-venda ao agricultor, ainda proporcionamos nossa equipe própria de assistência técnica. Já no primeiro contato com a máquina, o cliente tem instruções de segurança, manutenções, regulagens e sistema operacional, bem como o uso correto dos nossos produtos. Os nossos assistentes técnicos estão em constante treinamento, alocados em todas as regiões do Brasil, para prestar o acompanhamento técnico das máquinas. Em parceria com seus revendedores, a Semeato promove, todos os anos, uma série de “Dias de Negócios”. O objetivo, além de proporcionar aos produtores condições especiais para a compra de semeadoras e peças de reposição, é disponibilizar aos mesmos um serviço personalizado.

Roberto Rossato é diretor presidente da Semeato

Atualmente, quais são as principais demandas dos produtores no momento de decidir a compra de um novo equipamento para o plantio?

A agricultura brasileira tecnificou-se rapidamente e exigiu dos fabricantes de máquinas cada vez mais produtos com tecnologias avançadas, superando até outros mercados, estrangeiros e mais antigos, na agricultura mecanizada. Isso nos conduz a um franco desenvolvimento de novos produtos e melhoria nas técnicas de plantio. As máquinas Personalle Drill e SHM, por exemplo, são desenvolvidas para pequenas e médias propriedades, que operam com eficiência e precisão. Já a SAM é destinada a pequenas propriedades, está disponível com 11 linhas para grãos finos e até cinco linhas para grãos graúdos. A SSM é a família das máquinas múltiplas destinada para propriedades de médio e grande porte. Pensando no rendimento do plantio, a Semeato submeteu a SSM 27 a um processo de reengenharia que aumentou a capacidade de armazenamento nos reservatórios de sementes e fertilizantes, resultando em maior rendimento operacional. Há ainda a SOL T, uma máquina destinada ao plantio de grãos graúdos que conta com o sistema de distribuição Vaccum System, tecnologia precisa que tem grande capacidade de individualizar as sementes, resultando em excelentes índices de plantabilidade.

Como estão os negócios da empresa no exterior e quais os principais objetivos no mercado externo?

O Grupo Semeato está presente em todos os continentes, e cada um dos países mantém revendedores autorizados e treinados para prestar a assistência técnica qualificada. A tecnologia do plantio direto nos projeta no mundo carente de nosso sistema conservacionista, que está muito avançado em relação aos países do Hemisfério Norte. A empresa está focada em homologar sua linha específica no mercado europeu, para onde já exportamos há quase 20 anos.