O Confinador

 

PERSPECTIVA 2017

Proposta de padronização de cálculo e os custos operacionais de confinamentos

Gustavo Lineu Sartorello1, João Paulo Bastos2 e Augusto Hauber Gameiro3

Na edição de fevereiro, nós tratamos da alimentação dos bovinos, especificamente sobre o aumento dos níveis de concentrado na dieta e o comportamento dos preços do milho grão, assim como os preços do boi magro e gordo no intervalo de dez anos, entre 2005 e 2016. Nesta edição, abordaremos os chamados “custos operacionais”, que, por definição, não incluem a aquisição de animais, a alimentação e os impostos variáveis. O acompanhamento dos custos da atividade de confinamento e a sua evolução ao longo do tempo é necessário para o gerenciamento do sistema produtivo, como em qualquer atividade. As considerações dos itens de custo produtivo da agropecuária variam conforme a teoria utilizada, pois não existe método padrão previamente definido. Todavia, nas análises econômicas realizadas, alguns custos muitas vezes são subestimados, ou então desconsiderados, quando na verdade, a alocação dos custos deveria abranger todos os itens relacionados à produção.

Devido a essa diversidade metodológica, os confinadores têm dificuldades de compararem os custos de diferentes propriedades, sem, antes, entenderem a definição dos itens de custos que compõem a análise.

Nesse sentido, o Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal (LAE), o qual está vinculado à FMVZ/ USP, vem desenvolvendo pesquisas para auxiliar os confinadores. Recentemente, foi defendida a dissertação do primeiro autor que teve por objetivo, dentre outros, desenvolver modelo matemático para cálculo de custo de produção de bovinos de corte em confinamento ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!