Matéria de Capa

 

SILAGEM

Implicações técnicas e práticas na alimentação de bovinos de corte

A sazonalidade da produção de forragens durante o ano, ou mesmo a necessidade de atender uma produção mais intensiva tem levado o pecuarista a adotar práticas de conservação de forragens, dentre as quais se destaca a ensilagem. O produto da ensilagem é denominado silagem, resultante do processo de fermentação dos açúcares solúveis da planta em ácidos orgânicos, principalmente em ácido lático e acético, sob condições de anaerobiose (ausência de ar) por micro-organismos epifíticos (que vivem sobre os vegetais), após a forragem ter sido colhida, picada, compactada e armazenada em silos.

De um modo geral, todo o método de conservação de forragem está sujeito a perdas inevitáveis durante o processo (Tabela 1; Figura 2). Portanto, o produtor deve estar ciente que o objetivo na ensilagem é minimizar as perdas e reduzir o custo de produção. Qualquer planta com a sua umidade original pode ser ensilada, mas deve- -se dar preferência a materiais que apresentem alta produtividade, alto valor nutricional e potencial de fermentação e conservação (açúcares, umidade e ponto de corte). Além disso, por se tratar de um processo mecanizado, depende de um planejamento de todas as etapas, visando à otimização dos recursos, como maquinários, implementos e mão de obra.

A produção de uma silagem de qualidade começa no plantio da cultura que será ensilada (Tabela 2). Posteriormente, segue com o acompanhamento da lavoura até o momento de corte das plantas. Assim, a escolha da planta forrageira (espécie, cultivar, híbrido), as práticas culturais (adubação, espaçamento, etc.), a manutenção dos equipamentos (afiação das facas) e a observação do ponto ideal para o corte influenciam diretamente no rendimento e na qualidade do produto final.<...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!