Escolha do Leitor

 

ILP

Adoção de sistemas integrados: as mudanças e os desafios envolvidos

Gabriela Geraldi Mendonça1, Jeferson Garcia Augusto2, Pedro Bonacim3, Flávia Fernanda Simili4, Augusto Hauber Gameiro5

Os profissionais envolvidos nas cadeias de produção animal e vegetal se deparam com um cenário atual de contradições. De um lado, o aumento pela demanda de alimentos, de outro, pressões sociais, questionando o modo como conduzimos a produção. Assim, muito embora a cadeia esteja sendo taxada como grande contribuinte para impactos ambientais negativos, a grande questão não está na quantidade produzida e sim na qualidade e na eficiência da produção.

Surge a necessidade, portanto, de que estratégias sejam definidas e alternativas sejam validadas nesse contexto de escassez de recursos não renováveis versus eficiência na produção de proteínas animal e vegetal. Avanços obtidos através de pesquisas e tecnologias aplicadas nas áreas de nutrição, melhoramento genético e sanidade, foram e continuam sendo determinantes. Contudo, é preciso ir um pouco além, pensando no modo como os sistemas produtivos são implantados e conduzidos, ou seja, pensar em um novo tipo de delineamento, minimizando os impactos causados ao meio ambiente, sem, no entanto, esquecer os aspectos produtivos e econômicos.

Nesse contexto, os sistemas integrados podem ser uma importante ferramenta. A integração lavoura- -pecuária (ILP) consiste na implantação de diferentes sistemas produtivos de grãos, fibras, carne, leite e energia, na mesma área, em plantio consorciado, sequencial ou rotacional. O objetivo é conseguir obter, em uma mesma área, o cultivo de pastagens anuais ou perenes para a produção animal e produção vegetal, principalmente grãos.

Os benefícios mais divulgados em relação aos sistemas ILP são os de...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!